X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Reportagens > Especial

MotoX visita: conheça a Borilli Racing e seus planos para o Brasil e exterior
Publicado em: 13/02/2020
Clique e saiba mais

Empresa brasileira não esconde pretensão de se tornar uma das maiores do cenário mundial
Redação MotoX.com.br - Texto e fotos: Carolina Arruda


Entrada da fábrica, em Tapejara (RS). O complexo de fabricação dos pneus conta com 900m².


O hall de recepção mostra o espírito off-road da empresa.
Em 1860, Antônio Borilli chegou ao Brasil com apenas uma mala de mão e sem saber ao certo o que construiria no País. 160 anos depois, Renato Borilli - tetraneto de Antônio - embarca de volta à Itália. Dessa vez com a bagagem da Borilli Racing e os planos para expandir a presença da empresa brasileira no mundo todo.

“Em cinco anos nós chegamos ao que para qualquer outra fábrica seria oito anos. Foi sábado, domingo e feriado sem dormir para chegarmos onde a gente chegou”, afirmou Renato Borilli, presidente da fábrica, que em breve terá uma sede própria para atendimento na região do Vêneto.

Fundada em 2014, a Borilli Racing (BR) começou no mercado com dois modelos de pneus para motocross e aumentou a oferta gradualmente para pneus de enduro, cross country e rally. Três anos depois, a empresa de Tapejara (RS) se tornou líder nacional no segmento e agora começa 2020 com novo posicionamento, ao lado de Alex Salvini, campeão mundial de enduro.

O italiano firmou a parceria com a empresa dentro e fora das trilhas, participando do desenvolvimento da linha Borilli 7Days Enduro para as versões Enduro e Enduro Soft - que serão utilizados nas provas do calendário europeu. “Já fiz parte do desenvolvimento de produtos de outras marcas, porém é a primeira vez que tenho a oportunidade de estar dentro da fábrica para ver todo o processo de produção. Isso é fundamental no meu trabalho”, comentou Salvini.


Renato Borilli e Alex Salvini

O piloto revelou os bastidores da aproximação com a Borilli: foram alguns testes realizados desde o último ano para bater o martelo. “Normalmente, quando aceito fazer um teste de equipamento, para comparativo de tempo, percebo a insegurança no corpo técnico da marca. Um nervosismo visível. Ficam realmente preocupados ao oferecer um pneu para comparar com o outro. E quando olhei para o Renato, ele ofereceu e estava super tranquilo! Sossegado. E isso me passou segurança”, contou o piloto.

“Primeiro foi só uma conversa inicial em outubro. Depois estruturamos um teste técnico em novembro, comparando a marca que estava usando antes com os pneus Borilli. Nas mesmas condições de terreno durante o teste, tive a impressão de estar mais rápido com o Borilli. Depois até a minha equipe confirmou: eu estava mais rápido em todas as condições quando o pneu era Borilli. Baixei meu tempo”, revelou Salvini.


Alex Salvini: “Para ser embaixador de uma marca é preciso confiar no projeto deles. É diferente de apenas uma parceria de patrocínio. Meu objetivo com certeza é buscar os melhores resultados, mas também aprimorar os produtos e trazer minha experiência para o desenvolvimento”.

Mousse Nacional

Outra grande novidade é a estreia do Mousse Borilli Racing. A ideia por trás de oferecer um produto incomum no off road nacional é trazer uma postura disruptiva para o cenário brasileiro, aumentando o padrão de qualidade, sem pesar no bolso do consumidor final.

“A Borilli vem para quebrar um paradigma de mercado. Por exemplo, no mercado europeu já é tradição. Mas aqui no Brasil, se um piloto quer, ele precisa pagar 900 reais em um mousse. Agora somos pioneiros na fabricação nacional”, explica Renato Borilli. Em poucas palavras, o mousse substitui a câmara de ar, eliminando os riscos de um pneu furado. 
 

Renato Borilli

Para tirar o projeto do papel, houve a colaboração de uma fábrica italiana. “Chegou a máquina essa semana. No início de maio já temos o produto no mercado, com três linhas - standard, soft e super soft. Teremos uma opção para moto 230cc, porque acreditamos nesse mercado”, completou o presidente. Segundo Renato Borilli, a expectativa é que o mousse para motos 230cc chegue ao mercado em torno de R$380,00 a R$400,00. Para comparativo, a câmara de ar pode custar em torno de R$120,00. 

E porque apostar em novas ofertas para os pilotos brasileiros? Segundo Edu Appel, gerente de marketing da BR, muitas pessoas acreditam que o Brasil é um mercado periférico. “Para a Borilli é o oposto disso. Nós acreditamos que o Brasil não é periférico. E sim um mercado extremamente importante, que merece produtos de alta qualidade”, comentou.


Eduardo Appel, gerente de marketing

“Só que ai vem o contraponto? O mercado está pronto para pagar o preço que a alta qualidade tem? Não, mas a Borilli vai trazer o preço também. Vamos alinhar qualidade excepcional a um preço acessível. É o mesmo produto utilizado por um profissional, de alta performance, a um preço adequado. É isso que queremos fazer”, adicionou.

Vídeo - MotoX Visita: Borilli Racing



Um dos projetos para facilitar a vida do piloto é o Borilli Racing Service, que consiste em uma estrutura física presente em algumas das provas patrocinadas pela empresa. A ideia é que os pilotos possam contar com o QG Borilli para tirar dúvidas, realizar reparos e encontrar produtos. “O Off road tem muito a evoluir. E ele precisa do suporte da fábrica. Então nós nos colocamos a disposição do nosso cliente”, explicou Renato.

Na Europa, a estrutura acompanha o Italiano de Enduro desde o início da temporada, enquanto no Brasil estará disponível a partir do segundo semestre deste ano. Entre os patrocínios confirmados estão o Campeonato Brasileiro de Enduro, Copa Brasil de Enduro, Gaúcho de Enduro de Regularidade e mais de 30 eventos de trilha também estão incluídos nos planos. 


Centro de treinamentos Borilli Racing

Outra iniciativa de destaque da empresa é o centro de treinamento aberto ao público na cidade-sede. A estrutura, gratuita para pilotos, conta com a pista, um restaurante e também alojamento com dormitórios e banheiros. O local já recebeu o Brasileiro de Motocross em 2019.

Os próximos passos serão em direção a 2022 com o projeto de uma fábrica maior, visando entrar no mercado norte-americano e canadense. Atualmente os pneus saídos de Tapejara já estão disponíveis em Portugal, Itália, Grécia, Mongólia e Estônia. E as expectativas são para os pneus chegarem em breve na Bélgica, Alemanha e França. 

“A Borilli Racing é muito mais que apenas uma marca de pneus. A gente acredita na evolução do segmento, do esporte e em parcerias que possam trazer bons frutos. Estamos trabalhando para sermos líderes em pneus off-road no mercado mundial”, reforça o presidente Renato Borilli.







© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet