X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

Pro Tech

JPS Racing

MotoX Pneus

JP Motos

Clique e saiba mais

> Reportagens > Motos

Teste Yamaha YZ450F 2018
Publicado em: 15/12/2017

Modelo Yamaha MX1 avança com inovações tecnológicas e mecânica aprimorada
Redação MotoX.com.br: Texto e fotos Lucidio Arruda

Com motor e chassi novos, a Yamaha YZ450F 2018 deu uma grande salto em relação ao modelo 2017


Yamaha YZ450F 2018


Motor de arranque fica bem escondido entre a curva de escape
Os itens de conveniência como partida elétrica e o novo aplicativo Power Tuner conectado via Wi-Fi são os grandes atrativos da nova Yamaha YZ450F 2018. Mas não se deixe enganar, a motocicleta evoluiu bastante também na ciclística e, principalmente, motor, entregando uma evolução completa em relação a versão anterior.

As mudanças mecânicas vão mais além do que a leve repaginada na "roupa" faz imaginar. O chassi é novo, os pontos de montagem do motor foram reposicionados para centralizar a massa e a posição de pilotagem foi melhorada com um reservatório de combustível ligeiramente menor e assento mais estreito e baixo na extremidade traseira. As mudanças no motor foram extensas, assim como o câmbio teve engrenagens reforçadas. Para conferir a lista completa de mudanças, acesse nosso artigo de apresentação da moto.


Yamaha YZ450F 2018

Yamaha Power Tuner App

O grande diferencial da Yamaha em relação à todas as outras motocicletas de cross é a conexão por Wi-Fi que permite ajustar os mapas de injeção e ignição com um smartphone. A novidade permite uma comodidade muito grande para acessar e modificar essas configurações, já que não é preciso uma computador portátil ou mesmo dispositivos dedicados vendidos separadamente. Basta configurar a senha e "brincar" à vontade com os parâmetros do motor. Confira no vídeo abaixo uma apresentação detalhada produzida pela Yamaha.

Vídeo:



Pelo aplicativo também é possível acessar informações da motocicleta como as horas de funcionamento do motor, dispensando, horímetros auxiliares. Outro fato interessante do aplicativo é que, enquanto o piloto anda, é possível acompanhar o uso do acelerador e rotações do motor em tempo real, isso nas partes próximas da pista, dentro do alcance do sinal Wi-Fi. A Yamaha fornece três mapas originais de fábrica, mas o piloto pode personalizar os ajustes criando infinitas combinações.

Pilotando


Teste Yamaha YZ450F 2018

Motor Surpreendente

Durante nosso teste utilizamos apenas o mapa "Standard" original, que fica entre os mapas "suave", ideal para piso escorregadio e o "Hard Rock", com respostas mais agressivas em piso de boa aderência. Sem mais delongas posso logo afirmar: o motor nos surpreendeu positivamente. Forte, muito forte, mas não um motor arisco. A pegada em baixa empurra com vontade, mas de forma progressiva. Mesmo com as boas respostas, essa força é transferida para o chão, a roda traseira pouco patina.


Se essa resposta em baixa nos alegrou, a coisa ficou ainda mais empolgante conforme os giros foram subindo. O empurrão continua forte nos médios giros e o motor não é nada tímido em altas rotações. Muito fácil de levantar a roda dianteira no momento que quiser.

O quanto é bom esse motor? Nós ficamos sabendo que Carlos Campano, tanto aqui no Brasil como na Espanha, dispensou escape e ponteira especiais para correr com o motor exatamente original, como sai de fábrica. O piloto espanhol correu recentemente as duas últimas etapas do Campeonato Brasileiro de Motocross com o novo modelo, conquistando o título na categoria MX1.

Freios

Com um motor tão eficiente, é necessário que a moto corresponda também no momento de parar. E a YZ450F 2018 não decepciona, com freios precisos como das versões anteriores que já contavam com conjuntos similares ao atual. Na frente o disco de 270mm funciona de forma precisa e gradual, assim como os 245mm da traseira se mostram suficientes. 


Câmbio

Se na pista em movimento não tivemos nada a reclamar das relações de marcha, principalmente pela ampla faixa de uso do motor, as simulações de largada ("na unha" sem utilizar o controle eletrônico de largada) foram um pouquinho difíceis de acertar. Principalmente as largadas em segunda marcha se beneficiariam com uma relação final ligeiramente mais curta. Um dente a mais na coroa deve deixar essas largadas no ponto ideal. Fora isso, os engates de marchas e a ação da embreagem foram perfeitos.

Suspensões


Na frente temos um garfo Kayaba com dupla câmara e molas "reais" em cada tubo. Nada de mola a ar. Atrás o amortecedor também KYB com todas as regulagens padrão do segmento, de compressão em alta e baixa velocidade e retorno. Em 2018 o amortecedor teve as capacidades de óleo e gás aumentadas. É um conjunto elogiado internacionalmente pelas publicações especializadas. As molas convencionais na frente são uma grande vantagem em termos de  facilidade de acerto em relação às suspensões com mola a ar usadas pelas demais japonesas, que geralmente exigem um pouco de magia para cair no gosto dos pilotos mais exigentes.

Utilizamos uma medida de SAG (regulagem da mola traseira) em 100mm e todos os cliques nas posições standard, exatamente no meio da regulagem. Estes ajustes se mostraram um pouco macios demais para o gosto de nosso piloto de 82kg e 1,84m de altura. A roda dianteira perdia contato com o chão involuntariamente com muita facilidade nas saídas de curvas, assim como em alguns saltos mais rápidos a frente tinha tendência de sair mais alta que o desejável, sinal que a traseira estava "fechando" demais. Endurecemos quatro cliques nas duas regulagens de compressão e também no retorno e a situação melhorou bastante. Terminamos o teste achando que mais uns cliques fechados melhorariam ainda mais.


Independente da regulagem, a absorção de buracos, tanto grandes como pequenos, é excelente. A atuação é bastante progressiva e mesmo passando da recepção de alguns saltos em ambos os circuitos da pista Kalango Cego, em Itupeva (SP), nada de encontrar final de curso.

A anunciada mudança de chassi teve como objetivo melhorar a maneabilidade em curvas. Em retas a YZ450F 2018 manteve o padrão de estabilidade já reconhecido da Yamaha. Em trechos de baixa velocidade, a entrada em curvas melhorou em relação ao modelo anterior, mas ela ainda exige um pouco mais de decisão do piloto, do que, por exemplo, a Honda.

Conclusão

A Yamaha fez um grande trabalho na YZ450F 2018. Mesmo com a adição de todo os elementos da partida elétrica e novidade eletrônicas, a motocicleta ganhou apenas ao redor de 1kg. O peso em ordem de marcha (com tanque cheio) é exatamente o mesmo da 2017, 112kg, mas a capacidade de combustível diminuiu 1,3 litro. É uma diferença desprezível face à comodidade do botãozinho de partida, principalmente nos momento de sufoco no meio de uma corrida.


Dentro da pista foi possível sentir a evolução da ciclística com o novo quadro, mas o ponto alto da motocicleta, indiscutivelmente, é o motor. A Yamaha acertou a mão ao fazer um motor muito forte, mas aproveitável. Nos últimos anos vimos as receitas de algumas fabricantes - Honda notadamente - amansar bastante o motor, para facilitar seu uso. A Yamaha conseguiu conciliar muito bem a potência bruta com a usabilidade alcançável aos pilotos comuns.

+ Veja mais detalhes técnicos do modelo em nosso artigo de apresentação da Yamaha YZ450F 2018

Agradecimentos: MX Box45 Racing Team e Pista Kalango Cego.

Vídeo Andando com a Yamaha YZ450F 2018:




YZ250F 2018 à esquerda e YZ450F 2018 à direira. Reparem na diferença dos plásticos e no assento mais estreito da 450.


Mais eletrônica, menos simplicidade. 450 tem dois conectores a mais que a 250

Ficha Técnica Yamaha YZ450F 2018

Ficha Técnica Yamaha YZ450F 2018
Motor
Tipo Monocilíndrico refrigerado à água, ,DOHC (comando duplo), 4 tempos, 4 válvulas
Cilindrada 449cc
Diâmetro x Curso 97.0 mm x 60.8mm
Taxa de compressão 12.8 : 1
Partida Elétrica
Lubrificação Bomba de óleo
Embreagem Embreagem muitidisco
Alimentação Injeção Eletrônica
Ignição TCI
Câmbio 5 Marchas
Ttransmissão final Corrente
Chassis
Quadro Alumínio com Traves Duplas superios
Suspensão Dianteira Garfo telescópico invertido
Curso roda dianteira 310 mm
Suspensão traseira Braço oscilante com links
Curso roda traseira 317 mm
Cáster 27⁰15'
Trail 121 mm
Freio dianteiro Disco hidráulico, Ø 270 mm
Freio traseiro Disco hidráulico, Ø 245 mm
Pneu dianteiro 80/100-21 51M
Pneu traseiro 110/90-19 62M
Medidas  
Comprimento 2,185 mm
Largura 825 mm
Altura 1,285 mm
Altura do assento 965 mm
Entreeixos 1,485 mm
Distãncia livre do solo 335 mm
Peso em ordem de marcha (com lubrificantes e tanque cheio) 112 kg
Capacidade de combustível 6.2 L
Capacidade de óleo 0.95 L
Recursos adicionais
Power Tuner App Permite ao piloto modofocar parâmetros de injeção e ignição usando um smartphone.
O aplicativo se comunica sem fio com a central eletrônica









Curso MotoX
JPS Racing

© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet