fechar
X Fechar
X Fechar

X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

RM - Motocross Racing

Edgers Racing

RX Graphics

JPS Racing

Ohlins

DLua Racing

Toro Sports

Clique e saiba mais

> Reportagens > Motos

Teste Kawasaki KLX 140G 2017
Publicado em: 15/08/2016

Novo modelo fora de estrada da Kawasaki desembarca no Brasil
Redação MotoX.com.br: Lucidio Arruda - Piloto: Maurício Arruda - Fotos: Lucidio Arruda / Kawasaki

Aos poucos o mercado brasileiro vai preenchendo todas as suas lacunas em opções fora de estrada. Cada vez fica mais fácil achar a motocicleta na sua medida exata, que combine tanto com o biotipo, como com as pretensões do piloto.


Kawasaki KLX 140G 2017


Freio traseiro a disco
A Kawasaki KLX 140G chega como uma boa opção de entrada para adolescentes e iniciantes no mundo fora de estrada. As mulheres, mesmo as já crescidas, também vão gostar de suas dimensões compactas e facilidade de pilotagem. A pequena Kawasaki também tem estrutura e força para levar um adulto a praticamente qualquer trilha, mas pilotos a partir de 1,70m já não vão se sentir muito à vontade com a ergonomia. Para os pilotos maiores, apesar de não ser a escolha adequada para desbravar as trilhas brasileiras, ela pode se tornar uma competente pit bike. Não estranhem se no sítio o pai "tomar" a moto das crianças e demorar a devolver.

Em termos de tamanho, a 140G fica exatamente entre as Honda CRF 150F e CRF 230F. Tem rodas tamanho grande,  21 polegadas na frente e 18 atrás - 19/16 na 150F - mas um corpo um pouco menor que a 230F.  A receita entre esses modelos é basicamente a mesma que atende o mercado recreativo ao redor do mundo. Simplicidade, facilidade de manutenção e, mais ainda, facilidade de pilotagem. No exterior o modelo conta ainda com duas versões de rodas menores.


Kawasaki KLX140G 2017


Amortecedor traseiro ajustável
A Kawasaki se destaca em alguns pontos: no quadro perimetral em aço, amortecedor traseiro com reservatório de expansão, regulagens na mola e compressão, além do freio traseiro a disco, contra o ultrapassado sistema a tambor das concorrentes diretas.

O motor de 144cm3, 4 tempos, refrigerado a ar, tem comando único, cabeçote de duas válvulas e é alimentado por um carburador de 20mm. A taxa de compressão "tranquila" permite o uso de gasolina comum sem maiores preocupações. O câmbio tem 5 marchas bem escalonadas e relação final pinhão/coroa 13/57 dentes. A partida é elétrica, sem pedal como segunda opção.

Apesar de nosso piloto de testes com tamanho (1,84m, 82kg) um pouquinho acima do público alvo, experimentamos a novidade no circuito de baixo do CT Kalango Cego, em Itupeva (SP).

Pilotando

Graças aos comandos bem desenhados e a espuma do banco na densidade correta, a primeira impressão ao sentar na motocicleta é de qualidade.

Tudo foi bem pensado e feito na medida correta. Mesmo com o piloto full size, nas retas não há nenhuma dificuldade para encaixar os pés para as trocas de marcha ou acionar o freio traseiro.

Pela ausência de radiadores, achamos que o guidão poderia esterçar mais um pouquinho, entretanto as dimensões diminutas não causam nenhum problema em manobras apertadas, aquelas que se faz praticamente parado.

 

O pequeno motor não decepciona. Também não empolga, mas leva de forma competente o piloto grandalhão sem reclamar. Com boa força em baixos giros, enfrentou as subidas com disposição, sem necessidade de malabarismos com o câmbio. Nas descidas o negócio é jogar marchas e se surpreender com a sensação de segurança e estabilidade que a pequena transmite. É aquele tipo de moto obediente, que não contraria as vontades do patrão. Vai na direção que você quer sem nenhuma ação contrária de resistência.


As pequenas dimensões e o centro de gravidade baixinho permitem atacar as entradas de curvas com velocidade e seus limites de aderência não se apresentam nada cedo. Muito maneável!

Com 190mm de curso na frente e 200mm atrás, as suspensões dão boa conta do recado na buraqueira e até mesmo nos saltos mais leves. A nossa impressão é que a traseira permite mais abuso que a dianteira, contudo o comportamento geral é bem equilibrado. As rodas tamanho adulto contribuem bastante para isso, facilitando a transposição de obstáculos e tornando os buracos "menores". Os freios são ótimos, potentes e com modulação adequada.


Pneus Pirelli nacionais são a principal diferença do modelo montado em Manaus em relação às fotos de estúdio.
Foto: Johanes Duarte

A conclusão é de um projeto muito bem executado para a proposta. Conjunto de motor, chassi, suspensões e freios bem equilibrados, fácil de tocar, câmbio suave e preciso, leve, boa nas retas e curvas. Quem escolher a KLX 140G para descobrir o fora de estrada, terá uma excelente companheira, pronta para auxiliar no aprendizado.


O preço sugerido (sem frete ou seguro) é de R$ 12.490, valor competitivo e bem próximo do que os norte-americanos pagam por ela. Na América do Norte os U$ 3.699 ficariam ao redor de R$ 11.830, considerando a taxa de câmbio a R$ 3,20. Com certeza a operação da marca em Manaus (AM) contribuiu para baixar a etiqueta.

* valores em agosto de 2016

Ficha Técnica

MOTOR
Tipo Monocilíndrico, 4 tempos
Cilindrada 144 cc
Diâmetro x curso 58,0 x 54,4 mm
Taxa de compressão 9,5:1
Sistema de válvulas SOHC, 2 válvulas
Sistema de combustível Carburador PB20
Ignição DC-CDI digital
Partida Elétrica
Lubrificação Lubrificação forçada (cárter úmido)
Arrefecimento Refrigeração a ar
QUADRO
Tipo Perimetral em aço de alta elasticidade
Curso da roda: Dianteiro 190 mm
Curso da roda: Traseiro 200 mm
Pneu: Dianteiro 80/100-21 M/C 51M
Pneu: Traseiro 100/100-19 M/C 59M
Caster (rake) 27,0º
Trail 116 mm
Ângulo de esterçamento (Esq/Dir) 41º / 41º
TRANSMISSÃO
Transmissão 5 velocidades
Sistema de acionamento Corrente de transmissão
Relação de redução primária 2,880 (72/25)
Relações de marcha: 1a 2,667 (40/15)
Relações de marcha: 2a 1,895 (36/19)
Relações de marcha: 3a 1,474 (28/19)
Relações de marcha: 4a 1,182 (26/22)
Relações de marcha: 5a 1,000 (24/24)
Relação de redução final 4,385 (57/13)
Embreagem Manual, discos múltiplos em banho de óleo
SUSPENSÃO
Dianteira: Garfo telescópico de ø33 mm
Traseira: Amortecedor em alumínio do tipo Uni- Trak; reservatóriodo tipo piggyback; pré- carga ajustável; compressão ajustável eamortecimento de retorno.
FREIOS
Dianteiro: Tipo Disco simples de ø220 mm formato de margarida
Dianteiro: Pinça Pistões duplos
Traseiro: Tipo Disco simples de ø190 mm formato de margarida
Traseiro: Pinça Pistão simples
DIMENSÕES
Comprimento total 2.005 mm
Largura total 790 mm
Altura total 1.135 mm
Entre eixos 1.330 mm
Altura mínima do solo 315 mm
Altura do assento 860 mm
Peso em ordem de marcha 99 kg
Capacidade do tanque 5,8 litros


 
 






Vídeos MotoX Connect



Acompanhe o MotoX no Facebook

Curso MotoX
Brasil Racing
JPS Racing

© 2000 - 2017 MotoX MX1 Internet