X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Competição > Enduro

4ª etapa - Mundial de Enduro - Fethiye - Turquia
Publicado em: 14/06/2011
Clique e saiba mais

Finlandeses e franceses confirmaram superioridade na difícil prova turca
Redação MotoX.com.br - Texto: Renato Fernandes - Fotos: Jonty Edmunds e Enduro-abc.com


Fethiye, na Turquia, recebeu o Mundial de Enduro com um prova bastante desgastante


Assista na MotoX TV dois vídeos com os melhores momentos do evento
O retorno do Mundial de Enduro à Turquia, não foi simplesmente mais um GP na temporada. O calor, que vem perseguindo o campeonato, esteve ainda mais forte na cidade litorânea de Fethiye, castigando as energias dos 70 pilotos inscritos nesta quarta rodada da temporada.

Certamente muitos participantes se arrependeram por ter trocado as praias de água cristalina do Mar Egeu para enfrentar sete horas de pilotagem totalizando 180km por dia, e para desbravar 13 Especiais muito técnicas e deslocamentos com tempos bastante apertados. Atípica no calendário do Mundial, a prova turca aconteceu durante a sexta-feira e sábado, 10 e 11 de junho, e coincidiu com as eleições do país, que tumultuaram um pouco o primeiro dia de provas, mas mesmo assim não chegaram a atrapalhar o desenrolar do evento.


Antoine Meo

E2



Cristobal Guerrero
As condições da prova favoreceram os espanhóis na E2, que conquistaram as duas primeiras colocações no primeiro dia. O destaque foi para Cristobal Guerrero, que levou sua KTM a uma convincente vitória, depois de brigar pela posição durante todo o dia com Ivan Cervantes. Este por sua vez, se mostrou ainda mais adaptado a sua Gas Gas 2 Tempos, apresentando uma pilotagem tranquila e sem erros.

“Esta foi minha terceira vitória no Mundial e a primeira pela KTM. A cada prova me sinto mais confortável com a moto e o entrosamento com os mecânicos tem sido bom. Além disso, me senti muito bem neste difícil circuito e gosto de andar no calor”, comentou Guerrero.

O líder na pontuação da categoria, Antoine Meo, terminou o dia na terceira colocação, sem conseguir acompanhar o ritmo da dupla espanhola. Na sequência veio Johnny Aubert, que com uma contusão no pé, enfrentou mais dificuldades que seu compatriota Meo para finalizar a prova, mas mostrou coragem para enfrentar a dor e finalizar a prova.

Com o resultado, Cervantes que vem em segundo na pontuação, ganhou pontos importantes na disputa pela ponta da tabelo com Meo.


Ivan Cervantes - Foto: Gas Gas


Pierre Alexandre Renet
No dia seguinte, a maré de azar de Aubert não lhe deu folga, quando sua moto 'apagou' apenas alguns quilômetros após a largada. “Minha moto morreu de repente logo antes do primeiro Cross Test. O carburador se soltou sozinho e que levou para encontrar o problema, me deixou três minutos atrás dos líderes”, lamentou o piloto da KTM, que ainda tentou se recuperar, mas conseguiu apenas a oitava posição neste segundo dia da E2.

Seus compatriotas Antoine Meo e Pierre Alexandre Renet trataram de 'vingar' os franceses do domínio espanhol no sábado. Meo garantiu uma preciosa vitória, muito pressionado por Renet, que recebeu a bandeirada apenas quatro segundos atrás, se redimindo do dia anterior, em que sofreu várias quedas. Guerrero e Cervantes, mesmo terminando em terceiro e quarto, respectivamente, também tiveram boas atuações que não desmereceram suas colocações finais. Quem estava sorrindo à toa, era o time TM Racing, com a quinta colocação de Aigar Leok, um excelente resultado já que esta foi apenas sua quarta prova no Mundial de Enduro.


Juha Salminen - Foto: Husqvarna

E1


Rodrig Thain
Assim como os espanhóis, os finlandeses brilharam no primeiro dia da Enduro 1, com uma impecável dobradinha dos representantes da Husqvarna, Juha Salminen e Matti Seistola. Com mais esta conquista, sua quarta na temporada, Salminen se consolida ainda mais na liderança do campeonato, mas terá que tomar cuidado com seu companheiro de equipe Seistola, que vem progredindo a cada prova e finalizou a última especial do dia apenas dois segundos atrás.

“Foi um dia muito exigente, mas cheio de ritmo com esta série de Especiais. Isto deixou a prova muito mais emocionante e obviamente vencer me dá muita satisfação, mas a temporada ainda é longa....”, declarou Salminen.

Quem também apresentou uma boa 'performance' foi o piloto Honda, Rodrig Thain, que manteve a liderança por um bom tempo e finalizou o dia em terceiro, apenas nove segundos atrás do líder. Bem mais atrás veio Eero Remes, que com esta quarta posição, deixou Salminen se distanciar ainda mais no campeonato. Para maior frustração do time KTM, seu companheiro Thomas Oldrati, abandonou a prova ainda na primeira volta.


Matti Seistola - Foto: Husqvarna


Eero Remes
Seistola continuou a impressionar seus fãs no dia seguinte, conquistando nada menos que uma apertada vitória de dois segundos de vantagem sobre Salminen. O ex-piloto de motocross comemorou muito sua segunda vitória na temporada, ainda mais sobre seu 'Mestre'. Desde sua conquista na Itália, Seistola vem impressionando com sua velocidade e capacidade de concentração, que certamente lhe farão recuperar o terreno perdido na etapa de Portugal, quando enfrentou problemas mecânicos.

“Gostei muito do formato desta prova, com as Especiais interligadas. É claro que esta segunda vitória me deixa muito feliz, acredito que os treinos intensivos durante o inverno com o Salminen e o Mika Ahola tem muita a ver com este meu progresso”, comemorou Seistola.

Rodrig Thain repetiu uma merecida terceira colocação, enquanto Eero Remes ficou com um decepcionante quarto posto, bem atrás do francês. Lorenzo Santolino fechou os cinco primeiros do dia, enquanto seu companheiro de KTM, Thomas Oldrati, acompanhou a prova com espectador, sem chegar a largar.


Mika Ahola

E3



Marko Tarkkala
Nenhuma surpresa na Enduro 3, com mais uma vitória esmagadora de Mika Ahola, colocando quase 30 segundos sobre o sueco Joakim Ljunggren, que garantiu um promissor segundo lugar para a Husaberg. O finlandês 'voador' foi tão superior neste primeiro dia de prova, que nem mesmo Christophe Nambotin foi páreo para ele. Pressionado pela superioridade de Ahola, o piloto francês da Gas Gas acabou sofrendo várias quedas durante as primeiras especiais, que lhe tiraram qualquer chance de vitória. Mesmo assim, Nambotin ainda saiu no lucro, finalizando em terceiro, à frente de outro piloto Husaberg, Marko Tarkkala.

O pior ainda estava por vir no dia seguinte para Nambotin, que se viu obrigado a abandonar a prova na terceira volta quando liderava a categoria. “Estava liderando por cinco segundos quando meu motor me deixou na mão. Com isto, vai ficar ainda mais difícil alcançar o Mika Ahola no campeonato”, falou o decepcionado piloto da Gas Gas. O francês vinha mostrando ser um dos poucos a estar no mesmo nível técnico de Ahola, antes de ser pego de surpresa pela falha mecânica.


Joakim Ljunggren


Christophe Nambotin
Foto: Gas Gas
Para o finlandês, o abandono do adversário caiu como um presente e coloca Ahola numa situação ainda mais confortável na classificação da E3. “O abandono do Nambotin foi uma pena. Agora tenho uma vantagem de 40 pontos no campeonato na metade da temporada. Preciso agora lutar para me manter focado”, admitiu Ahola ao final da prova.

Outro grande finlandês na prova foi Marko Tarkkala, com uma excelente segunda colocação, à frente de seu companheiro de equipe, o sueco Joakim Ljunggren, completando o pódio 100% escandinavo. Destaque também para os bons resultados na categoria de Alex Salvini em quarto e Fabio Mossini em quinto com sua Beta, enquanto o principal nome da Husqvarna na classe das grandes cilindradas, Sébastien Guillaume, esteve totalmente fora de sintonia durante todo o fim de semana, conseguindo apenas a quinta e sétima posições.

Além de Guillaume, Eero Remes, Antoine Meo, Johnny Aubert e Christophe Nambotin, foram as decepções da etapa. Para a próxima fase, na Grécia, é esperada uma grande reação destes, que estão entre os principais nomes do Enduro mundial, e devem apimentar ainda mais esta segunda metade da temporada, em que qualquer ponto perdido pode ser fatal para quem tem a pretensão de continuar na briga pelo título.


Alex Salvini - Foto: Husqvarna

Resultados:

E1 - Sexta-feira
1. Juha Salminen, Finlândia, Husqvarna
2. Matti Seistola, Finlândia, Husqvarna
3. Rodrig Thain, França, Honda
4. Eero Remes, Finlândia, KTM
5. Lorenzo Santolino, Espanha, KTM

E1 - Sábado
1. Matti Seistola, Finlândia, Husqvarna
2. Juha Salminen, Finlândia, Husqvarna
3. Rodrig Thain, França, Honda
4. Eero Remes, Finlândia, KTM
5. Lorenzo Santolino, Espanha, KTM

E1 - Classificação do Campeonato
1. Juha Salminen, Finlândia, 189
2. Eero Remes, Finlândia, 160
3. Matti Seistola, Finlândia, 156
4. Rodrig Thain, França, 129
5. Lorenzo Santolino, Espanha, 115

E2 - Sexta-feira
1. Cristobal Guerrero, Espanha, KTM
2. Ivan Cervantes, Espanha, Gas Gas
3. Antoine Meo, França, Husqvarna
4. Johnny Aubert, França, KTM
5. Pierre Alexandre Renet, França, Husaberg

E2 - Sábado
1. Antoine Meo, França, Husqvarna
2. Pierre Alexandre Renet, França, Husaberg
3. Cristobal Guerrero, Espanha, KTM
4. Ivan Cervantes, Espanha, Gas Gas
5. Aigar Leok, Estônia, TM

E2 - Classificação do Campeonato
1. Antoine Meo, França, 182
2. Ivan Cervantes, Espanha, 158
3. Pierre Alexandre Renet, França, 152
4. Cristobal Guerrero, Espanha, 139
5. Johnny Aubert, França, 124

E3 - Sexta-feira
1. Mika Ahola, Finlândia, Honda
2. Joakim Ljunggren, Suécia, Husaberg
3. Christophe Nambotin, França, Gas Gas
4. Marko Tarkkala, Finlândia, Husaberg
5. Sébastien Guillaume, França, Husqvarna

E3 - Sábado
1. Mika Ahola, Finlândia, Honda
2. Marko Tarkkala, Finlândia, Husaberg
3. Joakim Ljunggren, Suécia, Husaberg
4. Alex Salvini, Itália, Husqvarna
5. Fabio Mossini, Itália, Beta

E3 - Classificação do Campeonato
1. Mika Ahola, Finlândia, 194
2. Christophe Nambotin, França, 151
3. Joakim Ljunggren, Suécia, 147
4. Marko Tarkkala, Finlândia, 136
5. Oriol Mena, Espanha, 121






© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet