X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Reportagens > Especial

Brasil completa 20 anos de Rally Dakar
Publicado em: 11/12/2006

Pioneiros, Klever Kolberg e André Azevedo, correm no Dakar desde 1988. Jean Azevedo vai pra sua 9ª participação entre as motos
Texto: Maurício Arruda - Fotos: Maurício Arruda e Lucídio Arruda


A equipe Petrobras Lubrax: André Azevedo (Caminhão), Jean Azevedo (Moto) e Klever kolberg (Carro).

Andamos na KTM 700 de Jean Azevedo -  Veja abaixo o vídeo exclusivo

Desde a primeira participação de Klever Kolberg e André Azevedo no Rally Dakar, muita coisa mudou para os pioneiros brasileiros na competição. Em 1988 eles seguiram para Paris, local da largada, pegaram duas Yamahas Teneré e partiram para aventura sem nenhuma estrutura de apoio.

Na época os dois chegaram a vender seus carros para bancar todas as despesas, como relembra Kolberg: "Foi uma inconseqüência, nem tivemos tempo de treinar na terra e fomos mesmo assim, levando na garupa saco de dormir, remédios, ferramentas, tudo. Foi perigosíssimo", diz o piloto que agora compete entre os carros. André também mudou de categoria e acelera um caminhão. 



Neste ano Kolberg e Azevedo completam 20 anos na 
competição correndo com a boa estrutura da equipe Petrobras Lubrax e veêm com satisfação as conquistas desde o início desta jornada. Mais que isso, eles abriram um caminho que agora passa a ser percorrido por outros pilotos brasileiros. No total, nesta edição, serão 9 competidores do país, um recorde.

Entre as motos o representante da equipe, Jean Azevedo, é o destaque. Em sua 9ª participação ele é considerado o brasileiro com maiores chances na categoria. Além de Jean estarão competindo entre as motos mais 3 brasileiros: Dimas Mattos, Carlos Ambrósio e Silvio de Barros, pilotos que farão suas estréias representando a equipe ASW Brasil de Rally. 

Para realizar esta reportagem estivemos em Itu, interior paulista, em uma apresentação dos 3 pilotos da equipe Petrobras Lubrax no Rally Dakar 2007: Klever Kolberg (carros), André Azevedo (caminhões) e Jean Azevedo (motos). A equipe falou sobre a preparação para mais uma edição do Rally que pela segunda vez terá sua largada em Lisboa, Portugal. A prova começa no dia 6 de janeiro e terá 16 dias, 14 etapas e no último dia (21 de janeiro) uma especial  nas praias de Dakar. No total serão 8.696 quilômetros cruzando seis países: Portugal, Espanha, Marrocos, Mauritânia, Mali e Senegal. 

Mais informações sobre a equipe Petrobras Lubrax estão no site www.parisdakar.com.br 

Boa pré-temporada anima Jean Azevedo


Jean Azevedo durante a edição 2006 do Dakar
Foto: Maindru / Equipe Petrobras Lubrax 


Foto: Maindru / Equipe Petrobras Lubrax
Dono da 5ª colocação na classificação geral das motos em 2003, Jean Azevedo chega para esta edição mais preparado que nunca: "Este ano competi em 3 etapas do Mundial de Rally Cross Country (Rally dos Sertões, Rally do Egito e Rally de Dubai), acumulei uma quilometragem no deserto que nunca tive antes", explica o hexacampeão brasileiro da modalidade.

Mais um ponto positivo na preparação de Jean foi o fato dele utilizar o mesmo modelo que  irá competir no Dakar em suas provas internacionais nesta temporada, deixando o piloto em maior sintonia com a motocicleta. "Chegarei para o Rally deste ano muito mais casado com a moto", acredita. A preparação incluíu também um treinamento no deserto do Atacama, no Chile, realizado durante o mês de novembro, quando foram percorridos mais de 2 mil quilômetros nas dunas locais.




Jean Azevedo
O piloto brasileiro de 32 anos já conquistou a vitória em uma etapa na edição 2005 do Dakar e, para este ano, espera um bom resultado após o abandono na prova passada. "Quero brigar entre os dez primeiros, quem sabe andar entre os cinco", afirma o piloto. No seu currículo do Dakar Jean tem também dois títulos na categoria Production (1997 e 2003, quando foi quinto na geral). Em 2005 mais um bom resultado: 7ª posição geral.

No Brasil já são cinco títulos no Rally dos Sertões e, poucos dias atrás, o piloto de São José dos Campos (SP) confirmou o hexa-campeonato nacional da modalidade. Para cuidar de sua KTM 700 Jean tem pelo sexto ano a companhia do mecânico Geraldo Lima, responsável por suas motos nas provas nacionais e internacionais.

Andando na moto do Jean


Como o foco do site MotoX é o motociclismo off-road durante a semana da apresentação conversamos com a equipe Petrobras Lubrax, tentando autorização para um rápido teste na motocicleta utilizada por Jean Azevedo.


O deserto é o habitat ideal pra KTM 700cc da equipe


Jean Azevedo acelera enquanto aguardamos o momento de experimentar a moto
Na apresentação prática dos pilotos, com André pilotando o caminhão e Klever o carro, observo atentamente Jean pilotando a moto no traçado de areia local, ainda aguardando a confirmação do teste. Basicamente é a mesma moto que será utilizada na competição este ano, que possui algumas atualizações técnicas, mas está muito próxima deste modelo.

Encerrada a apresentação de Jean tivemos o ok do próprio piloto, confirmando a autorização e o teste exclusivo. A KTM 700cc que andamos é utilizada nos treinamentos realizados no Brasil. Este modelo foi campeão do Dakar na categoria Production pelas mãos de Jean Azevedo, correndo na edição de 2003 do Rally, quando o piloto conquistou seu melhor resultado até hoje na competição (5ª posição geral). 

Visto o equipamento de proteção e me preparo para encarar a máquina enquanto escuto a orientação de Jean: "Você deve utilizar esta estrada lateral, fora do circuito, pois o carro e caminhão ainda estão andando", diz explicando em seguida como acionar o motor de mais de 70 cavalos. Aciono a chave e aperto o botão da partida elétrica: pronto, já escuto o grave ronco do motor.


Nosso piloto/repórter prestes a encarar a máquina 
Depois de uma volta no caminhão com o André Azevedo pilotando (veja também no vídeo), realizada alguns minutos antes, já estava com a adrenalina alta e começo minha volta pensando: "nunca andei numa off-road tão grande, não posso abusar".

Pouco tempo depois era difícil controlar esta vontade. Andando numa estradinha sem grandes dificuldades, o grande torque do motor era um convite a acelerar cada vez mais. Nas curvas, apesar do grande peso se comparada a uma cross, a moto tem bom comportamento e surpreende positivamente. As reações são lentas (quando há tendência a escapar) e permitem ao piloto tomar suas decisões sem afobação. Mérito também do novo pneu Pirelli que equipa a traseira. Ainda sem nome, o protótipo está em teste e ainda não está disponível no mercado. 

Uma moto tão grande e potente precisa do máximo de suavidade na pilotagem. Com o passar dos minutos, vou percebendo que esta é a melhor forma de pilotá-la e cada vez mais vou dosando a aceleração. Quando se usa o acelerador no limite é inevitável, dependendo do piso a KTM 700 fica arisca, escorrega pros lados e efetivamente há menos eficiência na entrega de tanta força. É a hora de dosar a aceleração.


O longo chassi do modelo é um dos responsáveis pela estabilidade
nas grandes retas do deserto 
Na questão do peso é importante frisar: a moto estava com pouco combustível. Com capacidade de 50 litros, ela ganha muito peso de tanque cheio, que certamente dificulta bastante o trabalho do piloto, como me lembrou Jean Azevedo. Para esta edição do Dakar as motos estarão equipadas com tanques um pouco menores, limitados a 37 litros.

Bastante longo, o acerto de câmbio e relação de transmissão são feitos pensados pras grandes retas do deserto. Sobra torque nesta KTM e isto compensa as coisas nos trechos mais travados. Pouco antes de devolver a moto, o Jean autoriza também uma volta por dentro do circuito e aí pego um pouco mais de areia pela frente. Claro, ainda bem diferente das dunas do deserto, mas uma situação um pouco mais difícil.

Deixo a KTM fazer seu trabalho, fico em pé nas enormes pedaleiras que equipam o modelo e ela passa fácil pela areia do trajeto. As grandes dimensões de carenagem, tanques e laterias não impedem o piloto de sentir-se à vontade. Apenas em trechos extremamente travados, que não são o habitat desta gigante dos desertos, sente-se a dificuldade da pouca esterção do guidão. Suspensões e freios funcionam de forma eficaz e progressiva no ritmo tranquilo da minha volta. O que deu pra perceber é que esta é uma máquina instigante, que promete e entrega muito, mas que exige experiência pra extrair todo seu potencial...  

Problemas no aúdio

Infelizmente durante a produção desta reportagem tivemos um problema técnico com nosso equipamento. Em virtude disto perdemos o aúdio de todas as imagens produzidas, impedindo a reprodução das
entrevistas realizadas com a equipe Petrobras Lubrax. É uma pena, ficamos devendo o ronco da KTM 700cc e os comentários do Jean Azevedo, mas o clipe com as imagens você pode assistir no início desta reportagem na MotoX TV.
                                                 
Ficha Técnica KTM 700

Marca: KTM
Modelo / versão: LC4 Rally
Motor 697 cilindradas
Potência (aproximada): 78 HP
Suspensão: Ohlins
Peso com  tanque vazio: 150 kg 
Capacidade do tanque: 50 litros 

Motor
Tipo: 4 tempos
Número de cilindro: Um
Sistema Refrigeração: Líquida - dois radiadores
Transmissão: Cinco marchas 

Pneus: Pirelli
Lubrificante: GP Lubrax                                                                 
Imagens Relacionadas:
KTM 700
KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
KTM 700
KTM 700
KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
Jean Azevedo e a KTM 700
André Azevedo - caminhão
Klever Kolberg - carro
Equipe Petrobras Lubrax
Jean Azevedo
Klever Kolberg
André Azevedo
Equipe Petrobras Lubrax
Confira o vídeo na MotoX TV com nosso piloto/repórter andando na KTM do Dakar





© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet