X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Reportagens > Especial

Tudo Junto e Misturado - Red Bull Cross Choice
Publicado em: 04/12/2012

Evento misturou modalidades em formato único no interior de São Paulo
Redação MotoX.com.br - Lucídio Arruda - Fotos: Lucídio Arruda / Maurício Arruda

Sul-africano Brian Capper venceu a disputa invicto



Assista na MotoX TV
Que tal misturar num mesmo circuito motocross, enduro cross e trial disputados no formato de supercross com classificatórias, semi-finais, repescagens e a grande final? Tudo isso no meio de um canavial com a vista fechada impedindo, por exemplo, saber a distância em relação aos seus adversários. O Red Bull Cross Choice inovou numa disputa onde o imprevisto foi o fator preponderante.

Veja também:

Vídeo 1 - A Palavra dos Pilotos
Vídeo 2 - Clipe do Evento
Galeria - Mais imagens da Prova
Galeria extra -
Seleção com 240 fotos da prova

O formato

Uma largada no estilo motocross com um percurso de aproximadamente 400 metros que levava ao circuito principal. Este, em trilha aberta no meio do canavial tinha pouco mais de 1 quilômetro. Era onde os pilotos percorriam o tempo regulamentar (mais uma ou duas voltas) e então voltavam pelos mesmos 400 metros até a chegada (localizada na primeira curva após a largada).


 Jean Ramos larga na frente durante a terceira classificatória. Porém essa primeira parte do percurso não contava muito para o resultado final


Adam Raga
O circuito principal projetado e construído por Luciano Peixoto com o suporte de Nino Bernucci tinha duplos, mesas, costelas e até um parte dividida em "8" onde um lado saltava por cima do outro. Mas a principal marca da disputa foram os três "choices", cada um com quatro opções por troncos, pneus, grandes carretéis de madeira ou lama (areia movediça?), montados especialmente para dificultar ao máximo a vida dos pilotos. A cada volta um destes choices aleatoriamente era fechado. A direção de prova ficou sob o comando de Fernandinho Silvestre.

Foram convidados 32 pilotos de diversas modalidades. Motocross, enduro, rali, trial, supermoto, freestyle e até motovelocidade tinham seus representantes na competição. A organização do evento trouxe três estrangeiros: Adam Raga (Espanha), 7 vezes campeão mundial de trial, Diego Ordoñez (Guatemala), campeão latino-americano de trial e Brian Capper (África do Sul), campeão nacional de supermoto, mas também com muita experiência no trial e em provas de enduro extremo.


Brian Capper ultrapassa Leandro Silva na primeira classificatória

Corridas



Thiago Pimenta classificou-se com uma moto de trial
Adam Raga chegou como principal estrela e favorito. Mas o sul-africano tratou logo de inverter a situação. Com muita desenvoltura nos choices e boa velocidade nos demais trechos, Capper venceu sua classificatória com 7 voltas, uma a mais que as outras três classificatórias. Wellington Garcia foi o segundo colocado quase 1 minuto e meio atrás.

Nas demais classficatórias algumas supresas. Rigor Rico venceu a segunda bateria com 3min20seg de vantagem sobre Gustavo Amaral. Rômulo "Oncinha" Bottrel deixou Adam Raga para trás na bateria três e Vinícius Ribeiro venceu a quarta classificatória com dois minutos de vantagem sobre Diego Ordoñez. Nielsen Bueno foi o primeiro colocado na repescagem que classificou quatro pilotos para a fase seguinte.

Mesmo nesta primeira fase das disputas a grande maioria dos pilotos voltava aos boxes exausta. Cada "entalada" nos choices obrigava o competidor a um esforço quase "alienígena" para se livrar do trecho. Muita gente boa desistiu ainda no início.


"Joga a moto e seja o que Deus quiser" foi um recurso muito usado para transpor os obstáculos

Semi-finais

Brian Capper confirmou que não estava lá para brincadeira. Venceu a semi-final número 1 com uma volta de vantagem sobre Leandro Silva. Novamente dando uma volta a mais que Adam Raga, vencedor da semi-final 2 a frente de Ordoñez. Felipe Zanol errou o "duplo do 8" e ficou sem vaga para a fase seguinte. Com viagem marcada para os Estados Unidos durante a noite, preferiu se poupar para os testes e acertos finais do Rally Dakar.

As duas últimas vagas na final foram conquistadas na última repescagem por Gustavo Amaral, único que emendava um desafiador quádruplo na seção de troncos, e Rigor Rico.


 Congestionamentos nos choices foram fequentes

Finais


Rômulo Bottrel


Diego Ordoñez
Depois de tantas baterias e um tipo de esforço que boa parte dos pilotos não estava acostumada, o preparo físico foi fundamental para enfrentar os 20 minutos mais duas voltas da final. Em jogo R$ 20.000,00 divididos entres os três primeiros colocados.

Capper conseguiu colocar seu plano em prática de assumir a liderança após os primeiros choices. Raga foi quem mais incomodou o sul-africano, que no entanto conseguiu abrir vantagem e administrar a vitória por pouco mais de 30 segundos.

Leandro Silva mostrou que aprende as novidades rápido e foi o único a completar as mesmas 14 voltas dos líderes. O paranaense ficou com a terceira posição e a honra de melhor brasileiro na competição.

Duas voltas atrás chegou Diego Ordoñez seguido de Rômulo Bottrel e Wellington Garcia. Tiago Pimenta, único a se classificar com moto de trial, completou a prova na sétima posição.

Capper comentou a estratégia para vencer: "Algumas das vias eram mais difíceis, mas acho que a principal coisa neste evento era pegar um caminho com a menor quantidade de adversários possível."

O Red Bull Cross Choice foi aprovado pelos pilotos. Um evento muito bem executado, marca registrada de tudo que a marca de energéticos promove. Estamos na torcida para que a prova retorne ano que vem, quem sabe, aberta ao público, algo que só multiplicaria o sucesso da prova que teve patrocínio de Sky, Renault e Lubrax.


Brian Capper 

Resultados

1. 13. Brian Capper - 24:10:192 - 14 voltas
2. 6. Adam Raga - +31.584
3. 18. Leandro Silva - +1.01.985
4.1. Diego Ordonez - 2 voltas
5. 26. Rômulo Bottrel - +9.646
6. 32. Wellington Garcia - +59.236
7. 28. Thiago Pimenta - 3 voltas
8. 20. Nielsen Bueno - + 40.583
9. 12. Gustavo Amaral + 2:41.251
10. 25. Rigor Rico - 4 voltas
11. 14. Jean Ramos - 5 voltas
12. 3. Hector Assunção - 12 voltas

 

Confira mais imagens do evento
Imagens Relacionadas:

Hector Assunção

Red Bull Cross Choice

Hector e Roosevelt Assunção

Red Bull Cross Choice

Gustavo Amaral

Red Bull Cross Choice

Red Bull Cross Choice

Red Bull Cross Choice

Jorge Negretti faz o holeshot de sua classificatória

Red Bull Cross Choice

Red Bull Cross Choice

Brian Capper

Red Bull Cross Choice

Uma das opções era fechada a cada volta

Red Bull Cross Choice

Diego Ordoñez

Red Bull Cross Choice

Vinícius Ribeiro venceu uma classificatória

Red Bull Cross Choice

Júlio César Zavatti

Red Bull Cross Choice

Leandro Silva

Red Bull Cross Choice

Nielsen Bueno

Red Bull Cross Choice

Jorge Negretti

Red Bull Cross Choice

Brian Capper

Red Bull Cross Choice

Felipe Zanol

Red Bull Cross Choice

Fred Kyrillos

Red Bull Cross Choice

Wellington Garcia

Red Bull Cross Choice

Vista aérea do circuito

Red Bull Cross Choice - foto: Fábio Piva

Capper salta sobre Leandro Mello no 8

Red Bull Cross Choice - foto: Marcelo Maragni

Gustavo Amaral

Red Bull Cross Choice - foto: Marcelo Maragni

Brian Capper

Red Bull Cross Choice - foto: Marcelo Maragni

Roosevelt Assunção

Red Bull Cross Choice - foto: Marcelo Maragni

Diego Ordoñez

Red Bull Cross Choice - foto: Fábio Piva

Júlio César Zavatti

Red Bull Cross Choice - foto: Marcelo Maragni





© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet