X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Competição > Veloterra

Catarinense de Velocross 2009 - 1ª etapa - Witmarsum - SC
Publicado em: 11/03/2009

Grandes disputas e muita emoção na 1ª etapa do Catarinense de Velocross
MotoX.com.br - Texto e Fotos: Gerson Coas - www.fcm.org.br


Lui Feltz seguido de Milton Hobus e Leandro Lemos

Os pilotos Luciano de Oliveira (VX1), Lui Fietz (VX2), Braz dos Santos (VX3), João Silvério Francener (VX3 nacional), Maicon Kraemer (força livre nacional), Jacson Keil (nacional 250cc), Edinilson Batista (nacional 230cc e street), Luis Felipe Fietz (júnior) e Maicon Testoni (nacional 180cc) saíram na frente na disputa do Catarinense de Velocross 2009. Foram eles os vencedores da etapa de abertura da competição, que teve suas baterias realizadas neste segundo domingo de março, 8, em Witmarsum, na região do Alto Vale do Itajaí.


Lui Fietz venceu a VX2
Por si só o velocross já é uma modalidade de muita competitividade. Porém, coincidentemente como ocorreu na etapa final do ano passado, no mês de novembro, fortes chuvas e rajadas de vento assolaram todo o estado. Dessa vez o pancadão de chuva e a ventania ocorreram no final da manhã, no intervalo entre o warm-up e o início das baterias, tornando ainda mais imprevisível o cenário.
Pena foi a garotada das classes 50cc e 65cc que não pôde largar por conta da pista bastante pesada. 

Na parte da tarde as nuvens foram passando e ainda deu tempo do sol brilhar. Mas o estrago já estava feito e quedas de todos os tipos acabaram acontecendo, felizmente sem nenhuma gravidade.

Os destaques da etapa de abertura 



Luciano de Oliveira (VX1)
Luciano de Oliveira, o popular “Boca”, foi o mais rápido de todo o final de semana. O atual campeão da VX1 mais uma vez mostrou como guiar rápido naquele traçado de 1.010 metros, seja com pista seca ou escorregadia. Nos treinos a sua melhor marca foi de 45”055, enquanto na corrida a marca foi de 45”999 obtida na terceira passagem. “Eu adoro correr nessa pista. É um circuito rápido. Só se usa terceira, quarta e quinta e nas curvas você entra com a moto atravessando, escorregando de leve”, disse. Quanto a corrida, Boca não escondeu o seu sorriso e satisfação com a vitória. “Como eu consegui largar na frente, forcei no início e depois só administrei a vantagem. Já dei o primeiro passo... e quero mais!”, concluiu.

Lui André Fietz largou em segundo com uma CRF 250cc e ali se manteve, pois além de estar guiando forte mesmo – fez o segundo melhor tempo da bateria, se aproveitou do fato do terceiro colocado Jonathas Hobus estar se ocupando com Leandro Lemos, que estava no seu calcanhar. Já no final, ao forçar ainda mais Leandro acabou rodando, perdendo a quarta colocação para Markolf Berchtold. 


Leandro Lemos e Maikon Kraemer


Braz dos Santos
Porém Lui Fietz já havia se destacado anteriormente na bateria da VX2. Leandro Lemos consegui melhor tração na largada e desceu o curvão da ferradura puxando o pelotão. Mas na entrada da reta oposta Fietz botou de lado, tomou a dianteira e fechou a primeira volta na liderança, assim como fez nas 12 voltas seguintes.

“Foi uma corrida e tanto. Mas admito que se eu não tivesse conseguido passar o Leandro na primeira volta teria sido muito mais difícil. Na curva ele foi por fora e percebi que havia um encosto bem por dentro. Acertei a manobra... e digo, foi dali que saiu a vitória”, relatou Lui.
E dessa vez ao invés de pressionar Leandro é quem recebeu pressão. Maicon Kraemer que largou em terceiro forçou o tempo todo e na quadriculada a diferença foi de apenas 275 milésimos a favor de Lemos.

Pela VX3 Braz dos Santos dominou a sua bateria e mostrou a que veio nessa temporada: quer o título. “Como fomos os primeiros a alinhar, pegamos a pista bastante pesada. E essa foi a maior dificuldade. Treinamos com o terreno praticamente seco e na hora da corrida as condições estavam totalmente diferentes. Mas como larguei na frente, pude ditar o ritmo”, revelou Bráz. Juarez Barbosa comemorou com a segunda colocação. 


Jacson Keil
Dentre as motos nacionais o mais rápido foi Jacson Keil, de Honda 250cc, seguido de perto por Maicon Kraemer e sua Yamaha 2T, moto que ele conquistou os títulos do Brasileiro e do Catarinense de 2008 na classe força livre nacional.
Nos treinos de sábado Jacson fez a melhor marca com 46”189, vantagem de 406 milésimos para Maicon. 

No domingo a bateria da nacional 250cc 4T foi feita logo após a VX3. O terreno ainda estava bastante pesado para as motos nacionais. Porém, ruim para um, igual para todos. E nessa Jacson levou a melhor, dominando a corrida. “Realmente essa foi para lavar a alma da etapa do ano passado, quando eu estava bem e a minha moto apagou após passar naquele riacho formado na reta oposta”, disse ele, que foi o único a andar abaixo da casa de um minuto por volta. José Augusto Reinert ficou em segundo e Tiago Krause em terceiro

Na bateria da força livre nacional Maicon largou na frente, seguido de Wandrey Niels, Jacson, Krause e Wolkmar Berchtold. Destaque para o duelo emocionante pela segunda colocação que durou até a quinta volta, quando Jacson finalmente conseguiu passar Wandrey, entretanto caindo logo em seguida e despencando para a sexta colocação. Lá na frente o atual campeão Maicon aproveitou essa disputa para abrir e então administrar a vantagem para conquistar a vitória. Wandrey terminou em segundo e Jacson conseguiu se recuperar, tomando o terceiro lugar de Wolkmar na penúltima volta.


João Silvério Francener
Gian Reinert liderou a VX3 nacional até a sétima volta, quando estão foi superado por João Silvério Francener, o João do Milho, que venceu.

O atual campeão da street standard Edinilson Batista, continuou na categoria e venceu mais uma vez. Mas com estréia da classe nacional 230cc, ele partiu para esse novo desafio. “Criamos a classe nacional 230cc justamente para incentivar o ingresso de novos competidores e para que os pilotos da street, por exemplo, que é reconhecidamente uma categoria de base e porta de entrada de vários pilotos, tenham um degrau natural na modalidade”, disse o presidente da FCM, Onílio Cidade Filho.
 
Nesse entendimento, pilotos como Leandro Lemos, que detém vários títulos de campeão em outras categorias, abriu mão de correr nessa classe. “Olhando dessa forma eu prefiro não correr e deixar espaço para outros competidores. É uma forma que eu tenho de contribuir para o crescimento do nosso esporte”, comentou Lelê. 


Maicon Testoni


Edinilson Batista
E quando o gate baixou Eduardo Leobet saiu melhor, liderando as três primeiras voltas, quando então foi superado por Edinilson. Dali até a 13ª e decisiva volta foi um festival de ultrapassagens entre os pilotos que ocupavam da segunda a sexta colocação. Na bandeirada final Edinilson cruzou em primeiro, seguido de Lui Fietz, Márcio Rover, Sílvio Alchini e Alex Pains, esses os cinco que tiveram suas motos recolhidas ao parque fechado para checagem das especificações do motor. Alchini se recusou a permitir a averiguação, sendo assim automaticamente desclassificado.

Pela categoria júnior a garota Maysa Pianezer largou forte, mas ainda na volta inicial foi superada pelo vencedor Luis Felipe Fietz. Já na nacional 180cc Valdir Pereira começou bem e liderou quatro das oito voltas da corrida. Sua moto perdeu desempenho, sendo ultrapassado pelos pilotos Maicon Testoni e Antônio Carlos Corrêa, primeiro e segundo colocados respectivamente.

A segunda etapa do Catarinense de Velocross está marcada para os dias 04 e 05 de abril em Massaranduba.

Confira os cinco primeiros colocados de cada categoria: 


Vandrei Niels e Jacson Keil
VX1

1 – Luciano de Oliveira
2 – Lui André Fietz
3 – Milton Jonathas Hobus
4 – Markolf Berchtold
5 – Leandro MatosLemos

VX2
1 – Lui André Fietz
2 – Leandro Matos Lemos
3 – Maicon Júnior Kraemer
4 – Milton Jonathas Hobus
5 – Markolf Berchtold

VX3
1 – Braz dos Santos
2 – Juarez Barbosa
3 – Gilmar Vrinfried Bianquezzi
4 – João Silvério Francener
5 – Claudir Heil

VX3 Nacional
1 – João Silvério Francener
2 – Antônio Carlos Correa
3 – Adilson Romalino Batista
4 – Valdir Pereira
5 – Gian Mastroiani Reinert

Força Livre Nacional
1 – Maicon Júnior Kraemer
2 – Wandrey Niels
3 – Jacson Keil
4 – Volkmar Berchtold
5 – Tiago André Krause


Luís Felipe Fietz
Nacional 250cc

1 – Jacson Keil
2 – José Augusto Reinert
3 – Tiago André Krause
4 – Alex Pena Pains
5 – Eduardo Ewald

Nacional 180cc
1 – Maicon Testoni
2 – Antônio Carlos Correa
3 – Valdir Pereira
4 – Gervásio Frutuoso
5 – Chairon Luiz

Street 4T Standard
1 – Edinilson Batista
2 – João Antônio Vergutz
3 – Rodrigo José Milverstet
4 – Tiago Jost
5 – Gean Carlos da Silva

Júnior
1 – Luís Felipe Fietz
2 – Júlio César Vaselkoski
3 – Jeferson Keil
4 – Maysa Pianezer
5 – Jonata Eccel

Nacional 230cc
1 – Edinilson Batista
2 – Lui André Fietz
3 – Márcio Roberto Rover
4 – Alex Pena Pains
5 – Eduardo Leobet






© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet