X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Colunas > Direto dos EUA - Edu Erbs

Red Buuuuuuuuud e X-Games
Publicado em: 13/07/2012
Clique e saiba mais

Coluna do Edu Erbs #8 – Red Bud e X-Games
Redação MotoX.com.br - Texto: Eduardo Erbs - Fotos: Hoppenworld / Supercross.com


 


Assista na MotoX TV o clip GoPro de Red Bud e a íntegra da final Feminina do Enduro X
Red Buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuddd - como a maioria dos pilotos gosta de falar - gera um sorriso no rosto de competidores, equipes e fãs, por vários motivos. Entre eles, podemos citar o fato da corrida sempre cair no final de semana do dia 4 de julho (Independência dos Estados Unidos), por ter o melhor terreno, por ter o maior salto do campeonato, o 'LaRocco's Leap', com 130 pés de distância, ou ainda pelo cenário fenomenal onde a pista foi construída. 

Red Bud infelizmente também marca o primeiro ano da morte do piloto local Josh Litchie, que no ano passado se foi,  dois dias após a prova, pelo excesso de calor e desidratação. Nico Izzi prestou uma homenagem ao piloto na volta de apresentação, usando uma das camisas do piloto, o que gerou vários aplausos do público e deixou a familia de Josh que estava presente na prova, muito emocionada.

Este ano não foi diferente. Red Bud foi até então a prova mais quente da temporada, com temperaturas perto dos 40º C. Além disso, a pista se deteriorou um pouco mais do que os outros anos, dificultando bastante a vida dos pilotos.


Ryan Dungey


Com James Stewart e Bret Metcalfe fora, a Suzuki fica sem pilotos na principal categoria
Desta vez, quero ser breve, pois tenho muito o que falar, como quero dar uma pitada nos X-Games que aconteceram, há duas semanas aqui em Los Angeles. Então, vamos aos fatos:

Nas 450cc, vimos o "Dungenator" (como é apelidado por aqui) mais uma vez dominar a prova e, por mais de 40 segundos de vantagem sobre James Stewart. Sinceramente não lembro quando alguém conseguiu uma margem assim sobre Bubba. Realmente impressionante! Bubba, que terminou a corrida no pódio com a sexta e terceira posições em suas baterias, não deu muitas desculpas em suas entrevistas, simplesmente declarou que estaria um pouco enferrujado por causa da lesão no pulso, que teve um pouco de dificuldades de fazer o acerto do equipamento e que agora está focado em se manter saudável e se preparar para a temporada 2013. Stewart já avisou que não corre em Millville nesse final de semana.

Outro destaque do dia foi Mike Alessi, que na segunda bateria terminou a prova na segunda posição, depois de garantir um dos seus famosos holeshots. Ainda quero citar que Red Budd marcou a volta de Tyla Rattray às pistas, que mesmo admitindo que sofreu muito com o calor, o piloto sul-africano terminou suas baterias em quarto e quinto respectivamente.


Blake Baggett


Justin Barcia voou bonito, mas não segurou Baggett em Red Bud
Na Lites, vimos Blake Baggett quebrar a hegemonia de Justin Barcia ao vencer a primeira bateria e, de forma convincente, também faturou a segunda, isolando-se ainda mais na lideranaca do campeonato. Na geral ficou Bagget (1-1), Barcia (2-2), Tomac (5-3), Musquin (4-4) e Roczen (3-6). Vale a pena citar que Marvin Musquin vem melhorando a cada prova, aproximando-se um pouco mais do pelotão dianteiro, e que pela segunda prova consecutiva fica fora do pódio por um pouco de azar. Ken Roczen nã garantiu pódio pela primeira vez na temporada, depois de largar mal na segunda bateria e não conseguir chegar nas posições dianteiras, terminando somente em sexto.

Algumas novidades das duas últimas semanas:

1 - Marvin Musquin, que estava sendo assediado pela Pro Circuit Kawasaki, acabou fechando com a Red Bull KTM por mais dois anos. Assim, o time foi definido para o ano que vem, já que Dungey e Roczen também assinaram contrato. Há ainda a possibilidade da contratação de mais um piloto para as 450cc, ao lado de Dungey. O nome mais cotado até então é o de Dean Wilson.


Marvin Musquin renovou com a KTM


Christian Craig
2 - Há duas semanas, enquanto era usada para testes com o time em Glen Helen, na Califórnia, a Suzuki de Brett Metcalfe acabou ficando sem gasolina em uma seção de costelas, o que mandou o piloto por cima do guidão, quebrando a tíbia, o pulso e lesionando o pulmão. O australiano ainda tem seu futuro um tanto incerto para a próxima temporada e estará fora das pistas até o final do ano.

3 - Davi Millsaps é outro que ficou de fora neste final de semana com uma lesão no tornozelo. Os rumores indicam que Davi está com os dias contados na JGR, e que possivelmente assinará contrato com a Rockstar Suzuki para o ano que vem.

4 - Tommy Week estreou na Start-Valli Yamaha este final de semana, assumindo o posto de Kyle Cuninham que está de fora com uma lesão no pé. Tommy acabou as baterias em 19º e oitavo, respectivamente.

5 - Outro piloto que voltou às competições foi Christian Craig, que vinha sofrendo com uma lesão no pulso desde Southwick, no ano passado. Christian teve largadas sensacionais e acabou a prova na 13ª posição geral. Nada mau!!


Mike Brown


Mike Alessi
6 - Red Budd também marcou a estreia dos veteranos Mike Brown, de 40 anos, e John Dowd, de 46. Brown que irá correr cinco provas do campeonato, esteve boa parte das baterias brigando entre os Top 10, porém, teve problemas de falta de combustível nas duas provas. Já Dowd acabou terminando as provas em 22º e 24º. Os dois pilotos afirmam que não estão correndo estas provas simplesmente para manterem seus números com a AMA (Brown #3 - Dowd #16), mas sim para provarem a seus filhos, ainda relativamente pequenos, do que são capazes e para mostrá-los como passarm a maioria de suas vidas. Com certeza são exemplos a seguir.

Este final de semana, o circo do AMA Motocross segue rumo a Milville, em Minesotta, pista que tive o prazer de acelerar no ano passado e conferir as gigantes e assustadores costelas de areia. Além disso, esta será a corrida em "casa" para Ryan Dungey, valendo lembrar da excelente prova do piloto no ano passado, quando deixou Ryan Vilopotto pra trás, para vencer de forma convincente e dominante. Além, é claro, da queda que mudou a vida de Chad Reed pra sempre.

Veja também: Clipe GoPro de Red Bud

X-Games 


 


Taka Higashino
Enquanto a mídia, atletas e confederações de centenas de países estão focados em Londres, onde em menos de duas semanas começam os Jogos Olímpicos, o centro de Los Angeles se torna palco do maior festival mundial de esportes radicais, o X-Games, que cresce a cada ano, e ultimamente vem sendo promovido na Ásia, França, Alemanha, Brasil e Espanha, e televisionado na maioria das vezes ao vivo para mais de 100 países do globo. O X-Games não é somente uma competicao, mas sim um encontro de "dare-devils", que arriscam as suas vidas diariamente em nome da evolução do esporte, e, de quebra, garantem novos recordes, inovação e, muitas vezes, põe seu nome na história dos esportes radicais mundial.

Gostaria de talvez poder falar mais detalhadamente do evento, da ideia maluca e extraordinária de trazer os carrinhos Hot-Wheels em tamanho original, dos novos recordes que foram quebrados esse ano, e principalmente, de dar um foco nos atletas brasileiros, principalmente a Bob Burniquist, o skatista brasileiro que depois de pensar ter quebrado as costas dias antes do evento, lutou contra a dor pra ganhar mais uma medalha de ouro no Skate Big Air. No entanto, vou me focar nas minhas opiniões sobre o evento, principalmente nas partes relacionadas ao Motocross.

Best Whip: pelo segundo ano consecutivo, esse evento é uma piada. É completamente ridículo o fato de que o evento é julgado pelo público via mensagem de texto. Posso dizer isso com firmeza porque nao sei bem como Jeremy " Twitch" Stanberg ganhou o evento pela segunda vez consecutiva, quando pilotos como Jarred McNeil e Todd Potter estavam "whipping" de cabeça pra baixo, com variações de mais de 180 graus para todos os ângulos possíveis e imagináveis, enquanto o que mais me impressionou na performance de Twitch foi sua moto com plásticos dourados, o que talvez teve apelo com o público feminino. Espero que os organizadores do esporte tomem consciência do que estão fazendo.


Mike Mason

Speed and Style: O melhor fato de uma corrida de motocross, é que praticamente não poderia haver contradições, pois quem cruza a linha de chegada primeiro é o vencedor. Mas, no Speed and Style não. Às vezes não funciona dessa forma. Talvez a minha cabeça dura e old-school tenha um pouco de dificuldade em aceitar essa nova modalidade, pois não sei se é muito justo o vencedor da prova perder a sua margem de liderança pelo fato de seu oponente fazer um double-back-flick-no-handed-lazy-boy-indian-air. Além disso, dois pilotos back-flipping lado a lado, enquanto estão tentando tirar tempo um do outro, tira muito a segurança dos competidores, e prova disso foi a queda do espanhol Edgar Torronteras nas semifinais. Mesmo assim, meus parabéns ao ganhador Mike Mason.

Moto X-Freestyle: Não há muito o que comentar sobre essa prova. Definitivamente nem o "rubber-boy", Levi Sherwood, conseguiu bater o japonês da Metal Mulisha, Taka Higashino. Com muita fluidez e precisão, Taka iniciou seu run com um back-flip-idian-air-no-hander, que realmente foi de arrepiar. Parabéns a Taka e aos seus fãs no Japão.


Quem disse que a mulherada não tem estilo? Vicky Golden comemora a vitória no Women Moto-X

Women Moto-X: É uma pena não ter a prova masculina do evento. Apesar da pista ser pequena, a rampa de metal dá um certo charme ao evento. Uma coisa que eu não consegui entender ao certo, é o fato da prova ter uma eliminatória, com todas as competidoras, classificando somente as seis primeiras para a final e deixando as últimas classificadas de fora, enquanto a pista, com certeza, comportaria um evento final com todas as competidoras.

Mas enfim...Vicky Golden dominou a prova pelo segundo ano consecutivo, com um estilo mais fluído, um pouco mais "supercross" do que qualquer competidora. Vale a pena lembrar que Vicky fez história esse ano, sendo a única mulher a se classificar para uma final no campeonato americano de Arenacross. Golden foi acompanhada no pódio por Tarah Geiger da TLD Honda, e pela francesa Livia Lancelot, da Bud Racing Kawasaki.


Maria Fosberg


Mike Brown
Enduro Cross: Essa foi, com certeza, a prova mais emocionante da noite. Batendo o recorde de número de nacionalidades em um só evento, tanto as classificatórias, como a final, tiveram resultados um tanto surpreendentes e, na minha opinião, a razão disso foi a pista muito criativa, que desafiou a habilidade dos competidores. Até mesmo o multi-campeão Taddy Blazisiak, depois de largar mal terminou a prova somente na quarta posição. A surpresa da noite foi Mike Brown, sendo o piloto mais velho da competição, com 40 anos, acabou levando o ouro, seguido por Cody Webb e Cory Graffunder.

Na prova feminina, os organizadores do evento tomaram algumas precauções para facilitar um pouco a vida das pilotos, como por exemplo, colocar plataformas entre alguns troncos no obstáculo Matrix, e deixar um espaço sem pedras em uma das subidas do circuito. Com certeza essas medidas ajudaram a prova a ser mais emocionante e também zelaram um pouco pela segurança das meninas. Quem acabou levando a melhor foi Maria Fosberg, com sua Factory KTM/FMF, seguida por Luise Forsley e Chantelly Bykerk. 

Veja também: A final do Enduro X Feminino na Íntegra

Frase da semana by James Stewart:

"...I don't now, I need to grow a sack!!"






© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet