X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Arenafama

Clique e saiba mais

> Competição > Enduro

Mundial de Enduro - 3ª e 4ª etapas - Vale de Cambra - Portugal
Publicado em: 15/04/2014

Líderes mantém domínio e consolidam vantagem
Redação MotoX.com.br - Carolina Arruda - Fotos: Future7Media

Portugal recebe a segunda rodada da temporada em Vale de Cambra


Christophe Nambotin


Pela Renet
As motos e pilotos do Mundial de Enduro não tiveram muitos dias de descanso e, após a abertura na Espanha, visitaram Vale de Cambra em Portugal, onde um terreno duro e cheio de pedras desafiou a resistência de homens e máquinas. Sob condições mais rigorosas, novamente a austríaca KTM dominou os lugares mais altos do pódio na terceira e quarta etapas da temporada, realizada neste final de semana (dias 12 e 13).

Primeiro dia

Repetindo o duelo da abertura, Antoine Meo, da KTM, e Pela Renet, da Husqvarna, brigaram corpo a corpo pela vitória da E2. “Foi um dia difícil, mas uma boa luta pela liderança. As condições estavam complicadas e tive que acelerar para me recuperar do começo ruim. Pela (Renet) estava correndo muito bem, mas felizmente só o superei no final”, contou Meo, que no sábado foi o dono do primeiro lugar.


Antoine Meo


Jonathan Barragan
Renet, após o ataque surpresa a pouco tempo da chegada, ficou restrito a segunda colocação à frente de Alex Salvini, que se recupera de um dedo fraturado e conquistou o primeiro pódio da temporada no primeiro dia em Portugal. Johnny Aubert e Oriol Mena completaram o top 5.

Seria exigência demais pedir para Jonathan Barragan, quarto colocado na abertura do campeonato, repetir o resultado agora, já que o espanhol acabou de migrar do motocross e precisa de tempo para se adaptar ao enduro. Desta vez ele foi somente o oitavo mais rápido, pouco atrás de Jamie Lewis, piloto privado.

Na E3, a surpresa veio somente na metade da prova. Ivan Cervantes começou o dia sonolento e deixou para Mathias Bellino e Matt Phillips a responsabilidade de abrir o caminho. “No começo, tanto Mathias quanto Matt estavam indo bem rápido, mas assim que estabeleci meu ritmo minha velocidade melhorou, encontrei boas linhas e assumi a liderança”, explicou Cervantes, da KTM. Matt Phillips e Mathias Bellino, nesta ordem, completaram o pódio.


Ivan Cervantes


Matti Seistola
Matti Seistola, quarto colocado, foi o azarado do dia e nenhuma outra palavra, além de furioso, definia melhor o piloto. A Sherco de Seistola deu de encontro com Bellino “encalhado” no extreme teste e sem muitas opções de caminho o finlandês precisou se virar para desviar do enrosco. Resultado: seis décimos de segundo tiraram Seistola da quinta colocação que acabou com Aigar Leok.

E Christophe Nambotin confirmou mais uma vez: é o homem a ser superado na E1. Apesar do caminho tortuoso, foi do francês a vitória. “É claro que estou feliz por ter vencido, mas cometi muitos erros. Cai várias vezes nas primeiras voltas e não estava me sentindo confortável. A vitória é ótima mas preciso trabalhar mais alguns pontos”, comentou Nambotin.

Eero Remes foi segundo colocado à frente de Cristobal Guerrero – para completar o pódio, ambos deixaram Anthony Boissiere, quarto, para trás. Jeremy Tarroux foi quinto.

Segundo dia


Alex Salvini


Johnny Aubert
Sábado deixou como lição: seja rápido, mas seja inteligente. Nas trilhas portuguesas, não basta saber o caminho, é preciso saber qual a linha, o traçado certo a escolher, e também um pouco de malícia. Pela Renet ainda não aprendeu e caiu novamente nas garras de Antoine Meo, entregando a vitória da E2 nos momentos finais. “Dei tudo de mim no último teste e funcionou”, contou o francês da KTM com um sorriso no rosto.

Logo atrás de Renet, estava Alex Salvini, da Honda, seguido por Johnny Aubert, quarto colocado. Jonathan Barragan em uma prova de que ainda tem muito a mostrar no mundo do enduro, foi o quinto mais rápido. Aliás, vale falar, todos os pilotos do top 5 da E2 vieram do motocross.

Já a E3 é a categoria com o homem mais feliz até o momento. Quatro largadas, quatro vitórias: Ivan Cervantes segue invicto no campeonato e já tem uma vantagem confortável na briga pelo título, mas, é claro, nada definitivo. “Conquistar minha quarta vitória é incrível. Não esperava por isso antes da temporada começar. As condições estavam bem difíceis então voltar para casa com a vitória é fantástico”, comentou Cervantes.


Matt Phillips


Cristobal Guerrero
Matti Seistola converteu a frustração de sábado em velocidade no domingo. O finlandês se vingou de Mathias Bellino, quinto colocado, e ficou com a vice-liderança do dia. Matt Phillips completou em terceiro, seguido por Luís Correia, piloto da casa que ficou a menos de um segundo do pódio.

Para finalizar, a E1 seguiu sem alterações. E aí se encontram dois pontos chaves. Primeiro: Christophe Nambotin comemora a adaptação à nova categoria e às motos quatro tempos com mais uma vitória. “Estava decepcionado da forma como corri ontem e queria melhorar. É apenas minha quarta corrida na E1, mas coisas boas já estão vindo. Foi legal vencer com uma boa vantagem hoje”, afirmou o piloto da KTM. Segundo: os rivais de Nambotin têm que lidar não só com mais uma vitória do francês, mas também com uma desvantagem de mais de 80 segundos – o que para eles deve soar como “não é o francês que está rápido, nós é que estamos lentos”.


Jeremy Tarroux

Eero Remes, Cristobal Guerrero, Anthony Boissiere e Jeremy Tarroux, nesta ordem, completaram os cinco mais rápidos da classe. Agora todos têm pouco menos de um mês para treinarem e diminuírem a vantagem de Nambotin na briga até a próxima etapa na Grécia, nos dias 10 e 11 de maio.

Brasileiros

Depois de disputar a abertura do campeonato na Espanaha, Rômulo Bottrel e sua Beta seguiram representando a bandeira brasileira nas etapas portuguesas da temporada. O mineiro foi o 16º melhor durante o sábado e  o 13º no domingo. O brasileiro agora se despede da Europa: “Foi extremamente difícil, mas as experiências e o aprendizado fizeram valer a pena”, comentou o mineiro em uma rede social. Na Júnior, Vitor Borges Garcia não completou nenhum dos dois dias de prova.

Vídeos:




Classificação geral no campeonato após quatro etapas (resultados do fim de semana entre parenteses):

E1
1. Christophe Nambotin (FRA), KTM, 80 pontos (1-1)
2. Eero Remes (FIN), TM, 66 (2-2)
3. Cristobal Guerrero (ESP), KTM, 60 (3-3)
4. Anthony Boissiere (FRA), Sherco, 53 (4-4)
5. Jeremy Tarroux (FRA), Sherco, 48 (5-5)

E2
1. Antoine Meo (FRA), KTM, 77 pontos (1-1)
2. Pierre-Alexandre Renet (FRA), Husqvarna, 69 (2-2)
3. Johnny Aubert (FRA), Beta, 58 (4-4)
4. Alex Salvini (ITA), Honda, 51 (3-3)
5. Lorenzo Santolino (ESP), Sherco, 42 (6-7)

E3

1. Ivan Cervantes (ESP), KTM, 80 pontos (1-1)
2. Matthew Phillips (AUS), KTM, 64 (2-3)
3. Matti Seistola (FIN), Sherco, 57 (4-2)
4. Luis Correa (POR), Beta, 51 (9-4)
5. Mathias Bellino (FRA), Husqvarna, 46 (3-5)

Júnior
1. Daniel Mccanney (GBR), Beta, 80 pontos (1-1)
2. Giacomo Redondi (ITA), Beta, 66 (2-2)
3. Loïc Larrieu, (FRA), Husqvarna, 60 (4-3)
4. Jamie Mccanney, (GBR), Husqvarna, 46, (3-4)
5. Nicolo Mori, (ITA), KTM, 46 (5-5)








© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet