X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Arenafama

Clique e saiba mais

> Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

Disputas internas, vaidades e a dança das cadeiras já no início do ano
Publicado em: 15/03/2019

Um balanço do AMA Supercross e suas equipes após 10 etapas na temporada
Redação MotoX.com.br: Por Edu Erbs - Fotos: Octopi / Simon Cudby / J.P. Acevedo / Ray Archer


Largada em Daytona

Com 10 provas completadas e mais sete pela frente, o Monster Energy AMA Supercross Championship alinha para a sua reta final enquanto a Pro Circuit Kawasaki parece voltar à sua velha forma liderando as duas costas nas 250s com Adam Cianciarulo (Leste) e Austin Forkner (Oeste). Cooper Webb lidera a classe principal com quase 20 pontos de vantagem sobre os demais pilotos da categoria.

Ao invés de falar sobre Daytona, vou fazer um apanhado geral do campeonato até aqui, dividido por times e pilotos.

Factory Red Bull KTM


Cooper Webb

Seria fácil fazer um longa dissertação só deste time! Cooper Webb declarou logo antes da temporada que tomaria o banco de trás da equipe e esse seria um ano de reconstrução, e Marvin Musquin, mesmo começando o campeonato com um joelho lesionado seria o piloto principal da equipe. Claramente os papéis estão se alterando com Cooper liderando o campeonato com cinco vitorias, e Marvin sem nenhuma. Por aqui há muita especulação sobre o relacionamento dos pilotos, se a equipe ainda trata Marvin como o piloto principal ou ainda quem tem a maior atenção de Aldon Baker. Eu sinceramente acho que o profissionalismo do time - que queira ou não queira ainda é supervisonado por Roger DeCoster - fala mais alto, e até o momento não vejo algum tipo de rixa entre os pilotos. Todos sabemos que Marvin e Webb tiveram problemas no passado quando brigavam pelo titulo nas 250s, mas imagino que isso seja coisa do passado e, a não ser que haja realmente algum tipo de alteração e contato durante as provas, tudo deve continuar do jeito que está.


Marvin Musquin

O que mais me impressiona sobre Webb, é que apesar de não ter tido nenhuma vitoria esmagadora, ele venceu de todas as formas, seja largando na frente, vindo de trás, ou passando Ken Roczen na última curva! Entretanto, o que é ainda mais impressionante é que depois da sua 10ª colocação em San Diego, o piloto parece estar no lugar certo, na hora certa, o tempo todo. Mesmo que Eli Tomac tenha vencido duas das três últimas provas e às vezes Webb pareça ter dias que não esta se acertando durante os treinos e qualificatórias, o piloto da KTM sempre acaba tendo provas decentes minimizando o seu déficit de pontos ou ainda ampliando a sua vantagem sobre a maioria dos oponentes. Tomac pode continuar vencendo nos proximos finais de semana, e um pequeno erro de Webb pode mudar o rumo do campeonato, mas a este ponto, se tivesse que por meu dinheiro em alguém eu colocaria em Webb. Ele sabe como vencer campeonatos e o passado nos diz que Tomac teria uma maior probabilidade de ter uma corrida ruim do que o rival.


 

Na minha opinião, é incrível como Marvin Musquin ainda não tem uma vitória este ano. Pra mim é claro que o problema do joelho já é coisa do passado, e que o francês está em plena forma física. O numeral 25, pelo menos nas últimas provas se mostrou mais rápido que Webb durante os treinos e até mesmo durante as provas de Atlanta e Indianápolis, mas infelizmente tem tido dificuldades de juntar todas as peças do quebra-cabeça nas corridas e pequenos erros aqui e ali tem lhe preterido de obter o sucesso esperado. Também adicionaria que a ascensão de Webb deve ter mexido com o lado mental do piloto.

Factory HRC Honda


Ken Roczen

Os Red Riders também não tem tido a temporada que imaginavam, e a Factory Honda tem os dois postos abertos no final deste ano e, pode-se dizer, a maior interrogação da Silly-Season deste ano. Savatgy, Cianciarullo, McElrath, Wilson e até Forkner são alguns dos nomes já cogitados para as vagas na equipe... além de rumores de que a fábrica estaria disposta a por milhões de dólares na mesa afim de trazer Tomac de volta a marca. Apesar de que aparentemente há uma certa insatisfação por Ken Roczen com o seu equipamento, talvez haja algum tipo de cláusula de opção por renovação do piloto com o time e vice-versa.

Apesar de achar difícil Cole Seely ser renovado, eu acredito que Kenny continuará com o time provavelmente por mais dois anos, pois é uma parceria milionária, de certa forma a HRC é um time de alto prestigio e Kenny um dos pilotos mais populares entre os fãs, apesar de nada disso vencer provas e/ou campeonatos.


Cole Seely

Falando em Kenny, assim como Musquin, é difícil de acreditar que o alemão ainda não venceu uma prova este ano e que faz mais de dois anos que não vemos ele no lugar mais alto do pódio. Eu acredito que Kenny infelizmente dificilmente voltará a forma que estava no início de 2017 depois de todos os problemas que teve nos dois braços, além disso, como já disse acima não tenho plena certeza que o mesmo tem 100% de confiança no seu equipamento, e mesmo tendo uma incrível capacidade mental para bloquear tudo o que enfrentou no passado, acredito que Kenny terá que contar com um pouco de sorte para poder ser campeão contra este nível de oponentes que enfrenta no momento.

JGR Suzuki


Chad Reed

Depois da HRC, eu apontaria a JGR como principal foco da silly season 2019. Weston Peick tem um futuro ainda bastante incerto, Chad Reed parece pronto para pendurar as botas e Justin Hill claramente ainda não apresentou o brilho prometido na talentosa classe das 450s, atraindo o interesse de pilotos como Dean Wilson, Justin Bogle e Joey Savatgy. Com a perda do patrocinador principal, a equipe parece que sobrevive graças a milionaria familia Gibbs, que é dona do time, e a campanha de Chad Reed já traz dividendos ao time, já que o australiano não recebe salário e já subiu ao pódio uma vez neste ano. Apesar de duvidar que Reed reassine contrato com o time para o ano que vem sem receber salário, acredito que seria um ótimo investimento para o time e para o piloto.


Alex Martin

Ouvi dizer outro dia que Hill talvez possa optar por ficar de fora do outdoors, e Reed não demonstra nenhum tipo de intenção de participar do mesmo, com Weston Peick ainda fora da moto, não se assustem se virem Dean Wilson no posto principal da equipe em Hangtown, no final de maio. Além disso, a equipe acolhe também o time de fábrica da classe de base da Suzuki, e o time terá que escolher dois dentre seus quatro pilotos para disputar o motocross. Com Alex Martin com uma das vagas garantidas, acredito que Enzo Lopes seria o piloto mais indicado para a vaga já que Jimmy Decotis e Kyle Peters nunca tiveram resultados muito expressivos no motocross. Teremos que esperar para ver.

Factory Kawasaki


Eli Tomac

Rumores indicavam que na semana da prova de San Diego Eli Tomac finalmente achou um set-up "mágico" e que inevitavelmente iria começar a ganhar provas. Infelizmente esse acerto não apareceu realmente até Atlanta. Como falei anteriormente, não ficarei surpreso se Eli pegar embalo daqui em diante vencendo a maioria das provas, mas o mais interessante disso tudo é em que colocação o piloto ficará nas corridas que não vencer?! Nada está perdido, um piloto com o talento de Eli, e com um time vitorioso como a Kawasaki, pode virar o jogo se Webb cometer um erro... mas até então, a história se repete pelo terceiro ano consecutivo.


Joey Savatgy

Já Joey Savatgy tem me impressionado dentre os novatos da classe. Ele não tem sido perfeito, mas com certeza tem sido para mim uma das maiores supresas positivas deste ano, o problema é que seu contrato com o time é de somente um ano e se Adam Cianciarulo vencer um ou até dois campeanatos poderá subir para o time, provavelmente tirando Joey da jogada. Então essa boa performance que Joey vem apresentando pode lhe garantir uma vaga em um novo time no ano que vem (talvez JGR or Rocky Mountain KTM) ou ainda uma pequena possibilidade da Kawasaki manter três pilotos, já que temos que pensar mais adiante, já que talvez em 2021 Austin Forkner entre na fila por uma das vagas do time.

Factory Yamaha


Aaron Plessinger, fora por tempo indeterminado após a queda em Daytona

As coisas estão um poucos dificeis para o time nestes últimos finais de semana. Com Justin Barcia sofrendo uma concussão, e Aaron Plessinger com o calcanhar fraturado, a salvação do time será o retorno do primeiro em Indianapolis.. Muitas coisas pairam no ar sobre o futuro do time neste verão, desde a opção de contratar Josh Grant até mesmo o australiano Dean Ferris que tem afinidade com a marca e pode surpreender no outdoors. Ambos os pilotos estão assinados para 2020 então provavelmente não veremos mudança para o ano que vem.

Rocky Mountain KTM


Blake Baggett

Blake Baggett está tendo a melhor temporada de Supercross da sua carreira! O piloto venceu pela primeira vez este ano, que também marcou a primeira vitória do time chefiado por Forrest Buttler. Se Baggett continuar com esta ótima fase poderá incomodar no motocross deste ano. Justin Bogle foi chamado de última hora para pegar o lugar de Benny Bloss, mas apesar de alguns flashes de velocidade aqui e ali, eu achava que ele poderia estar atuando um pouco melhor neste ponto. Baggett está assinado para o ano que vem, mas acredito que dificilmente Bloss será renovado, a não ser que faça uma incrivel campanha no motocross. Shane McElrath e Joey Savatgy são alguns dos candidatos à vaga na equipe pro próximo ano.

Factory Rockstar Husqvarna


Zach Osborne


Dean Wilson
Zach Osborne está levando um pouco de tempo para se acostumar com as 450s, principalmente depois de perder boa parte da temporada com uma clavícula quebrada. Osborne teve seu melhor resultado em Daytona com a sexta colocação e eu acho que é somente questão de tempo até que o piloto está brigando por posições ponteiras. Já seu colega de equipe Jason Anderson é uma grande incógnita para mim. É claro que o piloto tem potencial pra brigar com os melhores pilotos do planeta, mas eu fiquei bastante desapontado com o seu inicio de campeoanto, e com isso muitos boatos e especulações surgem em volta do piloto, da falta de interesse e treinamento do piloto que já conta com alguns milhões no banco e também já pensa em seu plano de aposentadoria. Jason é um pouco difícil de ler; não me surpreenderia se o mesmo vencer mais um campeonato nos próximos dois anos, mas até então, pra mim ainda é uma incognita.

Outra supresa desse time foi Thomas Convington, que já poderíamos imaginar que ia ter um pouco de dificuldade na sua primeira temporada de supercross, mas com o seu talento e equipamento imaginei que o piloto não teria problemas em se classificar para as finais, mas claramente eu estava redondamente enganado. Se eu fosse Bobby Hewitt, dono da equipe, eu talvez colocasse Thomas no banco e o preparasse para o motocross que é a sua especialidade e que eu acho que ele poderia estar em contenção de vitórias.

Mundial de Motocross e Jeffrey Herlings


MXGP da Argentina abriu temporada do Mundial de Motocross

Sei que a corrida na Argentina já passou e agora todos os olhos estão voltados para Matterley Basin, mas é impossível não relatar sobre a velocidade e consistência de Antonio Cairoli, que completará 34 anos em setembro. Infelizmente muita gente está pondo um asterisco na vitória de Cairoli por Herlings estar fora com um pé contundido, mas como nós falamos por aqui: "you have to be in it if you want to win it".

Parece que Herlings estará de fora por até quatro etapas do mundial e, somando com a contusão de Romain Febrve na Argentina, eu diria que Antonio já esta com uma mão na taça do seu 10º título mundial, se igualando a Stefan Everts. Mesmo se Herlings voltasse, digamos na segunda ou terceira etapa, seria ingenuidade pensar que ele voltaria com plena velocidade e forma física depois de ficar mais de 3 meses parado; pois digo isso porque já tem gente fazendo matemática na pontuação assumindo que Cairoli venceria as quatro primeiras baterias do ano.


Antonio Cairoli

Depois de Herlings fazer um comentário algumas semanas atrás sobre a possibilidade de competir no Americano de Motocross, o seu chefe de equipe foi o primeiro a vetar o assunto, mas a cada website que eu leio, alguém está comentando o assunto e parece que haverá até uma discussão sobre isso dentro da KTM. Porém, no meu ponto de vista, alguns fatores tais quais a redução de despesas da KTM no lado off-road para gerar mais verbas para o MotoGP, a falta de preparação física e testes antes da abertura do campeonato, as opiniões de Pit Beirer, Roger DeCoster e até mesmo Musquin e Webb, eu acho incrivelmente difÍcil a vinda Do atual campeão mundial para a terra do Tio Sam, mas acreditem, eu gostaria muito de estar errado.

Frase da semana

"Travel changes you. As you move through this life and this world you change things slightly, you leave marks behind, however small. And in return, life - and travel - leaves marks on you. Most of the time, those marks - on your body or on your heart - are beautiful. Often, though, they hurt".
Anthony Burdain





Curso MotoX
JPS Racing

© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet