X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Arenafama

Clique e saiba mais

> Competição > Brasileiro de Motocross

7ª etapa - Detalhes do evento - Guará - DF
Publicado em: 19/11/2010

Scott Simon é o novo campeão brasileiro nas classes MX1 e MX2
Redação MotoX.com.br - Texto e fotos: Maurício Arruda 


Início de prova na MX1

A penúltima etapa do Pro Tork Motocross, Campeonato Brasileiro da modalidade, definiu os títulos mais importantes da competição nacional. O norteamericano Scott Simon confirmou as expectativas e durante a prova do último final de semana, dias 13 e 14 de novembro, tornou-se campeão brasileiro das classes MX1 e MX2.

A pista de Guará, DF, estreou no ano passado, quando recebeu uma etapa do Latino Americano de Motocross MX2. Agora o local sediou pela primeira vez o Campeonato Brasileiro, em um final de semana com a condição climática bastante instável. Na hora das provas, São Pedro colaborou e a chuva, que chegou a cancelar o warm-up da manhã, cessou. Com tempo e céu "aberto" na hora das corridas, o circuito apresentou boas condições. Apenas os veteranos da MX3, primeiros a competir, encontraram pela frente bastante barro. 


Scott Simon - Campeão Brasileiro de Motocross MX1 e MX2


Dudu Lima
Para as demais categorias a chuva da manhã foi um "tempero especial", que deixou a pista com mais canaletas, contribuindo para elevar a dificuldade do traçado praticamente todo plano, com pouca variedade de obstáculos, mas muitas mesas e com uma rápida seção de costelas de encaixe. Com o imprevisto metereológico as provas foram antecipadas e os tempos de bateria um pouco reduzidos. A ausência de pilotos importantes como Jorge Balbi (que competia no exterior na mesma data), Pipo Castro e Thales Vilardi (ambos em virtude de lesões), entre outros, foi outro fato relevante da etapa.

Scott Simon chegou ao Distrito Federal com ampla vantagem na pontuação e usou isto em sua primeira disputa do dia, na classe MX2. Ao piloto da Pro Tork bastava completar a bateria que seu primeiro título estava garantido, por isso ele adotou uma postura discreta na bateria das motos 250cc. Quem surgiu na liderança foi o venezuelano Humberto Martin, que já havia marcado o melhor tempo da categoria nos treinos e mostrou que o período em seu país, afastado das provas brasileiras, lhe deu nova motivação.

Martin manteve a frente em boa parte da prova, sempre perseguido por Marcello Ratinho Lima. Da metade para diante da corrida, o brasileiro aumentou a pressão. Quando a ultrapassagem aconteceu Martin já precisava se preocupar com o irmão de Ratinho, Dudu Lima, que aproximava-se da briga. 


Humberto Martin


Duda Parise
Mais atrás, Scott Simon não se preocupava com os adversários, acabou cedendo a quarta posição para Marçal Muller, piloto que fez grande recuperação após uma escorregada na volta inicial que o deixou no final do pelotão.

Nas últimas voltas Ratinho mantinha a liderança com Dudu na segunda posição, mas com Martin bastante próximo. Na volta final, com o irmão como escudeiro, Ratinho teve mais tranquilidade para completar a vitória, primeira nesta temporada da competição nacional. "Estou muito feliz com o resultado, procurei pressionar o Humberto e deu certo", comemorou o piloto da equipe Vaz/Kawasaki, em uma inédita dobradinha com seu irmão.

"Para mim, o warm-up (treino de aquecimento) é fundamental. Me faz falta", explicou Humberto Martin, terceiro colocado. Marçal Muller completou a boa recuperação em quarto, deixando o campeão Scott Simon com a quinta colocação da prova. "Trabalhei bastante para ser campeão. Não conquistava um título desde Loretta Lynn’s (o famoso campeonato amador norte-americano, onde Scott foi campeão em 2005 da classe principal das motos 250cc). Desde então conquistei vitórias, mas também tive muitas lesões que complicaram minhas temporadas", comentou o novo campeão brasileiro. 


O choque entre Scott Simon e Marcello Ratinho na MX1

Na volta para a pista, com o terreno mais seco na prova da MX1, Scott decidiu arriscar mais e lutar pela vitória. Na largada, o veterano Milton Chumbinho Becker partiu na frente, mas em seguida sofreu uma queda perdendo posições, e o primeiro lugar passou para Marcello Ratinho. O norteamericano assumiu a segunda posição e não demorou muito para dar início a um duelo com o paulista.

Foram quatro voltas juntos para, na quinta, o piloto da Pro Tork Racing Team buscar a ultrapassagem na curva da largada. Foi o momento que decidiu a disputa, um choque entre os dois provocou a queda de Ratinho que perdeu posição também para seu irmão, Dudu Lima. Com vantagem na liderança e precisando apenas do oitavo lugar para conquista do título antecipado, Scott pôde administrar com tranquilidade sua posição.

Já Ratinho voltou para a corrida forçando bastante o ritmo, tentando e conseguindo diminuir a vantagem. Em poucas voltas ele ultrapassou Dudu e, no segundo lugar, marcou as voltas mais rápidas da bateria reduzindo a diferença para o líder. Não foi o suficiente para ameaçar o posto de Scott, que cruzou a bandeirada com pouco mais de três segundos de vantagem comemorando com vitória mais um título da competição. 


Marcello Ratinho

Novo campeão brasileiro das duas categorias profissionais, Scott ainda não sabe seu destino na próxima temporada, já que seu contrato termina no final do ano: "trabalhei bastante e estou feliz com os títulos. Quero continuar no Brasil, mas ainda não sei", despistou sobre o futuro. Ratinho chegou na segunda colocação seguido mais uma vez pelo irmão Dudu.

A quarta colocação marcou uma intensa disputa entre Duda Parise e Humberto Martin. O venezuelano levou vantagem com sua 250cc na maior parte da prova, mas no final acabou ultrapassado pelo gaúcho. Pouco depois de ser ultrapassado, Martin cometeu um erro e perdeu contato, mas ainda garantiu um lugar no pódio com a quinta posição. O sexto colocado foi Gabriel Montenegro, já com uma volta de desvantagem em relação ao vencedor. 


Milton Chumbinho Becker


Nielsen Bueno
Quando a MX3 - primeira bateria do evento - largou o circuito estava bastante escorregadio e "pedia" cautela. Mas não foi isso que Davis Guimarães e Nico Rocha mostraram quando caiu o gate. O público acompanhou duas voltas de disputa intensa entre os dois principais candidatos ao título, como se restassem poucas curvas para a decisão.

Quem se deu bem com o excesso de ímpeto dos dois foi Milton Chumbinho Becker que assistia a disputa da terceira colocação. Nico Rocha chegou a ultrapassar o líder, mas pouco depois os dois acabaram no chão, quando Davis tentava dar o troco. Chumbinho assumiu a liderança e depois disto comandou a prova com tranquilidade.

O incidente complicou mais a prova de Nico, que demorou para conseguir retornar completando a bateria apenas na décima posição. Já Davis voltou à corrida ainda na segunda colocação, mas, depois, acabou ultrapassado por Nielsen Bueno. Ao confirmar o terceiro lugar, o paranaense chegou a comemorar a conquista do título, só que era cedo para isso: Nico terminou a prova, mesmo com grande desvantagem, e fez o suficiente para adiar a disputa até a final, em Siqueira Campos, PR. 


Veja também: Galeria de Imagens da Prova com 560 Fotos!

Esta foi a terceira vitória do surpeendente Chumbinho no campeonato. Mesmo com os problemas enfrentados durante o ano, ele é até aqui o maior vencedor da categoria. Com a segunda posição na prova Nielsen Bueno segue para a final com o terceiro lugar na classificação, ainda com remotas chances de título. Estreando sua KTM 350cc na competição, Léo Lopes conquistou o quarto lugar do pódio, seguido por Dário Oliveira Júnior, pela primeira vez entre os cinco mais rápidos. 


Carlos Eduardo Franco - Campeão Brasileiro 230cc


Wolney Lima
A classe 230cc foi a terceira a definir campeão no evento do Distrito Federal. Carlos Eduardo Franco, que conquistou na etapa seu segundo título na categoria, largou na frente, mas foi surpreendido no começo de prova pelo local Wolney Lima. Empurrado pela torcida Wolney apertou Carlos Eduardo conseguindo a ultrapassagem.

O sulmatogrossense reagiu pouco depois, retomou a ponta e passou a abrir vantagem até a bandeirada. Seu domínio da temporada foi absoluto com seis vitórias em sete etapas. Wolney comemorou com o público a segunda colocação, enquanto Ismael Rojas fechou a corrida com o terceiro lugar, sofrendo com o ombro duas vezes deslocado durante o final de semana. Leandro Lima terminou na quarta colocação após intensa disputa com Victor Silva e Lucas Piretti. 


João Pedro Ribeiro Pinho


Hallex Dalfovo
A ausência de Anderson Amaral, campeão antecipado na 85cc, motivou outros pilotos na briga pela vitória da categoria nesta penúltima etapa. Hallex Dalfovo começou liderando seguido por Matheus Souza e Cristian Scherer. Mas foi João Pedro Ribeiro Pinho quem se sobressaiu. Vindo da quarta posição ele começou uma série de ultrapassagens para chegar à liderança.

No quinto giro, João Pedro superou Dalfovo assumindo a liderança. Nas voltas finais alguns segundos de vantagem permitiram que João Pedro administrasse a liderança até a confirmação de sua primeira vitória na competição. Dalfovo completou na segunda posição com Lucas Bottcher próximo, garantindo o terceiro lugar. Completaram o pódio Cristian Scherer e Matheus Souza. 



José Brayan Soares


Daniel Reichhardt
Na 65cc, o destaque desde a largada foi José Brayan Soares. O catarinense fez uma apresentação impecável liderando de ponta a ponta. Matheus Souza, pódio na 85cc, destacou-se também nesta bateria onde ocupou a segunda posição nas voltas iniciais, mas acabou ultrapassado por Enzo Lopes no meio da corrida.

A vice-liderança de Enzo não durou muito. Escolhendo as linhas externas do circuito, Daniel Reichhardt conseguiu escapar da lama com eficiência e superou o gaúcho garantindo o segundo lugar da corrida. Enzo finalizou na terceira posição e Matheus Souza na quarta. O quinto lugar foi do líder do campeonato, Kioman Munoz, que vem se recuperando de uma fratura na mão. Com o resultado da etapa Kioman chegará à final com boa vantagem na classificação geral, 18 pontos sobre o vice-líder Enzo Lopes.

A Pro Tork recebe em "casa", no seu Centro de Treinamento em Siqueira Campos (PR), a 8ª e última etapa do campeonato, nos dias 27 e 28 de novembro, prometendo uma Super Final. O evento contará com diversas atrações radicais e entrada franca. O Pro Tork Motocross, Campeonato Brasileiro 2010, tem o patrocínio Pro Tork e Rinaldi, com realização e supervisão da Confederação Brasileira de Motociclismo. 


Centro de Treinamento Pro Tork sedia a final do campeonato nos dias 27 e 28 de novembro, em Siqueira Campos, PR

Clique e veja os resultados completos



Curso MotoX
JPS Racing

© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet