fechar
X Fechar
X Fechar

X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

RM - Motocross Racing

Edgers Racing

RX Graphics

JPS Racing

Ohlins

DLua Racing

Toro Sports

Clique e saiba mais

> Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

Supercross e MXGP - Costa Leste e Mundial de Motocross dão a largada
Publicado em: 01/03/2016

Arlington, Hotlanta, Qatar e muito mais
Redação MotoX.com.br - Por Edu Erbs - Fotos: Garth Milan, Simon Cudby, Ray Archer, JP Acevedo, Suzuki e Honda Pro Racing/Bavo


Ryan Dungey

O Monster Energy Supercross chega em uma de suas fases decisivas da temporada, a marcha em direção à Costa Leste. E de acordo com o nosso amigo Ricky Carmichael, a temporada só começa agora, porém garanto: Ryan Dungey, com 33 pontos de vantagem sobre Ken Roczen, tem plenos motivos para provar o contrário.


Em Atlanta Marvin Musquin liderou até a última volta, mas deixou a vitória escapar
Em Arlington, no Texas, Ken Roczen venceu, sendo o primeiro a bater Dungey em uma briga corpo a corpo nesta temporada, entretanto, o alemão teve um desempenho pobre em Atlanta, na Geórgia, perdendo 10 valiosos pontos no campeonato.

Um dos maiores destaques nas duas últimas provas foi Marvin Musquin. O francês, dono da volta mais rápida em um dos treinos em Arlington, parecia pronto para uma grande noite, mas uma queda na primeira curva o colocou em último; e sendo por muitas vezes o mais rápido da pista, encerrou com uma honrosa sexta colocação.

Musquin conseguiu carregar a mesma velocidade em Atlanta, liderando 19 das 20 voltas, mas com o envolvimento em uma possível - e terrível, caso acontecesse - queda, enquanto ultrapassava James Stewart, deixou a vitória para seu colega de equipe Dungey. Ainda assim, o francês terminou em segundo, seu melhor resultado na classe até então.


Casado e futuro papai, James Stewart segue nas manchetes mesmo sem bons resultados

Oh James! Bubba Stewart fez "mais um" retorno em Atlanta com indícios de velocidade nas classificatórias e uma daquelas ultrapassagens magníficas nas primeiras voltas, até ir ao chão na seção de areia. Depois de se classificar pela semi, James fez uma corrida apagada, fora dos top 10, mas não deixou Atlanta sem ser alvo de ainda mais drama.... Na última volta, o piloto se meteu entre Ryan Dungey e Marvin Musquin, que brigavam pela vitória, obrigando o francês a mudar seu traçado e, consequentemente, encavalar um triplo. Resultado: Musquin quase foi atingido por Dungey.


Martin Dávalos largou na frente na 250 Costa Leste
Além de marcar mais um de seus retornos, Stewart foi assunto nas manchetes depois de um amigo anunciar nas mídias sociais que o piloto vai ser pai de um menino, entretanto o mais interessante é Bubba conseguir manter, por muito tempo, em completo sigilo o seu casamento. Depois de alguma investigação, descobri que ele já completou nove anos!

Arlington marcou a última prova, antes da longa pausa para os pilotos das 250s da Costa Oeste. Cooper Webb, depois de três provas com problemas, saiu do Texas com uma confortável liderança após o então líder Joey Savatgy se encontrar com Christian Craig na seção de costelas e cair forte. O fato gerou polêmica nas mídias sociais e fóruns, mas aos meus olhos foi um puro acidente de prova.

Entre mortos e feridos... assim eu poderia renomear a Costa Leste, que coroará um novo campeão este ano. Todos os principais candidatos vêm de temporadas difíceis, ou no mínimo inconsistentes ou com sérios problemas de saúde.

Se for analisar, o vencedor Martin Dávalos, iniciando a sua 11ª temporada na classe, mostrou por várias vezes ter velocidade para andar na frente, mas sempre se lesiona antes da final em Las Vegas.

Malcom Stewart é outro piloto que provou ter habilidade no sangue; e talvez seja o piloto com a melhor preparação depois de, claramente, perder peso. Entretanto, atropelou a moto de Shane McElrath na prova final e caiu na seção de areia.

A Monster Energy Pro Circuit Kawasaki é outra equipe sem muito o que comemorar. Depois do menino prodígio Cianciarulo se machucar novamente, Arnaud Tonus e Tyler Bowers lutaram contra lesões e o vírus Epstein Barr, mas ainda têm muito trabalho a fazer se quiserem agradar o chefe Mitch Payton.


Aaron Plessinger

Jeremy Martin com certeza sabe ganhar campeonatos, mas se analisarmos suas duas últimas temporadas na classe, o piloto falhou por três vezes na classificação para a prova final.

Realmente, mesmo depois da primeira corrida fica difícil fazer algum tipo de previsão sobre o futuro da classe.


Solo de Atlanta ao mesmo tempo que ofereceu mais tração teve mais canaletas
Uma novidade deste ano entre as 250s é a final em Las Vegas com uma "super-final" entre as duas costas. Porém os pilotos de ambas participarão de somente uma prova com pontuação regular, somando ao ranking de cada lado. Exemplificando, se Cooper Webb ganhar a prova, ele soma 25 pontos ao seu campeonato, e se Dávalos acabar em segundo, adicionará 22 pontos para a sua campanha na Costa Leste… e assim por diante.

Curti a mudança, bem-vinda, como a maioria, entretanto acho que se as coisas ficarem apertadas no final do campeonato, equipes com um maior número de pilotos, como a Geico Honda, poderiam indiretamente se beneficiar de táticas de equipe.

Vídeo



Falando especificamente de Atlanta, acho muito interessante a clara mudança de terreno entre as duas costas. Mesmo no Texas, distante do litoral oeste, a prova de Arlington se mostrou extremamente escorregadia e técnica assim como é na Califórnia. Em Atlanta, o solo macio, ao mesmo tempo que oferecia mais tração, ofereceu também as canaletas agravadas com o decorrer do dia, obrigando reajustes em termos de escolha de pneus, suspensão e técnica de pilotagem. Ou seja, vantagem para pilotos com pré-temporada na Flórida ou Geórgia.


Las Vegas terá super-final das duas costas com novidade na pontuação das 250s

Além disso, vale a pena salientar que o traçado de Atlanta contou com uma gigante reta de largada - bem parecida com Glendale. Acho até interessante, mas o resultado disso foram tempos de volta que chegaram aos 45 segundos, na minha opinião, extremamente curto para provas deste nível.

Na próxima semana, o circo se direciona à Daytona, onde os pilotos encontram a prova mais tradicional do ano assim como a mais exigente fisicamente. A pista será desenhada por Ricky Camichael, que usa o local como sede de mais um Ricky Carmichael University.

Mundial de motocross


Mundial de Motocross começou mais uma vez no Qatar


Desempenho de Tim Gajser foi a grande surpresa da abertura do campeonato
Mais uma vez o Qatar sediou a abertura do campeonato. E mais uma vez repito o discurso de que apesar dos custos e das dificuldades para algumas equipes, acho importante o Mundial de Motocross visitar outros continentes além da Europa. Mas da mesma forma, quando assisto o evento, à noite, praticamente sem espectador algum, fica claro que o interesse de manter esta prova no calendário vai além da promoção do esporte no país.

Jeffrey Herlings não fez nada mais que o esperado e dominou a classe MX2 - apesar das tentativas insistentes de Dylan Ferrandis em atrapalhar. Agora me pergunto: depois de deixar o campeonato do ano passado cair no colo de Tim Gajser, o que o holandês pensa dos resultados da MXGP?

O piloto da Gariboldi Honda surpreendeu a todos com uma dupla vitória na categoria principal, seguido pelo atual campeão mundial Romain Febre, ainda com problemas no cotovelo. Ambos são pilotos que Herlings mal tomava conhecimento durante a maioria das provas na MX2. No fundo deve ser um pouco frustrante para o holandês.

Vídeo




Na MX2 Jeffrey Herlings fez o que era esperado: dominou
Entre outros destaques, Tony Cairoli cruzou as suas botas Sidi iluminadas na quinta posição e parecia contente com o resultado, pois ainda sofre com a fratura de duas costelas. Também conta o fato de nunca ter tido pleno sucesso no local.

O francês Gaultier Paulin treinou durante o "off-season" na Flórida com Musquin, Dungey e Anderson na Baker's Factory, mas infelizmente o piloto teve uma prova difícil com a sua HRC Honda lhe deixando na mão logo depois da largada da segunda bateria.

Com certeza ainda é muito cedo para qualquer conclusão, mas a primeira prova dá indícios que a "nova guarda" do esporte está vindo para ficar. E espero uma temporada 2016 marcada por boas brigas, por espetáculos de público e por menos lesões e desistências que no último ano.

Vídeo



Frase da semana:
"Never let the things you want make you forget the things that you have"








Vídeos MotoX Connect



Acompanhe o MotoX no Facebook

Curso MotoX
Brasil Racing
JPS Racing

© 2000 - 2017 MotoX MX1 Internet