X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Competição > Veloterra

Circuito das Águas Paulista - 1ª etapa - Amparo - SP
Publicado em: 18/01

Recorde de inscritos na prova de abertura da temporada
Texto: Maurício Arruda - Fotos: Flávio de Oliveira


Largada VX-3


Reginaldo Duracell
Desde o ano passado a equipe Asfalto Zero está organizando provas de Veloterra no Estado de São Paulo. Apostando no crescimento da modalidade, nesta temporada a empresa promoverá mais provas, todas válidas pelo Circuito das Águas Paulista de Veloterra. As etapas percorrerão as cidades que compõem o circuito, ao todo são 8 munícipios do interior de São Paulo.

Acompanhamos a 1ª etapa do Campeonato, realizada na cidade de Amparo, nos dias 14 e 15, já com grande sucesso. "Só de motos nacionais tivemos mais de 100 participantes. No total chegamos próximo as duzentas inscrições", comentou Panini, um dos promotores do evento, ao lado do parceiro Sandro Cardoso.

A dupla está animada com a modalidade: "Nesta prova de abertura os pilotos compareceram em grande número. Acredito que vamos repetir este sucesso nas próximas provas e certamente teremos cada vez mais adeptos do Veloterra em São Paulo", acredita Sandro.


Fernando Longuim
Mas como é o Veloterra? Grande parte dos pilotos de off-road do Estado não conhecem esta modalidade. Antes de mais nada é preciso explicar que o Veloterra aqui em São Paulo tem uma nova roupagem, diferente da do sul do país, onde é disputada
há anos.

Muito forte no sul do Brasil - Santa Catarina e Rio Grande do Sul - o Veloterra chega ao nosso Estado bem diferente da região onde surgiu. Lá a modalidade é disputada em circuitos de terra batida, largos e, em sua maioria, com grandes retas. Como no sul, aqui em São Paulo a modalidade acontece em um circuito sem saltos... por aí acabam as semelhanças.

No campeonato disputado em São Paulo o circuito, bem mais travado e recheado de curvas, era constantemente gradeado. Essa diferença, de piso gradeado e não terra batida, impede a realização de baterias com motos street, algo comum no Veloterra do sul. 


Alan Ferro


Marcelo Omesso
Em São Paulo não temos as categorias street, mas as motos trails nacionais compareceram em peso para disputa. O circuito tranquilo e sem grandes dificuldades técnicas é um grande atrativo para os iniciantes no mundo off-road, em especial para os que pilotam motos de fabricação nacional. 

Já na primeira bateria gate cheio em Amparo. A prova da Nacional A começou com a liderança de Eliandro Consorte, o popular 'Tonelada'. Mas quem acabou como destaque da bateria foi Reginaldo Duracell. Ele já disputava a liderança com Tonelada, quando viu seu oponente errar, perdendo contato.

Duracell passou a liderança para vencer com 15 segundos de vantagem sobre Tonelada. João Guilherme, holeshot da prova, finalizou na terceira posição. Completaram os cinco primeiros Essio Camargo e Felipe de Oliveira.

Na Nacional B três pilotos dividiram a liderança. Primeiro ocupou o posto Sérgio Alexandre, depois Juninho Nelolana, mas quem comemorou a vitória foi Ligeirinho. A disputa com Juninho seguiu até a última volta com pequena vantagem para o vencedor.
Magrão ficou com a terceira posição.


Fabiano Cardoso
Os Seniores da VX-3 fizeram a prova seguinte. José Luiz Marcon largou na ponta, mas não resisitiu muito tempo a pressão de Fernando Longuim. Depois de passar para primeiro Longuim administrou a liderança vencendo com tranquilidade.

Reinaldo Duracell voltou a ser destaque conquistando a segunda posição competindo com uma DT 200 entre as importadas! Marcon foi o terceiro, Panini o quarto e José Maurício o quinto.

A VX-2, categoria com motos 125cc 2 tempos e 250cc 4 tempos, foi dominada por Carlo Mônaco. O piloto da moto 33 não enfrentou dificuldades e venceu com boa vantagem sobre o segundo.

Situação oposta viveu Dú Mantovani. Começando a prova na quinta posição ele precisou suar a camisa para superar Joel Colega e concluír em segundo. Fernando Sibinel ficou com a quarta posição e Leandro Magnussos completou o pódio.

Na VX-1 Alan Ferro largou na frente liderando as primeiras voltas. Depois foi a vez de Maurício Arruda ocupar a primeira posição conquistando vantagem. A coisa mudou de figura quando Arruda deixou o motor de sua 450 apagar. 


Guilherme Costa
Foi o suficiente para Alan Ferro voltar a liderança e vencer a prova. Maurício Arruda perdeu tempo para retornar, conseguiu aproximar-se do vencedor, mas a esta altura já era dada a bandeirada. O terceiro colocado nesta bateria foi Leonardo Furlan. Ivan de Mina e Leandro Sbrissa conquistaram quarta e quinta posições.

Depois de duas baterias classificatórias os melhores pilotos da Nacional Estreante alinharam para prova final. E a bateria reservou uma incrível disputa entre Alexandre Costa e Marcelo Omesso. Costa liderou por onze voltas, na derradeira acabou surpreendido por Omesso que comemorou a primeira posição.

Wilson Alessandro e Juninho Nelolana definiram rapidamente a terceira e quarta posições. Já o quinto posto foi mais disputado em uma batalha vencida por Fábio da Silva.

A bateria Importada Estreante teve vitória de Fabiano Cardoso, de ponta a ponta. Marcelo Barbosa assumiu a segunda posição logo no início da prova e também levou até o final. João Paulo partiu na sexta posição, mas finalizou a prova em terceiro lugar. Luciano Queiroz e César Catapano completaram os cinco primeiros.


Luciano Queiroz
A meninada também esteve presente com provas de 50cc e uma bateria 60cc/85cc. Na 50cc o resultado foi o seguinte: 1º Guilherme Costa, 2º Marcelo Bettim, 3º Carlos Matheus, 4º Gabriela Freschi e 5º Carlos Matheus.

Entre os mais velhos a bateria parecia ser do piloto da CR 99, Diego Mortari. Mas na volta final quem surge na frente é Luciano Queiroz que, surpreso, comemora a vitória.

Diego errou na volta final terminando na segunda posição. Lenon Oliveira finalizou no terceiro lugar.

Na bateria Força Livre Nacional o domínio foi de Eliandro Consorte, o Tonelada. Desde a primeira curva na frente, Tonelada não teve dificuldades e venceu com grande vantagem. Já a segunda posição foi definida com uma diferença de apenas décimos de segundo. Pequena vantagem para moto 7 de Sandro Alik sobre Eduardo de Almeida. Alexandre Costa conquistou a quarta posição, seguido por Homero Jensen.

Eliandro Consorte Tonelada

A vitória também definiu-se rapidamente na bateria final, Força Livre Importada. Carlo Mônaco liderou de ponta a ponta com boa vantagem. Joel Colega ocupou a segunda posição por várias voltas, mas acabou superado por um animado Fernando Sibinel que, com sua 125cc 2 tempos, fez bonito e garantindo o segundo lugar. Alan Ferro também superou Colega, finalizando em terceiro. O quinto colocado foi Dú Mantovani.

A segunda etapa da Copa já tem data definida. Serra Negra sedia a corrida nos dias 18 e 19 de fevereiro.

 Veja Também: Galeria de Imagens da prova com 250 fotos!

A Copa Circuito das Águas Paulista de Veloterra tem organização de MX Sport / Asfaltozero com patrocínio de Gas Gas Motos, Frigeri, Steel Joint, Ultragrip e Pneus Rinaldi.


Carlo Mônaco

Resultados
VX1
1 55 Alan Ferro
2 23 Mauricio Arruda
3 2 Leonardo Furlan
4 252 Ian de Mina
5 936 Leandro Sbrissa
6 585 Cesar Calapano
7 1 Roberto Bardela
8 0 Décio Cassalho
9 25 Sagui
10 25 Markus de Wit
VX-2
1 33 Carlo Manaco
2 45 Du Mantovani
3 991 Joel Colega
4 54 Fernando Sibinel
5 51 Leandro Magnussos
6 5 Alcy Moreira
7 236 Luciano de Queiroz
8 204 Gustavo Assad
9 259 Rui Gasparetto
10 72 André Bera
VX-3
1 110 Fernando Longuim
2 61 Rinaldo Duracell
3 118 José Luiz Marcon
4 138 Panini
5 25 José Mauricio
6 25 Emerson Guarizzo
7 252 Ivan de Mina
8 32 Nivaldo Bertola
9 21 Edson Roberto
10 570 Magal
Força Livre Imp.
1 33 Carlo Monaco
2 54 Fernando Sibinel
3 09 Alan Ferro
4 991 Joel Colega
5 45 Du Mantouani
6 936 Leandro Sbrissa
7 22 Decio Cassalio
8 252 Ivan de Mina
9 1 João Paulo
10 5 Alcy Morera
Força Livre Nacional
1 27 Eliandro
2 07 Sandro
3 252 Eduardo de Almeida
4 5 Alexandre Costa
5 21 Homero Jensen
6 3 Felipe de Oliveira
7 12 André Luiz
8 333 Juninho Nelolana
9 233 Marcelo Momesso
10 134 Essio Camargo
Importada Estreante
1 247 Fabiano Cardoso
2 31 Marcelo Barbosa
3 1 Joao Paulo
4 236 Luciano de Queiroz
5 585 César Catapano
6 951 Rodrigo de Moraes
7 8 Gustavo Pegorari
8 5 Alcy Moreira
9 37 Antonio Marcos
10 570 Magal
Nacional A
1 61 Reginaldo Duracell
2 119 Tonelada
3 63 João Guilherme
4 134 Essio Camargo
5 3 Felipe de Oliveira
6 21 Homero Jensen
7 90 Igor Palandi
8 87 Baninho Pegorari
9 12 André Luiz
10 31 Wilson Banana
Nacional B
1 22 Ligeirinho
2 333 Juninho nelolana
3 114 Magrão
4 757 Jorginho Ferriani
5 519 Igor Palandi
6 42 Mateus Bernardini
7 804 Renan Alves
8 02 Alan Samuel
9 91 Diego Carlos Ferreira
10 71 Ivo Zaffalon
Nacional Estreante
1 233 Marcelo omesso
2 748 Alexandre Costa
3 31 Wilson Alessandro
4 333 Juninho Nelolana
5 32 Fabio da Silva
6 35 Mauricio Digao
7 05 Carlos Zoca
8 804 Renan Alves
9 01 Eric Rosa
10 28 Sergio Alexandre
60/80
1 236 Luciano de Queiroz Filho
2 99 Diego
3 992 Lenon Pires de Oliveira
4 94 Wilgner Francisco
5 118 Vinicius
6 24 Guilherme Costa
7 259 Renan Pires Oliveira
50/60
1 33 Guilherme Costa
2 8 Marcelo Bettim
3 18 Carlos Matheus
4 11 Gabriela Freschi
5 028 Victor Alexandre






© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet