X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

Um Supercross com jeito de Motocross
Publicado em: 15/03/2013
Clique e saiba mais

Daytona completa 40 anos de tradição
Redação MotoX.com.br – Por Eduardo Erbs - fotos: Simon Cudby / Supercross.com / Divulgação


 Ryan Villopoto comemora a vitória e a liderança do campeonato


Assista na MotoX TV
Daytona, sem dúvida nenhuma, poderia ser considerada a prova mais charmosa do ano. Completando 40 anos de tradição, a corrida que iniciou o esporte nos anos 70, mais uma vez agradou aos olhos dos milhares de espectadores, e deu início ao tradicional Daytona Bike Week.

Enquanto assistia a prova, eu comecei a pensar: se todo o Supercross fosse como Daytona, tendo uma proximidade maior com o motocross, com canaletas, diferentes tipos de terreno, mais espaço para termos pistas mais criativas e um campeonato que exigisse um pouco mais do lado físico do piloto, ao invés de construir obstáculos cada vez maiores, visando assim talvez mais segurança à saúde dos pilotos.

Eu sei que isso é somente utopia, e que devido ao rigoroso inverno americano, a falta de instalações similares àquela e a tradição que o esporte já tem, dificilmente veremos outra prova como essa. Porém, também de uma forma, estou satisfeito do jeito que as coisas andam. Ainda sobre a pista de sábado à noite, o layout foi exatamente o mesmo desenhado por Ricky Carmichael no ano passado. O que mudou foi a tempestade que caiu no ano passado. O pessoal da organização e o ex-piloto decidiram dar mais uma chance ao traçado que, na minha opinião, foi criativo e apresentou novos desafios aos pilotos.


Ryan Dungey

Depois de St. Louis ser uma das provas mais disputadas do ano, Daytona também não deixou a desejar, pois além da largada que tem sido fundamental durante toda a temporada, o aspecto físico entrou em cena, trazendo novos nomes à tona e algumas surpresas. Além de ter uma das LCQ's mais disputadas de todos os tempos, que mesmo depois que os resultados na torre mostraram Bob Kiniry na segunda posição - pois o sensor do transponder fica na entrada do pulo de chegada -, o diretor da prova acabou dando a última vaga da final para Weston Peick, que fisicamente cruzou a linha de chegada na frente de Kiniry.

Nas 450cc, assistimos a quinta vitória de Ryan Vilopotto em dez etapas completadas. Em segundo lugar, veio o consistente Ryan Dungey e em terceiro Justin Barcia, da American Honda. Com certeza, o fato dos Ryans serem os ponteiros de uma prova como essa, não é surpresa para ninguém, pois todo mundo sabe que os dois são sinônimos de trabalho duro, e que quando as condições da prova pioram, favorecem os seus estilos de pilotagem.


Chad Reed


Eli Tomac
Chad Reed, estreando sua roupa nova, foi o mais rápido do primeiro treino e, desde o inicio do dia, parecia ser um dos favoritos da noite. Agora de suspensão dianteira de molas desde St. Louis, o piloto parece estar muito mais à vontade com sua Honda, mas infelizmente uma má largada e uma queda durante a prova lhe renderam somente a quinta posição.

Na frente dele, Eli Tomac, que também confessou estar tendo muitas dificuldades com a suspensão a ar da sua Factory CRF450, voltou à suspensão com molas, e o resultado finalmente apareceu, depois de duas provas difíceis em St. Louis e Atlanta. Eli está sendo alvo de muitas especulações, pois o piloto já está em processo de negociação sobre seu futuro em 2014. A Factory Kawasaki já mostrou interesse no piloto, porém, em poucas semanas, ele fará um teste com a RCH Racing, com Ricky Carmichael. Vale a pena lembrar que Eli competiu a maioria de sua carreira amadora pela Suzuki. Então, de certa forma, assim como Davi Millsaps, que volta às amarelinhas, aparentemente foi o que o piloto que necessitava.

Davi Millsaps, depois de dez corridas com a liderança do campeonato, teve mais um final de semana difícil, terminando somente na décima colocação, deixando a liderança do campeonato nas mãos de Ryan Vilopotto. Davi, desde de St. Louis, vem lidando com algumas contusões obtidas nos treinos durante a semana e uma lesão no braço, ocorrida por um choque com outro piloto em St. Louis.

Nas Lites, o francês Marvin Musquin teve uma largada extremamente sensacional e, depois de conquistar o holeshot, não levou em consideração a pressão de Dean Wilson, e venceu sua primeira prova de Supercross em altíssimo estilo. Atrás de Marvin, veio o atual líder do campeonato, que vem se solidificando como o novo favorito ao título, enquanto Dean Wilson, claramente perdeu o rendimento na metade da prova, deixando a posição para o novato Jeremy Martin da Eleven-10 mods, que conquista o primeiro pódio da carreira.


Marvin Musquin


Wil Hahn
Eu me pergunto qual tipo de conversa Mitch Payton tem tido com seus pilotos durante esta temporada, já que a equipe que dominou o esporte por tantos anos, aos poucos vem perdendo espaço para equipes como a Geico Honda, Factory Red Bull KTM, e a Rockstar Energy Suzuki. Blake Baggett está de fora praticamente desde a primeira etapa, Martin Davalos tem um "pequeno problema" com consistência, Darryn Durham está machucado, Justin Hill é o novato do time, e Dean Wilson, que teoricamente é o favorito para o título vem mostrando certas dificuldades com as largadas e, em Daytona, sem dúvida nenhuma, com relação ao lado físico.

Wilson está somente há cinco pontos de Will Hahn, com cinco provas até o final do campeonato, porém, Hanh se mostra confortável e com duas vitórias. Além da abertura de alguns pontos de vantagem sobre Dean wilson em Daytona, vem ganhando confiança e se apresenta como um paralelepípedo na bota de seu oponente da Monster Pro Circuit Kawasaki.


Jeremy Martin conquistou seu primeiro pódio no AMA Supercross

Como eu gosto de meter o nariz onde não sou chamado, aí vão alguns fatos da semana que me chocaram:

#1 - X Games: Depois da morte de Caleb Moore competindo no snowmobile freestyle nos X-Games de inverno, algumas modalidades estão sendo simplesmente abolidas do evento. Começando pelo fato de que o freestyle motocross está de fora do X-Games de verão, em Los Angeles (fazendo da competição uma espécie de circuito mundial, tendo as provas disputadas em outros países), a organização anunciou este final de semana o termino do Best Trick Freestyle Motocross e do Best Trick for Snowmobiles. Sinceramente, os dois últimos anos da prova aqui em Los Angeles me decepcionaram, sendo que a competição tem um programa "apertado" durante dias de semana, atraente somente para o público da TV. Não sei ao certo quais caminhos a competição está tomando, mas, com certeza, não tem a minha aprovação e da comunidade motociclística.

#2 - A não contratação de Cyril Depress pela KTM: Não sei ao certo como tudo isso aconteceu, de quem foi a ideia do "divórcio", mas Cyril é uma lenda viva do esporte, mesmo que tenha uma fama de não ser o piloto mais "amigável" na competição, e com certeza, as vitórias pelos últimos 11 anos, não é nenhuma coincidência, por parte da marca austríaca. O que parece é que a decisão será de Cyril, de talvez procurar um novo desafio e desenvolver a moto da Honda, que não se mostrou eficiente como as KTMs na sua estreia no Dakar. Por outro lado, fiquei extremamente feliz com a noticia de Kurt Caselli fazer parte do grupo, pois o piloto é meu conhecido e sinceramente eu acredito que Kurt seja um dos pilotos mais completos do mundo, pois além de ganhar duas etapas no seu primeiro Dakar este ano, traz consigo desde medalhas de ouro, nos Six Days, pódios no WEC, dois campeonatos do WORCS americano, vitórias no Rally Baja no México, bicampeonato hare and hound nos desertos americanos e uma participação no AMA Motocross no ano passado.


Frase da semana:

Racing is life. Everything before and after is just waiting.
"Steve Mcqueen"








© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet