X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Colunas > Instacross

Instacross #31 - Os altos e baixos do retorno do Mundial de Motocross 2020
Publicado em: 14/08/2020
Clique e saiba mais

Direto de Kegums (Letônia), os melhores e piores momentos da volta da temporada 2020 da competição
Redação MotoX.com.br – Carolina Arruda

Essa semana o circuito de Kegums, na Letônia, virou o palco do retorno do Mundial de Motocross 2020. Depois de cinco meses longe da competição, os pilotos tem vivido altos e baixos na pista: o novo formato com classificatórias e duas baterias em um único dia desafia o físico dos pilotos e o rendimento das equipes. Ao mesmo tempo o período afastado das provas colocou muitos atletas no modo de segurança - a pista em Kegums é uma das mais difíceis da temporada, com muitas cavas, poucas linhas de ultrapassagem e muitas raizes na terra, cenário perfeito para as quedas e para o desespero dos atletas. 

3ª etapa – GP da Letônia

MXGP

Entrando para a história: Glenn Coldenhoff faturou primeira vitória no Mundial para a GASGAS. A parceria entre o Holandês e a "KTM vermelha", como muitos chamam, tem dado bons frutos. 


Tim Gajser era um mistério no retorno da competição. O piloto da Honda não participou das provas do Internacional da Holanda e chegou surpreendendo aos fãs. Apesar de um tombo na segunda bateria da etapa, saiu com o segundo lugar da etapa.


Por outro lado, as expectativas eram grandes em cima de Jeffrey Herlings. O holandês não recomeçou a temporada com suas vitórias esmagadoras. “Hoje poderia ter sido melhor. Foram algumas largadas ruins e na primeira bateria estava muito devagar no início. Vim da última para a quarta posição, mas desperdicei muita energia nisso. Definitivamente, não estou satisfeito, mas retornamos agora e já sei o que fazer para a próxima etapa ser melhor”, comentou.


Romain Febvre também era uma incógnita neste retorno. O francês se lesionou ano passado e desde então estava afastado das competições. O GP marcou não só a volta de Febvre às provas, como também seu primeiro GP de Kawasaki. E, bom, o piloto não pode reclamar: fechou o final de semana com a terceira colocação da etapa.


Muitos pilotos aproveitaram o período de isolamento social para acelerar a recuperação de lesões. É o caso de Jorge Prado, que estreou este ano na MXGP e precisou superar uma fratura no fêmur para voltar a competir em março. E depois, durante um treino na quarentena, Prado quebrou a clavícula e passou por nova cirurgia, juntando duas recuperações para enfrentar. Há pouco mais de um mês o piloto se liberou das sessões de fisioterapia e intensificou a preparação para o retorno da temporada. O espanhol foi o sétimo da etapa. 


MX2

A disputa entre as 250cc não deixa a desejar, não são poucos os candidatos ao título e os resultados, equilibrados. Apesar da concorrência forte, Tom Vialle marcou seu espaço na liderança do campeonato, com a vitória do GP.  

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Finalyyyyyyyy back ??????? @ktmfactoryracing

Uma publicação compartilhada por Tom Vialle (@tomvialle28) em 8 de Ago, 2020 às 9:46 PDT


Segundo Roan Van De Moosdijk, debaixo da máscara tem um sorriso! O piloto recomeçou a temporada cravando seu melhor resultado na competição até então, com a segunda colocação.


Jed Beaton perdeu pontos importantes na briga pelo título - agora a distância para o líder Tom Vialle está em mais de 30 pontos. O australiano caiu duas vezes na primeira bateria, terminando em sexto, e na segunda ficou em novo. "Bom, ontem foi um da difícil. Dois tombos na primeira prova e uma segunda bateria bem mediana. Não estou feliz comigo mesmo, mas estou feliz de voltar a correr em dois dias!", escreveu o piloto.


Resultados da etapa, aqui.

4ª etapa - GP de Riga

MXGP

A lenda está vivíssima! E ainda tem bala na agulha: Tony Cairoli alcançou sua 90ª vitória no Mundial de Motocross, depois de 1-4. Para alcançar o recorde de Stefan Everts, de 101 vitórias, o italiano precisa faturar mais 11 GPs. Será que vem recorde por ai?


Quem quase roubou o doce do italiano foi Jeremy Seewer, que perdeu a vitória da etapa por conta de apenas três pontos na somatória (4-2) ou a desvantagem de um segundo em relação a Arminas Jasikonis, que venceu a segunda bateria da etapa. 


Arminas Jasikonis começou a temporada com resultados tímidos e um tanto inconsistentes, mas tem ganhado espaço entre os ponteiros e após essa etapa com vitória pulou para a quarta colocação do ranking no campeonato. Vale ficar de olho no piloto! 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

My life be like...?? ?? @mxvice @seanogden_

Uma publicação compartilhada por Arminas Jasikonis (@arminasjasikonis) em 13 de Ago, 2020 às 4:33 PDT


"Num dia você ganha, no outro você perde!", Glenn Coldenhoff não poderia definir com mais exatidão como está o retorno da temporada, com as etapas seguidas. "Motocross é assim mesmo, nem sempre é fácil. Depois do resultado da etapa passada, foi decepcionante hoje. Minha primeira corrida foi ok. Terminar em sétimo depois de batalhar tanto em grande parte da corrida, não é onde eu queria estar. A segunda bateria não começou bem e foi minha culpa. Mas me senti confortável, estava passando outros pilotos rapidamente e talvez fiquei um pouco impaciente, acabei batendo em alguém. Cai muito forte e fiquei sem fôlego. Cheguei a voltar para a prova, mas depois de algumas voltas estava com dores cada vez maiores, então tive que desistir", o piloto comentou. Em nota a imprensa, a equipe da GASGAS adicionou que Coldenhoff passaria por um checkup antes da quinta etapa. O holandês caiu para a sexta colocação no campeonato. 


Para os que tem curiosidade para conhecer o tão falado circuito de Kegums, a câmera onboard de Gautier Paulin:


Resultados da etapa - Somatória

1 - Antônio Cairoli (KTM)
2 - Jeremy Seewer (Yamaha)
3 - Jeffrey Herlings (KTM)
4 - Arminas Jasikonis (Husqvarna)
5 - Romain Febvre (Kawasaki)
6 - Clement Desalle (Kawasaki)
7 - Ivo Monticelli (GASGAS)
8 - Arnaud Tonus (Yamaha)
9 - Jeremy Van Horebeek (Honda)
10 - Gautier Paulin (Yamaha)


MX2 

A quarta rodada validou a boa fase de alguns pilotos, enquanto para outros a bruxa estava solta e roubando pontos importantes no campeonato, ou até mesmo colocando-os para fora das disputas. Jago Geerts esteve no time dos privilegiados e sobreviventes, faturando a vitória do GP depois de dois primeiros lugares, sem erros ou tombos. 

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Really stoked with my win in both motos. Super starts with even a "Holeshot", gave me the confidence to go for the win. The second Grand Prix here on the "Zelta Zirgs" track therefore was close to perfection. I had never managed to score a 1 + 1 almost flawlessly until today. Looking forward to the next Grand Prix on my favourite track, which takes place on Sunday, August 16. - Wat ben ik blij met mijn winst in beide reeksen. Super starts met zelf een ‘Holeshot’ op mijn naam, gaven me het volste vertrouwen om voor de winst te gaan. De tweede Grand Prix hier op het circuit ‘Zelta Zirgs’ naderde dan ook de perfectie. Bijna foutloos een 1+1 scoren was me tot vandaag nog nooit gelukt. Vol vertrouwen kijk ik uit naar de volgende Grand Prix op mijn favoriete baan die doorgaat op zondag 16 augustus. @yamaharacingcomofficial Images: Photographic Art - Jago Geerts Media

Uma publicação compartilhada por Jago Geerts (@jagogeerts193) em 12 de Ago, 2020 às 11:07 PDT


Entre os altos e baixos da etapa, a má sorte pegou o companheiro de equipe de Geerts, Ben Watson, da Yamaha, o piloto não completou a primeira bateria por conta de problemas mecânicos e foi o nono na segunda, após se envolver em uma queda na largada. 


A bruxa também pegou Thomas Kjer Olsen: "Hoje foi um dia difícil pra mim. Como todos vocês sabem, tive um acidente antes de chegar na Letônia, que resultou em uma lesão no meu ombro. Esta queda dificultou as coisas antes mesmo do retorno à sprovas, o que é uma pena, porque tinha me recuperado totalmente da lesão na mão, do início da temporada e me sentia confortável na moto. A primeira corrida foi muito boa, fiz uma boa largada e disputei com o pelotão da frente, com um bom ritmo. Porém, comecei a sentir dores no ombro no final da bateria e tive que abrandar, terminei na 5ª posição, o que me deixou muito satisfeito dadas as circunstâncias.

Eu sabia que a segunda bateria seria difícil para o meu corpo, mas queria dar o meu melhor. Mais uma vez tive uma boa largada, mas infelizmente caí com outro piloto na primeira volta. Machuquei minha cabeça e ombro, então tomei a decisão inteligente de encerrar o dia. Vou manter a cabeça erguida - ainda faltam muitas corridas nesta temporada"
, o piloto escreveu para os fãs. Olsen tem ganhado espaço entre os fãs e também chegou a ser cotado como um dos favoritos na briga pelo título da categoria, mas como ele mesmo disse, o campeonato ainda está longe de ser decidido.
 

Por outro lado, a etapa foi boa para os pilotos da Kawasaki. Roan Van de Moosdijk faturou a segunda colocação geral segundo de Mathys Boisrame, em terceiro.


Tom Vialle encontrou dificuldades na pista e precisou se contentar com o quarto posto, mas mantém a liderança da categoria. Agora menos confortável: apenas oito pontos o separam de Jago Geets. 


Resultados da etapa - Somatória

1 - Jago Geerts (Yamaha)
2 - Roan Van De Moosdijk (Kawasaki)
3 - Mathys Boisrame (Kawasaki)
4 - Tom Vialle (KTM)
5 - Maxime Renaux (Yamaha)
6 - Jed Beaton (Husqvarna)
7 - Mikkel Haarup (Kawasaki)
8 - Ruben Fernandez (Yamaha)
9 - Simon Laengenfelder (GASGAS)
10 - Alvin Östlund (Honda)






© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet