X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

Pro Tech

JPS Racing

MotoX Pneus

JP Motos

Clique e saiba mais

> Competição > Trial

Brasileiro 2006 - 1ª etapa Indoor e Natural - Barão de Cocais - MG
Publicado em: 04/04

1ª etapa do Brasileiro de Trial 
Texto: Divulgação - Fotos: Renato Debarry

Barão de Cocais recebeu os melhores pilotos do trial brasileiro em um final de semana cheio de emoções.


Valter Fernandes
No sábado foi o trial Indoor, na área externa do Ginásio poli esportivo onde todo o público vibrou com o grande espetáculo apresentado. Não faltaram quedas espetaculares e também passagens eletrizantes como o show de Valter Fernandes que zerou oito das 12 seções. Valter que se prepara para representar o Brasil no Latinoamericano da Guatemala e Venezuela é hoje o piloto mais completo do trial Brasileiro.

Seis pilotos disputaram a primeira volta por seis seções normais e uma de duplo traçado. O primeiro foi Henri Figueres, Francês que mora no Paraguai e competiu a convite da CBM. Não teve muito sucesso na sua volta. Teve uma queda no primeiro obstáculo e perdeu a concentração. Terminou com 22 pontos perdidos.

O segundo foi Henrique da Matta que também não foi feliz na sua volta e teve um problema mecânico após uma queda que lhe tirou valiosos pontos por atraso na chegada. Terminou com 30 pontos. Thiago Vermelho que estreou sua nova moto também se mostrou um pouco nervoso e fez uma passagem regular pelas seis seções somando um total de 30 pontos.

Aí foi a vez de Ken Yonezawa. Perdeu as duas primeiras seções, mas se recuperou zerando três das quatro seguintes. O público percebeu que o show realmente começara e vibrou a cada passagem de Ken com sua elegante pilotagem. Somou 11 pontos perdidos. Depois foi a vez de Sérgio Almeida, único piloto a não "cincar" (perder cinco pontos, o máximo por seção) nenhuma seção. Sérgio que é o atual bi campeão brasileiro mostrou que tem muita garra e igualmente arrancou aplausos do público com seu estilo mais valente e terminou a volta com 10 pontos perdidos.


Thiago Vermelho
Por último entrou o atual campeão Brasileiro de indoor Valter Fernandes que deu um verdadeiro show ao zerar quatro das seis seções. Exibindo uma técnica incrível, Valter colocou sua moto onde quis e superou todas as dificuldades. Só esbarrou na segunda seção onde cometeu cinco pontos e terminou com apenas seis pontos perdidos.

Pela classificação parcial, os pilotos foram divididos em duplas para o traçado duplo - seção de velocidade – onde as posições foram definidas e os três melhores pilotos foram selecionados para a segunda e derradeira volta.

Um a um foram superando as seções. Na primeira seção, Sérgio perdeu três pontos contra dois de Ken e um de Valter. Praticamente a prova foi definida aí, já que as quatro seções seguintes foram zeradas por Ken e Valter. Já Sérgio cometeu quatro faltas e praticamente saia da disputa pelo título. Na sexta e última seção Ken perdeu dois pontos e Sérgio um. Faltava Valter e a definição poderia ser selada aí. Esta era a mais difícil seção e também a mais sensacional. Valter fez uma passagem simplesmente sensacional, e mesmo perdendo um ponto, fez com que o público fosse à loucura com uma demonstração de completo domínio de sua moto.

Na disputa do duplo traçado, a vitória já estava praticamente assegurada por Valter que só teve o trabalho de administrar esta seção vencendo assim mesmo suas duas baterias. No final somou apenas 2 pontos perdidos sagrando-se o grande campeão da noite. Ken terminou em segundo com 7 pontos perdidos e Sérgio em terceiro com 10 pontos.

O público vibrou com o grande espetáculo inclusive com uma super demonstração de Monotrial executada por quatro monopilotos de BH. Outra figura marcante no evento foi do entusiasta Marco Martini que se serviu de assistente proporcionando segurança e confiança a todos os pilotos. 


João Pedro Martini
Domingo - Trial Natural


No dia seguinte foi a vez do Trial Natural. No alto da serra do Garimpo, oito seções foram montadas em meio a um terreno super acidentado de rochas super aderentes, o que proporcionou aclives e declives realmente impressionantes. 

O início do evento foi simplesmente emocionante. Uma neblina cobria todo o horizonte e aos poucos ia se dissipando, revelando centenas de km de horizontes em uma das mais belas paisagens já vistas no trial brasileiro. Mas uma cena roubou a atenção desta beleza natural que se despia para o público presente. Foi emocionante ver o jovem João Pedro Martini, de apenas nove anos de idade, em seu uniforme azul anil, com um rosto de anjo e botas negras que lembravam o personagem da fábula “O gato de botas” em sua incrível moto de 50CC. 

João Martini executou três voltas num circuito de 4 seções e se mostrou tão ou mais esperto que o “gato de botas” zerando 6 das 12 seções e não se entregando ao cair na 3ª seção. Com muita agilidade e determinação voltou a sua moto, mais confiante a enfrentar os terríveis obstáculos como se fossem lindos campos com plantações de trigos no caminho do palácio.

Tão esperto quanto o “Gato de Botas”, aceitou o desafio exposto, executar uma volta pelas quatro seções sem parar, e ágil como o gato que corria diante da carruagem, zerou as duas primeiras seções, marcou um ponto na terceira e exausto, caiu no final da última seção. Como um gato que se mete a correr por divertimento atrás de ratos, Martini com certeza correrá atrás de pedras, pelo mesmo motivo, para se tornar um campeão.

Foi aplaudido por todos os presentes e por nenhum momento seguinte, se distanciou de sua moto. Nem de suas botas.

Começou então a competição dos mais velhos. Atletas amadores e profissionais. Todos com o único intuito: vencer os obstáculos! E eles não foram poucos. Ao contrário do padrão, este circuito foi marcado pelo excesso de descidas e baixadas íngremes que decidiram os resultados. O público incrédulo, até prendia a respiração a cada passagem e vibrava, tanto com as quedas como com os sucessos dos pilotos.

Na primeira volta, Valter Fernandes foi o único piloto a marcar abaixo dos vinte pontos. Somou apenas 14. Próximo a ele, estavam Thiago Vermelho com 21 e Ken Yonezawa com 25. Já Sérgio Almeida não estava em um dia feliz e acumulava 30 pontos contra 33 de Henri Figueres que sofria com problemas de adaptação com a moto.

Na classe B, Henrique da Matta e Paulo Martini disputavam seção a seção a liderança da prova. Da Matta marcou 20 pontos contra 24 de Martini. Atrás vinham Juventino Barros com 29 pontos, Rilson Freitas com 32 e Cláudio Hermanny com 36.

Na segunda volta, um ótima desempenho de Vermelho começava a preocupar Valter. Os dois terminaram empatados com 24 pontos. Sérgio manteve seu regular rendimento com 30 pontos e Ken caia de produção marcando 32 pontos perdidos. Henri ainda com problemas de adaptação, marcou 34 pontos, um a mais que a 1ª volta.

Na classe B, mais uma vez Da Matta manteve a diferença de 4 pontos de seu mais forte concorrente, marcando 16 contra 20 de Martini. Rilson abandonou a prova com problemas mecânicos e Hermanny encostou em Juventino marcando 23 pontos contra 29. Agora estava a apenas um ponto de Juventino.

Terceira e derradeira volta, Henri e Ken com problemas mecânicos e físicos, cincaram a maioria das seções e se distanciaram de qualquer possibilidade de alcançar o podium.

Sérgio melhorou sua pontuação com 25 pontos perdidos, mas longe da briga das duas primeiras colocações. Mais uma vez Vermelho e Valter disputaram seção a seção e terminaram novamente empatados com 19 pontos. O mesmo aconteceu com Da MAtta e Martini que terminaram com 18 pontos. Hermanny superou por um ponto seu concorrente. Marcou 20 contra 21 de Juventino.

Com estes resultados, Juventino e Hermanny terminaram empatados e Juventino foi beneficiado por realizar mais zeros. Da Matta superou Martini por oito pontos e foi o campeão.

Na classe A, Valter foi o campeão, mas a grande surpresa foi mesmo Vermelho com uma excepcional performance e apenas dois pontos do líder. Sérgio terminou em 3ª.

O evento foi patrocinado pela prefeitura Municipal de Barão de Cocais e Secretaria Municipal de Cultura.
Supervisão: Confederação Brasileira de Motociclismo e Federação Mineira de Motociclismo.
Realização Shummy Sports e All Produções
Apoio: Honda Maxmoto, SJ Construções, Bc Pneus, Padaria e Confeitaria, Katuta, Hotel Caraça, STAR Produções, Serralheria Alves Santos, Posto Rede Campestre, Colégio Educare, Unimed, Essencial Calçados e SD tintas



Resultados:

Classe Infantil
1. João Pedro Martini

Classe B
1. Henrique da Matta 
2. Paulo Martini
3. Juventino Barros
4. Cláudio Hermanny

Classe A
1. Valter Fernandes
2. Thiago Vermelho
3. Sérgio Almeidado
4. Ken Yonezawa
5. Herni Figueres




Curso MotoX
JPS Racing

© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet