X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Reportagens > Motos

Yamaha YZ 125 2005
Publicado em: Novembro 2004

Yamaha YZ125 2005
Texto e Fotos: Equipe MotoX


Yamaha YZ 125 2005


Desde a volta das quatro tempos ao motocross muito se falou sobre a saída do mercado dos modelos dois tempos. Com a ajuda do regulamento e projetos modernos a nova geração das 4 tempos invadiu pistas por todo o mundo e trouxe ao esporte um novo som de escape bem mais grave.

Principalmente na categoria 125 (ou MX2) o domínio das 4 tempos foi mais rápido do que se esperava. Com o dobro da cilindrada a vantagem destes modelos é cada vez mais nítida, principalmente em largadas e saidas de curva em pisos duros e lisos.

Porém a "modernização" do esporte elevou custos e colocou as fábricas em certo dilema. Os riscos de elitizar ainda mais um esporte já considerado caro poderia trazer uma reação negativa no mercado afastando jovens pilotos que não poderiam arcar com os valores de preparação e manutenção de um modelo quatro tempos. (Não estamos falando apenas do Brasil não, atualmente esta é uma discussão mundial) Os riscos do bolo diminuir começam a preocupar as fábricas...

Curiosamente a mesma Yamaha que iniciou a revolução 4T é a primeira a se movimentar para renovar também os modelos 2 tempos. Para alegria dos fãs do premix, a fábrica trouxe na linha 2005 a resposta aqueles que davam como certa a extinção destas máquinas.

A nova YZ 125cc 2005 certamente marcará uma nova fase na categoria. É certo também que o regulamento hoje já favorece as motocicletas quatro tempos, mas a nova ’caçulinha’ da linha YZ chega apta a fazer frente as poderosas 250Fs. Totalmente reformulada, com um novo quadro de alumínio que é uma verdadeira obra de arte (são utilizadas três ligas diferentes do material ao longo do "esqueleto" da nova azulzinha) esta motocicleta já mostra visualmente o quanto evoluíu em relação a linha passada.


Reparem na nova disposição do motor e câmbio que formam um conjunto quase vertical. O carburador fica numa posição mais baixa e a tampa do magneto mudou de forma.
O motor não mudou apenas internamente como é comum de um ano para o outro. Desta vez "a olho nu" percebem-se as mudanças já que é um projeto completamente novo: bem mais inclinado (e comprido!) que o das versões anteriores, ele forma um ângulo mais aberto em relação ao câmbio. Equipado com um escape mais "gordinho" e a tampa do magneto com formato totalmente novo (ovalado) o motor chega com tantas inovações quanto a ciclística. Cilindro, cabeçote e admissão são completamente novos. A biela ficou 3mm mais curta proporcionando maior compressão primária.

A nova posição do motor, 7mm mais curto do eixo do virabrequim ao pivô da balança traseira, proporcionou canais de admissão e escape mais diretos. O câmbio também foi reformulado e tem novamente seis marchas, contra cinco da versão 2004. Mesmo assim ele ainda ficou mais leve! Outra ótima novidade foi o novo sistema de acionamento da embreagem que deixou o manete leve, muito leve! Mais um ponto para a Yamaha. A tampa da embreagem agora é de magnésio e não mais de alumínio.

Nos plásticos foram mantidas as linhas dos modelos passados exceto no protetor da suspensão dianteira que agora tem linhas aredondadas. O grafismo tradicional da marca foi levemente alterado. No visual o forte obviamente surge da grande novidade:o belíssimo quadro (cor alumínio) em conjunto com o azul Yamaha, promete chamar a atenção nas pistas.

Há, já iamos esquecendo das suspensões. O amortecedor traseiro também é completamente novo e a dianteira recebeu bengalas de 48mm com dupla câmara, ou seja circuitos de óleo separados. O flexível do freio dianteiro também percorre um novo caminho mais curto, o mesmo utilizado nas Hondas há anos. Esta alteração melhora sensivelmente o desempenho do freio e até o ano passado era modificação obrigatória nas motos oficiais. 



Na pista

A motocicleta testada estava absolutamente original, exceto no guidão (o modelo Renthal que vem de fábrica foi substituído por um da mesma marca, de tubos duplos na base, mais resistente), nada no entanto, que alterasse o seu desempenho. Daí a primeira boa notícia: a força do motor é nítidamente superior a qualquer modelo desta classe já fabricado.

A sensação ao se pilotar é de que se está sobre uma motocicleta preparada e com todas as alterações possíveis já realizadas. Isto porque o motor é elástico, tem uma alta excelente, e responde muito bem em todas as rotações. Qualquer piloto sabe o quanto uma ponteira de escapamento especial faz a diferença em uma 125cc. Pois é, lá estava a "enorme" ponteira de escape original na YZ 125 2005, mas nada daquela sensação de motor preso, muito comum nesta situação.

Claro que vai continuar uma tarefa ardua largar na frente das quatro tempos, não só pela força mas pela docilidade destas concorrentes. Só que agora a moto sai de fábrica tão forte quanto aqueles modelos super-equipados, e daí dá para imaginar que a evolução será muito maior quando os acessórios chegarem ao brinquedinho...


O escape original tem dimensões próximas aos especiais e garante um ótimo desempenho ao motor.
E é assim que você se sente ao pilotá-la... com um brinquedinho nas mãos. A redução de peso é sentida a cada curva ou salto. E a sensação única de uma pilotagem agressiva sobre uma dois tempos ganha força combinada com a extrema leveza do modelo. Este é o grande trunfo da YZ e resulta em uma enorme facilidade no ar, nas freadas e sempre que o piloto deseja alterar sua trajetória. Ao final de uma bateria de treinos ou prova isto se reflete em menos desgaste físico, enfim em diversão garantida. 

Quanto a flexibilidade do quadro, não há queixas. Não se sente uma rigidez excessiva (como na primeira geração dos quadros de alumínio da Honda) e as reações são as mesmas do quadro tradicional da marca, com a vantagem do ganho de peso por volta de dois quilos.

As suspensões correspondem às expectativas. O novo amortecedor traseiro mostrou-se bastante competente e os garfos mais grossos na dianteira deixaram a moto mais firme. A maneabilidade continua ótima tanto em retas e curvas abertas como em trechos travados onde o pouco peso realmente faz a diferença.

Conclusão


Agradecimentos ao piloto Marcel Mourão que gentilmente cedeu a motocicleta para a realização desta matéria.
Foi louvável a decisão da Yamaha de investir forte novamente em sua linha dois tempos. A motocicleta nos surpreendeu com sua leveza e mais ainda com o desempenho do motor. A moto é forte em baixa, média e a alta parece não ter limites. 

É sem dúvida a 125 original mais forte que já andamos e deixa para trás a maioria das motos preparadas.  Para o piloto que não quer entrar para o time do comando de válvulas e prefere um modelo com a manutenção mais simples a YZ125 é uma boa arma para se divertir nas pistas e também brigar por vitórias.

Há anos considerada a melhor moto da classe e agora cheia de novidades, a nova geração da YZ 125 chega ao mercado mais do que pronta para consolidar sua posição.

Imagens Relacionadas:
É de alumínio. O novo quadro chama a atenção.
Visão Frontal.
Disco traseiro de 245mm. Nova pinça mais compacta.
Detalhe do CDI e "textura" do alumínio.
YZ 125 2005
YZ 125 2005
YZ 125 2005
YZ 125 2005
Marcel Mourão
YZ 125 2005
YZ 125 2005
YZ 125 2005
YZ 125 2005
YZ 125 2005
Yamaha YZ 125 2005
Nova suspensão dianteira de 48mm





© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet