X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Reportagens > Motos

Yamaha YZ 250F 2006
Publicado em: 15/04/2006

Edição comemorativa remete as décadas de 70 e 80
Texto: Maurício Arruda - Fotos: Flávio Oliveira


A YZ250F em sua Edição Especial dos 50 anos da Yamaha


O novo reservatório de óleo fica na frente da carcaça do motor. O quadro de alumínio é outra grande novidade
Marca responsável pelo retorno dos motores quatro tempos ao motocross, a Yamaha já estava devendo novidades aos fãs da sua linha F. A aguardada nova geração quatro tempos da Yamaha chegou ao mercado pagando esta dívida, tendo como grande atrativo o novo quadro de alumínio. Em 2001 a primeira versão da YZ250F foi apresentada também como a primeira opção quatro tempos na classe 125cc. De lá para cá muita coisa mudou, a evolução dos modelos foi brutal e refletiu-se nos gates da categoria, hoje praticamente ocupados exclusivamente por motos quatro tempos.

Clique Aqui e veja o video do teste

Os usuários da marca japonesa, que andavam queixando-se do comportamento 'difícil' do modelo
anterior, ainda equipado com quadro de aço - segundo diziam os críticos, o responsável por uma ciclística longe do ideal - respiraram aliviados quando foi apresentada a nova geração cross Yamaha. O belo chassi em alumínio, mesclando partes forjadas, fundidas e estampadas era tudo que eles queriam.

Mas até que ponto esta novidade beneficiou a condução da YZ 250F? Será que o resultado foi positivo? Essa resposta você encontrará nas linhas abaixo, mas antes disto vamos as principais mudanças da linha 2006.


O motor atinge 13.500 rpm
Yamazuki?

Se você ainda não é trintão ou acompanha o motociclismo há pouco tempo, talvez esteja estranhando a cor amarela da motocicleta nas fotos que ilustram essa matéria. Sim você está diante de uma legítima Yamaha YZ250F. E vem à mente aquela dúvida: Mas as Yamahas são azuis... amarelas são as Suzukis, não são? Sim você está certo... mas esta não é uma YZF comum, é uma edição especial do modelo, comemorativa dos 50  anos da marca japonesa.

A cor amarela remete a década de 70 e início dos anos 80 quando as Yamahas de competição eram sim amarelas, com os gráficos pretos. A moto só diferencia-se visualmente da linha tradicional, não havendo nenhuma outra alteração mecânica nesta edição limitada. 

O fato é que a moto ganhou exclusividade e o tom amarelo gema (mais forte e escuro que o da Suzuki) deu um charme especial deixando a YZF ainda mais bonita. O kit plástico - paralamas, aletas, laterais - também ganhou novo desenho, mais moderno e elegante.



Cor amarela deixa a moto mais exclusiva
As suspensões passaram por alterações: na traseira uma nova mola mais leve e resistente além de um novo tratamento interno anti-fricção; já as bengalas de 48mm da Kayaba receberam novas válvulas 'TVC' posicionadas acima das molas. Segundo a fábrica com este sistema o amortecimento varia conforme a velocidade, a força muda  de acordo com a velocidade do pistão.

O freio dianteiro é um disco flutuante de 250mm. Atrás o disco tem 245mm. Os radiadores são novos assim como o reservatório de óleo posicionado à frente da carcaça do motor. O Carburador passou por modificações, mas permanece da marca keihin e com os mesmos 37mm da versão anterior. Escape, CDI e o novo guidão Pro Taper com mesa ajustável completam o pacote de novidades da Yamaha YZ 250F 2006.

Na pista

Andando a YZF agradou logo no primeiro contato. A força do motor, que tem como ponto forte o fato de ser bastante elástico, não foi nenhuma surpresa já que a Yamaha sempre foi muito bem neste quesito. Se este ano suas concorrentes (especialmente a Honda) aproximaram-se neste ponto, a Yamaha continua mostrando muito fôlego e eficiência. A baixa não é brilhante, mas média e alta rotações cumprem bem o papel na moto toda original e dão uma elasticidade que não encontramos na concorrência. Segundo a Yamaha são atingidos 13.500 rpm.


As trocas de marcha exigem firmeza. Câmbio de 5 marchas não é dos mais macios


A edição comemorativa só diferencia-se da tradicional azul pela cor
Na ciclística repetiu-se o bom comportamento, o peso excessivo na dianteira existente nas versões anteriores sumiu. Agradável e bem equilibrada não só pelo novo chassi, que correspondeu bem as expectativas, como também pelo excelente conjunto de suspensões. Elas trabalharam muito bem, foram realmente eficientes e uma das melhores surpesas da nova versão.

O centro de gravidade baixou, as pedaleiras foram posicionadas mais próximas do solo facilitando 
bastante as curvas. Apesar disto o banco está alguns milímetros mais alto, resultado da nova modelagem da espuma. Em conjunto com a nova mesa e guidão Pro Taper, também mais elevados, deixou o posicionamento perfeito (pelo menos para os pilotos do teste que tinham entre 1,75 m e 1,85 m).

Nos freios e câmbio a Yamaha ainda pode melhorar. Equipada com disco flutuante na dianteira, ela freia bem, mas não surpreende neste ponto e, acredito, poderia ter um melhor conjunto. Concorrentes como a KXF já vem equipadas com modelos mais modernos e eficientes em situações adversas como provas na lama. Um disco com novo corte cairia bem. No câmbio não há facilidade nas trocas de marcha. É preciso soltar as marchas com "vontade" para não enfrentar problemas com o engate. Por outro lado o escalonamento das marchas é muito feliz e explora bem a força do motor.

Paixão à primeira volta

Quando nosso amigo Eduardo Duboy nos convidou para experimentar sua nova YZ250F confesso que fiquei bastante excitado com a expectativa de experimentar a nova Yamaha. Mas meu coração disparou mesmo quando ele disse ao telefone: "...e tem uma coisa, a moto é amarela!". A edição especial realmente é um colírio e espero que a fábrica repita a dose nos próximos anos.

A posição de pilotagem mudou completamente. No novo quadro perimetral o tanque ficou em posição mais baixa e o banco tem o topo quase todo reto. A geometria com o guidão bem baixo induz o piloto naturalmente a uma posição mais agressiva e não aquela posição "sentada" dos modelos anteriores.

Entrei na pista e em poucas curvas já parecia que eu e a YZ250F éramos velhos conhecidos. O comportamento e maneabilidade se mostraram impecáveis. Mesmo as suspensões completamente originais se mostraram muito competentes. A motocicleta se mostrou muito dócil e previsível nas curvas, mesmo as que tinham buracos e ondulações na entrada. Acho que a nova posição de pilotagem contribuiu bastante para isso.

O motor se mostrou também um dos pontos altos da motocicleta. Se mostrou mais "solto" do que as outras motos da categoria que testamos com respostas vigorosas mesmo em altas rotações onde as concorrentes já estão pedindo uma marcha a mais. Tirar a roda dianteira do chão é tarefa fácil com a nova Yamaha.

O câmbio tem ótima relação de marchas, mas exige um pé esquerdo decidido para trocas precisas, principalmente quando se passa do giro ideal do motor.

Os freios dão conta do recado, mas nada de espetacular. Já há algum tempo não gosto muito do burrinho dianteiro da Nissin que exige um certo curso do manete para começar a funcionar e em pouco tempo passa a ter seu acionamento "borrachudo" exigindo manutenção constante.

Finalizando: há muito tempo não me divertia tanto em cima de uma motocicleta como quando pilotei a Yamaha YZ250F 2006. Mesmo não sendo um grande fã dos motores quatro tempos adorei as respostas e a agilidade da motocicleta. Os pequenos pontos negativos são superados em muito pelos positivos colocando a Yamaha no topo da categoria. A fábrica deu um grande passo no desenvolvimento de sua linha "F" e foi na direção certa! 

Lucídio Arruda
Ficha Técnica Yamaha YZ250F 2006

Motor:
Quatro tempos, cinco válvulas.
Cilindrada: 249cc
Diâmetro: 77.0 x 53.6
Carburador: Keihin 37mm 
Taxa de Compressão: 12.5:1
Ignição: Digital CDI
Câmbio: Cinco marchas
Quadro: Alumínio. 
Suspensão Dianteira: Kayaba 48mm invertida
Suspensão Traseira: Kayaba monoamortecida
Curso Dianteiro: 300 mm.
Curso Traseiro: 310 mm.
Freio Dianteiro: Disco flutuante 250mm. Pinça com pistão duplo.
Freio Traseiro: Disco 245mm disc, Pinça com pistão único.
Peso: 93,5 kg.
Tanque: 7 litros.

Veja Também:

- Clip de 3 minutos com imagens do teste 
- Galeria de imagens com mais 39 fotos

Teste realizado em Americana - SP.

Agradecimentos: 
Duboy Racing (19) 3468-7341 e Theo Racing
(19) 9151-0121.
Imagens Relacionadas:
Yamaha YZ250F 2006 - Edição Comemorativa
Suspensão e disco de freio dianteiros
Balança e transmissão
Motor
O radiador e reservatório de óleo são novos
Edição especial amarela e preta chama atenção nas pistas
Os novos guidão e mesa
Ponteira do escapamento
Reservatório de óleo agora posicionado à frente da carcaça do motor
Detalhes do chassi, escape, links, etc..
Novo quadro de alumínio é a grande novidade
O gráfico saudosista relembra as motos da equipe na década de 70 e início dos anos 80
Bom motor é um dos trunfos da YZF
Manete de embreagem e da partida quente
Motor atinge 13.500 rpm
Prontinha para ir pra pista...
Posição de pilotagem
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-
-





© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet