X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Competição > Brasileiro de Motocross

7ª etapa - Resultados de Domingo - Cachoeiro de Itapemirim - ES
Publicado em: 22/08/2009

Marronzinho vence etapa na MX1. Wellington Garcia é campeão na MX2 e Marcos Moraes na CRF 230
MotoX.com.br - Texto e fotos: Maurício Arruda 


Largada MX1


Assista 6 vídeos da etapa no MotoX TV
O final de semana em Cachoeiro de Itapemirim (ES) começou com novos campeões nacionais na MX3, 65cc e 50cc, provas disputadas no sábado, primeiro dia da 7ª etapa do Brasileiro de Motocross. No domingo, 16, um grande público chegou ao Motódromo Wilson Yasuda já nos treinos aguardando pelas disputas nas classes 85cc, CRF 230, MX2 e, principalmente, na MX1. 

Veja também: Galeria de Imagens da Prova com 707 Fotos!

Discussões e polêmicas a parte os principais protagonistas da temporada, Wellington Garcia e João Marronzinho, mostravam-se bastante motivados e dispostos, aumentando a expectativa pela disputa na classe principal da competição. A batalha jurídica dos pneus tomou uma proporção onde ambos são vítimas (ninguém deseja ser campeão por uma decisão extra-pista), pois independentemente do resultado no tribunal, o verdadeiro campeão, reconhecido pelo público e pelos fãs do esporte, certamente será aquele que somar os melhores resultados ao final da temporada.

Portanto a penúltima prova do campeonato tinha elementos para torná-la intensa...E assim foi. Wellington e Marronzinho deram show, mas antes deles na MX1, assistimos os pegas de outras três categorias que também reservaram grandes emoções ao público capixaba. Veja como foram as provas.

MX2 - Thales vence pela primeira vez. Wellington garante título antecipado 


Thales Vilardi


Rafael Faria
A ausência do vice-líder Jean Ramos (machucado) criou o cenário perfeito para Wellington Garcia nesta corrida. Sem o principal concorrente na briga pelo título o goiano pode colocar em prática a tática desejada - e anunciada antecipadamente - de fazer uma prova comedida na categoria, concentrando suas forças para a batalha da MX1. Isto abriu as portas para que novos nomes brilhassem na corrida, mas antes um veterano destaque do cenário nacional comandou o início de prova: Roosevelt Assunção partiu na frente e por ali ficou até praticamente a metade da prova. Depois o paulista perdeu rendimento desabando até a quinta colocação. Quem abandonou ainda nas primeiras voltas foi Swian Zanoni, vítima de um pneu furado.

Pipo Castro, que até então vinha em segundo, teve rápida passagem pela liderança sendo ultrapassado em seguida por Rafael Faria. Wellington Garcia oscilava entre terceira e quinta colocações, sem forçar o ritmo, preservando-se para a corrida do final da tarde. Crescendo bastante, principalmente após a metade da bateria, Thales Vilardi foi a surpresa da etapa. Da sexta posição na primeira volta o piloto da Honda foi para o primeiro pelotão descontando a vantagem do líder.


Wellington Garcia
A evolução de Thales na prova foi rápida e, na reta final, a briga pela vitória estava restrita a ele e Faria. O piloto da Honda fez a ultrapassagem e viu o adversário tentar reagir sem sucesso. Daí em diante a perseguição continuou, mas com uma pequena vantagem para Thales que assim conquistou a primeira vitória na categoria. Após a bandeirada o piloto de 18 anos comemorou bastante com a família, que sempre lhe acompanha nas competições.

Faria completou em segundo enquanto Pipo Castro chegou isolado em terceiro. Com a quarta posição Wellington Garcia garantiu o título de forma antecipada e comemorou sem muito alvoroço, pensando na disputa que ainda teria pela frente, na MX1. O resultado da etapa também definiu o vice-campeão, Pipo Castro, que já garantiu a conquista pois Jean Ramos não poderá competir na etapa final.

P. N. MX2 M. Volta Equipe
1 17 Thales Vilardi Felix Da Silva 1:42.610 -
2 37 Rafael Da Silva Faria 1:43.134 +5.459
3 13 Cristopher Castro 1:44.192 +22.696
4 21 Wellington Garcia Matos 1:45.020 +55.721
5 4 Roosevelt De Freitas Assuncao Junior 1:45.104 +57.379
6 338 Eduardo Ferreira Lima 1:43.872 +57.624
7 32 Rodrigo De Castro Rodrigues 1:47.129 +1:27.648
8 332 Rodrigo De Andrade Santos 1:47.598 +1:40.888
9 30 Hector Freitas Assunçao 1:48.010 +1:41.345
10 48 Joao Paulo Feltz 1:48.786 1 Lap
11 51 Higor Passos 1:49.311 +1.281
12 53 Gabriel Ferreira Montenegro 1:49.836 +4.649
13 125 Marco Antonio Baptista De Oliveira Junior 1:50.251 +15.846
14 213 Daniel Da Silva Pessanha 1:52.691 +56.927
15 40 Heinz Wynther Dollinger Chrispim 1:53.848 +1:20.389
16 41 Gustavo Vieira Bonaventura Takahashi 1:46.538 2 Laps
17 938 Victor Feltz 1:53.565 +2:02.224
18 289 Maicon Morgado Tardim 1:54.829 +2:16.351
19 215 Andre Felipe Souza De Almeida 1:56.179 +2:24.956
20 710 Marcelo Galiotto 1:54.604 +2:49.414

CRF 230 - Marcos Moraes garante título com vitória 


Marcos Moraes


Richard Nunes
Marcos Moraes chegou com ampla vantagem na classificação para esta penúltima etapa e na corrida o favoritismo foi confirmado: vitória tranquila e título antecipado para o piloto de São Carlos, SP. Quem também voltou a brilhar nesta prova foi Anderson Alberton, que largou na frente e manteve a segunda colocação por mais da metade da corrida. O piloto, que não tem o antebraço direito e corre com uma moto adaptada, acabou enfrentando problemas com o escapamento, perdeu rendimento, a segunda colocação para Richard Nunes e acabou penalizado pela direção de prova em 10 segundos. Com isto perdeu mais um posto ficando com a quarta colocação do pódio.

Murilo Tomazelli largou e chegou na quarta colocação, mas acabou beneficiado pela punição a Alberton pulando ao terceiro lugar. Seguirá para etapa final na briga pelo vice-campeonato com Nivaldo Viana que não terminou a prova capixaba. O pódio foi completado por Evilásio Mantovanelli que fechou a primeira volta apenas na 15ª colocação, mas conseguiu uma recuperação excelente terminando em quinto.

P. N. CRF 230 M. Volta Equipe
1 113 Marcos Roberto Roza De Moraes 1:58.317 -
2 97 Richard Bruno Rezende Nunes 1:59.285 +11.284
3 917 Murilo Tomazelli Scisci 2:00.903 +22.222
4 147 Anderson Alberton 2:00.039 +27.799
5 29 Evilasio Mantovanelli Junior 1:59.711 +31.648
6 25 Fábio Garbelotto 2:02.156 +33.732
7 202 Gilberto Gil Da Cruz 2:03.246 +42.874
8 38 Aderlan Cailan Oliveira Alvaro 2:03.402 +52.870
9 316 Flavio Toffano De Jesus 2:03.600 +54.819
10 200 Matheus Brison 2:04.473 +59.022
11 105 Cláudio Vinício Jovanhole De Oliveira 2:04.916 +1:01.990
12 189 Jonathan Furlan Mozer 2:01.578 +1:20.527
13 153 Allan Muruci Moura 2:05.670 +1:22.753
14 47 Arnaldo Fernandes Junior 2:03.490 +1:25.611
15 124 Ciro Jose Da Silva 2:07.676 +1:42.272
16 323 Juliano Dutra Belmock 2:09.089 +2:17.024
17 137 Gian Carlo Motta Mendonça 2:07.908 1 Lap
18 81 Paulo Roberto Porto Junior 2:16.377 +20.012
19 4 Nivaldo Jose Viana 1:59.950 8 Laps
20 401 Julio Cesar Ferreira Elizário 2:47.767 9 Laps

85cc - Bandeira vermelha antecipa encerramento da prova 


Largada 85cc


Everaldo Lima e Endrews Armstrong
Foram apenas seis voltas, mas sobrou confusão na categoria 85cc. Endrews Armstrong liderava a corrida seguido de perto por Everaldo Lima quando a prova foi interrompida pela direção de prova. Não restou outra alternativa, a equipe médica precisou fazer três atendimentos simultâneos e por segurança houve a necessidade da paralização. Apesar do encerramento prematuro a prova valeu, mas o vencedor não foi Armstrong, que foi penalizado por saltar um obstáculo sob bandeira amarela, e sim Everaldo, a sua quarta conquista na temporada. A segunda colocação ficou com Anderson Amaral, e Endrews,
com 10 segundos descontados, ficou em terceiro. Leonardo Lizott e Kaio Miranda completaram os cinco primeiros da corrida.

Entre os acidentados Raul Faustino, que fraturou a clavícula, não participará das próximas competições. O atendimento aos pilotos ainda teve um sério problema: a ambulância não conseguiu deixar a pista pela rampa lateral de acesso, pois uma valeta dificultou a passagem. Desta forma dois deles - que já estavam no veículo - precisaram novamente serem removidos da van. Felizmente não eram situações graves, onde cada minuto faz diferença, mas o incidente valeu como alerta.

P. N. 85cc M. Volta Equipe
1 5 Everaldo Rodrigues Lima Filho 1:51.710 -
2 8 Anderson Pereira Do Amaral 1:54.406 +9.082
3 4 Endrews Armstrong Nhemes 1:52.206 +9.565
4 6 Leonardo Lizott 1:53.399 +9.655
5 104 Kaio Cesar De Miranda 1:55.130 +16.308
6 308 Matheus Ribeiro Corguinha 1:57.971 +26.256
7 13 Tauan Henrique Brenner 1:56.570 +27.436
8 146 Fillipe Souza Gonçalves 1:58.725 +41.565
9 200 Hallex Dalfovo 1:58.823 +45.225
10 536 Gustavo Pessoa De Souza 2:00.171 +49.262
11 155 Hugo Evantuil De Souza Cunha 2:03.160 +1:04.096
12 800 Joao Alves De Araujo Filho 2:03.497 +1:04.478
13 350 Pedro Henrique Rosa Bueno 2:03.044 +1:05.492
14 122 Filipe Sorrentino Ribeiro 2:02.541 +1:05.683
15 69 Vinicius Felipe Leal De Oliveira 2:06.050 +1:21.908
16 36 Henrique Cecconello Guaresi 2:07.017 +1:27.185
17 42 Diego De Oliveira Brandão 2:06.950 +1:27.936
18 131 João Pedro Emery Gontijo Simões 2:11.218 1 Lap
19 65 Rafael Aragão Da Silva Feitosa 2:11.836 +1.522
20 189 Gilnei Gonçalves Quadros Junior 2:04.976 +1:08.592

MX1 - Marronzinho e Wellington repetem duelo na penúltima etapa


João Marronzinho


Wellington Garcia
Quando o gate caiu na MX1 era visível que Wellington Garcia e João Marronzinho não pensavam em outra coisa senão a vitória. Ambos queriam provar que podem vencer o campeonato por seus méritos na pista, independente de qualquer decisão judicial, e disto não temos dúvida, o campeonato estará em boas mãos independente de que seja o campeão. Apenas esperamos que a disputa seja resolvida na pista, é o que os atletas e os fãs do esporte merecem. Na corrida Wellington disparou na frente e Marronzinho, que completou a primeira volta apenas em oitavo, tratou de correr atrás do prejuízo.

Em poucas voltas o catarinense chegou a segunda colocação ultrapassando Pipo Castro, Chumbinho e Roosevelt. A distância entre os dois primeiros girava na casa de cinco segundos e foi se mantendo mais ou menos em torno disto durante a corrida. A impressão era que Marronzinho não conseguiria ameaçar a vitória de Wellington. Com a prova se aproximando dos minutos finais a situação mudou e a corrida pegou fogo. A distância caiu drásticamente, pois Wellington deixou a moto apagar. Conseguiu religá-la em seguida, mas perdeu segundos preciosos. Com o adversário mais próximo Marronzinho ataca, pressiona e faz a ultrapassagem. Neste momento os dois se tocam levemente, Wellington vai ao chão e a corrida se define.


Pipo Castro
Marronzinho cruza em primeiro na chegada, com Wellington completando dezesseis segundos atrás, os dois muito a frente dos demais. Pipo Castro se firmou na terceira colocação onde isolou-se até a bandeirada. Swian Zanoni e Rafael Faria vieram das últimas posições para completarem o pódio em quarto e quinto respectivamente. Após o término da corrida a CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo) declarou Wellington campeão antecipado, mas não assistimos o piloto comemorar, pelo contrário o semblante do atleta no pódio era de quem estava insatisfeito por não ter vencido a corrida. "Os pilotos quando participaram das provas sob liminar já tinham conhecimento, pela própria liminar, de que havia o risco da perda dos pontos, caso a justiça assim entendesse. Coube à CBM apenas apresentar à justiça os fatos ocorridos", afirma Alexandre Caravana Guelman, presidente da entidade. Parece simples, mas não é. Esta situação poderia ter sido evitada se as regras fossem definidas com antecedência e não anunciadas na abertura do campeonato como de fato ocorreu. Desta forma a impossibilidade de usar qualquer marca de pneu pegou atletas de surpresa e com seus contratos para a temporada já definidos.


Momento decisivo da prova
Desconsiderando a disputa jurídica dos pneus e a consequente perda de pontos, com a vitória em Cachoeiro Marrozinho empataria com Wellington, levando a decisão para uma etapa final eletrizante. Cabe recurso da decisão judicial e a batalha no "tapetão" pode se prolongar de forma que o título da principal categoria do motocross brasileiro perca o brilho. Resta aguardar os próximos capítulos desta história, mas uma coisa já ficou clara: o esporte e todos os envolvidos com a competição sairam perdendo.

P. N. MX1 M. Volta Equipe
1 1 Joao Paulino Da Silva Junior 1:41.198 -
2 21 Wellington Garcia Matos 1:41.301 +16.621
3 13 Cristopher Castro 1:44.066 +58.195
4 12 Swian Zanoni Coelho Gomes 1:44.209 +1:17.661
5 37 Rafael Da Silva Faria 1:44.368 +1:25.495
6 31 Gabriel Bitencourt Gentil 1:44.881 +1:42.530
7 2 Milton Becker 1:45.789 1 Lap
8 292 Douglas Scartazzini Parise 1:47.493 +20.291
9 35 Marcos Campos Cordeiro 1:47.943 +32.769
10 39 Mariana Balbi 1:48.192 +33.529
11 17 Thales Vilardi Felix Da Silva 1:45.291 +56.793
12 10 Paulo Cesar Stedile 1:48.033 2 Laps
13 40 Heinz Wynther Dollinger Chrispim 1:52.546 +23.748
14 132 Richard Gabriel Berois Bermudez 1:53.806 +1:21.513
15 104 Leonardo Barros Pereira 1:57.056 +1:38.224
16 278 Walter Sergio Tardim 1:59.655 3 Laps
17 243 Plinio Tedesco 1:58.208 +5.595
18 734 Diogo Guedes Otaviano 1:58.965 4 Laps
19 215 Andre Felipe Souza De Almeida 1:54.952 5 Laps
20 4 Roosevelt De Freitas Assuncao Junior 1:44.519 9 Laps

A 8ª e última etapa do campeonato será em Nova Friburgo, RJ, já na próxima semana, nos dias 29 e 30 de agosto.






© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet