fechar
X Fechar
X Fechar

X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

RM - Motocross Racing

Edgers Racing

RX Graphics

JPS Racing

Ohlins

DLua Racing

Toro Sports

Clique e saiba mais

> Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

The Opener - Hangtown
Publicado em: 21/05/2015

As impressões da abertura da temporada outdoor
Redação MotoX.com.br - Por Edu Erbs - Fotos: Garth Milan


O Lucas Oil AMA Motocross abriu a temporada no clássico circuito de Hangtown

A 47ª edição do Hangtwon Classic abriu a temporada do Lucas OIl AMA Motocross com novidades no traçado e algumas histórias que deram o que falar. A começar com Ken Roczen: o atual campeão das 450cc não compareceu na coletiva de imprensa realizada na quinta-feira (14), promovendo a abertura do campeonato. Em instantes, vieram à tona perguntas sobre a saúde do piloto e surgiram rumores sobre a contusão no tornozelo que o deixou de repouso por quase a metade do supercross.

Veja também os vídeos com as corridas na íntegra:  450 Bateria 1 | 450 Bateria 2 | 250 Bateria 1 | 250 Bateria 2


Ryan Dungey
Kenny apareceu no sábado para a prova, mas com somente a 34ª posição nos treinos cronometrados, confirmou-se que o piloto ainda não estava completamente pronto para a batalha. Mais rumores se acumularam até ser confirmada através das mídias sociais uma fratura na coluna. A lesão aconteceu em uma queda durante os treinos na semana anterior.

Clique e veja os resultados, mais fotos e vídeos das corridas de Hangtown

Com foco nas provas, Eli Tomac venceu as duas corridas do dia, com uma esmagadora vantagem de 1m25s sobre Ryan Dungey na segunda bateria. Mais uma vez, o acontecido foi pauta de discussão: alguns "especialistas" já apontam o campeonato como decidido, mas se olharmos um pouco no passado, Ryan Dungey raras vezes apareceu extremamente sólido na primeira etapa - especialmente em Hangtown - e Eli Tomac tem um má histórico com largadas e consistência. Prova disso, leiam as minhas colunas logo abaixo do Monster Energy Supercross.

Após a prova, outro fator comentado por ambos os pilotos foi o setup. Eli Tomac revelou ter feito algumas mudanças para a segunda prova, deixando a sua Factory Honda simplesmente perfeita. Já Ryan Dungey claramente não estava satisfeito com a performance do novo equipamento, principalmente na segunda bateria, então a equipe ainda está atrás de um setup ideal para as provas outdoors.


Eli Tomac (3) dominou a 450 na abertura do campeonato

Entre as 250s, os principais favoritos, Jeremy Martin e Marvin Musquin, tomaram vantagem na largada um do outro para dividir as vitórias das duas baterias e a liderança do campeonato com 47 pontos cada. Chris Alldredge, da Monster Energy, completou o pódio com uma surpreendente terceira colocação.

Para mim, foi no mínimo interessante o fato do time e dos patrocinadores de Jeremy Martin postarem o pit board do piloto dizendo: "+25 Sec. - STATEMENT". Martin realmente teve uma pilotagem excelente, porém talvez não tão excelente e dominante como em Glen Helen no ano passado. Será que eles já tinham esquecido que Musquin venceu a primeira bateria?


Pódio 250 com Musquin, Martin e Alldredge


Marvin Musquin
Ainda sobre Hangtown, vale a pena salientar que o campeonato tem como novo patrocinador a distribuidora Western Powersports (WPS) e a sua marca FLY. A plástica do evento não mudou muito, mas a pista teve algumas alterações como a criação de um "half-pipe" substituindo uma seção de lombas e a adição do "FLY 150", um pulo em subida com 150 pés de comprimento, testando a audácia dos pilotos.

Minha sensação inicial de que pista parecia não estar tão deteriorada e funda quanto os outros anos mudou quando revi a prova na televisão. Por mera coincidência tive o prazer de assistir as corridas ao lado do campeão Rodney Smith. Arranhando um bom português, o californiano comentou que concordava com a minha observação e completou que com o racionamento de água no estado, os preparadores provavelmente decidiram não passar o disco tão profundamente para se utilizar menos irrigação na preparação da pista.

Como repito todo início de temporada, é difícil tirar conclusões julgando somente pela primeira etapa... e como abertura foi cheia de altos e baixos vamos conferir quem esteve entre os altos e quem esteve entre os baixos.


Blake Baggett

Altos:


Christophe Pourcel
Weston Peick e Blake Bagget: ambos os pilotos poderiam ser classificados como "surpresas", mas estavam na minha lista entre os top 5. Para mim não há mistério algum, uma vez que a JGR já renovou o contrato com Peick para 2016 e Baggett foi uma das principais revelações deste ano nas 450s no supercross. Sendo um especialista outdoors, tinha certeza que o piloto se destacaria logo cedo. Mantenham os olhos bem abertos em Glen Helen, o principal playground de Baggett.

Chistophe Pourcel: tem gente que me julgou como louco por colocá-lo na sexta posição nas minhas apostas. A quinta colocação na primeira bateria foi realmente surpreendente e a 12ª na segunda bateria não faz jus a performance do piloto, que acabou cansando e perdendo quatro postos nas últimas duas voltas.

Brett Metcalfe: com a sétima e a nona colocações, foi o único piloto realmente privado entre os top 10. Entendo que há questões legais envolvidas neste assunto, mas não sei como a Factory Kawasaki não disponibiliza a vaga deixada por MIllsaps na equipe.
 
Jason Anderson: WOW! Não contava com Jason Anderson no pódio, realmente chocante, mas apesar de simpatizar com o piloto, há histórico de inconsistência, então tenho que esperar por mais alguns finais de semana antes de criar algum tipo de expectativa.


Jason Anderson

Phill Nicoleti, Brock Tickle e Frederick Noren: os três pilotos voaram abaixo do radar na pré-temporada e acabaram conquistando o top 10. A JGR acabou divulgando que Nicoletti disputará todas as etapas do motocross somente na quinta-feira. Já Fred Noren, depois de uma difícil temporada indoors, provou que no motocross a história é diferente e bateu nomes como Reed, Barcia e Brayton.

YZ 250F's, com Jeremy Martin, Alex Martin, Anthony Rodrigues, Aaron Plessinger e Cooper Webb: depois do tabu de anos sem nenhuma vitória da marca, metade dos pilotos que fizeram os top 10 em Hangtwon estava pilotando YZF's, sendo que quatro dos cinco atletas formam a esquadra da Star Racing.

Chris Alldredge: o piloto que graduou ao ranking profissional no ano passado acabou surpreendendo ao levar a bandeira da Monster Energy Pro Circuit Kawasaki ao pódio pela primeira vez este ano e também na carreira.
 
Baixos:

TLD/RedBull/KTM: a equipe Troy Lee Designs KTM teve um final de semana difícil em Hangtown, marcada por quedas envolvendo Shane McElrath e Jessy Nelson, enquanto o substituto Mitchel Oldenburg ainda tenta se acostumar com o novo equipamento. Além disso, a equipe estreou os novos equipamentos 2016 com a linha GP Air Anarchy - com todo o respeito ao meu amigo Troy, caveiras e marcas de leopardos já não fazem uma combinação perfeita, mas vermelho e amarelo também não são as cores mais recomendáveis para se juntar ao laranja, ou será que sou daltônico?


Jessy Nelson


Cole Seely
Cole Seely: O piloto da American Honda foi escolhido como o novato do ano no Monster Energy Supercross e surpreendeu com uma excelente sexta colocação nos treinos cronometrados, mas uma queda logo na primeira volta o deixou de fora das pistas pelo resto do dia. Entretanto Seely confirmou presença em Glen Helen, onde conquistou no ano passado o primeiro pódio no motocross de sua carreira.

Ken Roczen: O piloto se qualificou somente com a 34ª posição e acabou somente em 12º na geral. Mesmo lutando contra uma lesão, eu não sei se o comportamento do piloto e da equipe, tentando esconder o problema durante toda a semana, seria a solução dos problemas. Rumores também indicam uma certa tensão dentro da equipe, e assim como eu, muitos acreditam que a saída de Kenny da KTM e o "divórcio" com Aldon Baker foram os dois grandes erros em sua carreira.
 
Geico Honda: como Tomac usa o caminhão e todo equipamento da American Honda, digamos que o time "principal" da equipe na classe das 250s teve um dia digno de esquecimento. Matt Bisceglia, RJ Hampshire, Justin Boggle e Jordon Smith foram obrigados a se contentarem com a nona, 11ª, 14ª e 17ª colocações.



Justin Hill e Zach Osborne: Hill era considerado um dos favoritos ao título da costa leste de Supercross, e Osborne, sendo um dos veteranos na classe, também deveria estar brigando por vitórias, mas ambos tiveram um pouco de má sorte durante o campeonato e o Lucas Oil AMA Motocross seria a hora de apertar o "reset"! Infelizmente Hill se deu mal logo na largada da primeira bateria e Zach não está em sua melhor forma. Os dois pilotos melhoraram consideravelmente os resultados na segunda bateria, com a 12ª e 13ª posições respectivamente.

A segunda etapa do campeonato acontece neste final de semana em uma das pistas mais icônicas do motocross mundial, Glen Helen em San Bernardino, aqui no sul da Califórnia. O traçado também promete algumas inovações e, quem sabe, teremos algumas respostas prévias das questões levantadas em Hangtown, como por exemplo se o domínio de Eli Tomac durará por toda a temporada e se Jeremy Martin comprovará o seu favoritismo.

Já assistiu às corridas de Hangtown? Os promotores estão disponibilizando na Internet as corridas na íntegra poucos dias após o evento. Clique na imagem abaixo para assistir.


Assista na íntegra as provas do AMA Motocross

Frase da semana:
"To be yourself in a world that's constantly trying to make you something else is the greatest acomplishment of all."
Ralph Waldo Emerson







Vídeos MotoX Connect



Acompanhe o MotoX no Facebook

Curso MotoX Ric Raspa
Brasil Racing
JPS Racing

© 2000 - 2017 MotoX MX1 Internet