X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

Observações Oakland: Fim de equipe, queda coletiva na 450 e novo líder na 250
Publicado em: 30/01/2013
Clique e saiba mais

Sábado agitado em Oakland
Redação MotoX.com.br - Por: Eduardo Erbs - Fotos: supercross.com / Simon Cudby / Divulgação


Andrew Short se livrou da queda coletiva e repetiu seu melhor resultado... com uma moto praticamente original


Assista na MotoX TV
O final de semana começou com a dura notícia confirmando os boatos de que a L&M Racing - equipe dos donos Jeremy McGrath e Larry Brooks - estava fechando suas portas imediatamente, por motivos financeiros, e deixando o veterano Andrew Short a ver navios.

O piloto do Colorado logo confirmou sua presença em Oakland, mas as cores que usaria eram a grande dúvida que ficava. No sábado de manhã, Short apareceu em Oakland sob a tenda da Krenyak Racing - antiga L&M Racing e Jeff Ward Racing - em um caminhão azul, sem patrocinadores. O competidor estava a bordo de uma Honda CRF450 comprada e montada pelo piloto na quinta-feira antes da prova, que, de acordo com ele, a única semelhança com sua antiga Honda de fábrica seria o para-lama vermelho da frente. Tendo somente um treino na moto, Short repetiu o seu melhor resultado do ano, conquistando a sexta posição na final - apontado por alguns como um ato heroico, depois de toda adversidade ocorrida durante a semana.

O futuro do piloto ainda está um tanto incerto, já que a equipe de Mike Krenyak tem o patrocínio da Kawasaki, teoricamente a marca possível patrocinadora da Jeff Ward Racing, que inclusive chegou a ceder equipamento para Josh Hansen para a primeira etapa, mas depois de ser suspenso para a fase de Phoenix, o piloto ainda não voltou às provas - segundo o time por uma "enfermidade" enfrentada neste momento.


Villopoto: só sorrisos após a vitória em Oakland

Este ano, a cada prova, o circuito tem ficando mais técnico e desafiador. Oakland não foi diferente: uma seção de areia em curva e outra de costelas logo depois da primeira curva faziam com que a pista exigisse um alto grau técnico dos pilotos, com opiniões bastante divididas em relação ao traçado.
Sinceramente, eu achei a pista muito interessante, sobretudo por algumas "rhythm sections" terem várias opções de traçados; porém aquela seção de costelas na primeira curva deu o que falar especialmente após o pile-up na final das 450s.


A disputa pela vitória entre Ken Roczen e Cole Seely


Eli Tomac
Começando pelas 250cc, Ken Roczen teve um dia perfeito. Logo nos treinos cronometrados pôs mais de um segundo de vantagem sobre o segundo colocado Martin Davalos. O piloto KTM manteve a invencibilidade na heat-race e depois de uma briga fenomenal com Cole Seely, na final, tomou a liderança da prova e do campeonato com 15 pontos de vantagem sobre Eli Tomac (Honda). O agora terceiro colocado na geral caiu logo na largada e, depois de outra violenta queda na sequência de costelas, foi obrigado a deixar a prova.

Mesmo que o campeonato da 250 SX seja teoricamente curto - somente nove etapas - vale lembrar que o piloto Honda conquistou o campeonato do ano passado com uma prova de antecedência, em San Diego, quando também caiu forte nas costelas e teve que abandonar a corrida. A diferença foi que o seu rival, Dean Wilson, também ficou fora de uma das provas, depois de se chocar com Tomac e descolar o ombro.


Largada 250 - Repare os três pilotos da Troy Lee (de equipamento laranja e amarelo) conseguindo boas largadas

É incrível o quanto o esporte pode mudar em questão de segundos, pois até então a pergunta era se Eli Tomac faria um campeonato perfeito vencendo as nove etapas. Agora, depois de Oakland, a questão é se Eli conseguirá correr recuperar o prejuízo e superar o alemão Roczen, que vem ganhando espaço a cada prova.

Ainda há mais drama nas 450cc. Ryan Villopoto, assim como Roczen, teve um dia muito perto de ser perfeito. Depois de ficar na terceira posição nos treinos cronometrados - atrás de Dungey e Stewart - Villo venceu sua corrida classificatória para fazer o Holeshot na final, não olhar para trás e vencer a prova sem dificuldades, especialmente pelo fato de que seus principais rivais ficaram embolados na queda histórica da primeira curva.

A importância de boas largadas - Villopoto (1) e Millsaps (18) se livraram da queda coletiva na segunda curva


David Millsaps continua com o number plate vermelho
Em segundo lugar, veio David Millsaps entrando na quinta prova do campeonato, com a liderança e com as respostas de muitas das dúvidas das primeiras etapas. O piloto mostra não só ter vindo para ficar, mas também para brigar pela taça até o fim.

Em terceiro veio Ryan Dungey, que durante a semana, admitiu ter treinado bastante as largadas e ter feito ajustes na motocicleta, buscando a melhor tração de sua Red Bull KTM no gate de largada. Ainda vale ressaltar que, em Oakland, ele pareceu bem mais agressivo, fazendo ultrapassagens logo no inicio da prova, sem perder tempo como nas anteriores. E pra quem leu nas outras colunas sobre o amortecedor a ar de Dungey: novamente o piloto estava usando um amortecedor com mola convencional, como fez em Pheonix.

Pile-up: Depois da história de Andrew Short, o papo da noite foi o erro de Chad Reed, que provocou um efeito dominó nas costelas, logo na segunda curva da primeira volta. Para resumir: Reed perdeu o controle de sua CRF, acertando Josh Grant, que, por sua vez, acertou James Stewart, e este derrubou Trey Canard, forçando Dungey a frear, o suficiente para Barcia colidir com a parte traseira da KTM – um verdadeiro embolado de "mortos e feridos". No fim das contas, Stewart, com o acelerador quebrado, deu adeus as suas chances no campeonato e Justin Barcia não terminou sua segunda prova consecutiva no ano. O causador Chad Reed acabou somente na 12ª colocação, sofrendo um grande déficit em pontos, mas ainda se mantém na quinta posição do campeonato. Com a terceira e quarta posições, Ryan Dungey e Trey Canard foram sem dúvida quem se saíram melhor de todos os envolvidos no incidente.


Mike Holeshot Alessi conquistou seu melhor resultado na temporada

Azar de uns, sorte de outros: com todas essas feras no chão, pilotos como Mike Alessi, Matt Goerke, Vince Friese, Jimmy Albertson e Les Smith conquistaram, respectivamente, a quinta, sétima, nona, 11ª e 14ª posições, sendo que os três últimos citados tiveram as melhores colocações de suas carreiras profissionais.

Man down: O piloto da Monster Energy Kawasaki, Jake Weimer ficou de fora da prova de Oakland porque se recupera de uma forte pneumonia.

Brasil: Antônio Balbi ficou de fora das finais mais uma vez. Entretanto Jean Ramos se classificou pela segunda vez no ano e também fez bonito na televisão segurando o veloz Eli Tomac por mais de uma volta e meia na final. Parabéns por mais uma final Jean! Balbi... Pra cima deles em Anaheim!
Por hoje é só pessoal! Na próxima semana, trarei os detalhes da terceira e última prova em Anaheim.

Frase da semana:
Only a biker knows why a dog sticks his head out of a car window.






© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet