X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

Edgers Racing

KTM Sacramento

Toro Sports

SP Race Park

JPS Racing

MotoX Pneus

Clique e saiba mais

> Competição > Motocross Regional

Copa São Paulo de Motocross 2019 Indaiatuba - 1ª etapa
Publicado em: 04/05/2019

Humberto Machito Martin domina abertura do campeonato na tradicional pista de Indaiatuba
Redação MotoX.com.br - Texto e fotos: Maurício Arruda


Largada MX30

A Copa São Paulo de Motocross 2019 começou no último fim de semana de abril, dias 27 e 28, com um evento de grande sucesso na tradicional pista de Indaiatuba. O circuito anexo ao CETH (Centro Educacional de Trânsito Honda) já foi sede dos maiores eventos do motocross mundial, mas infelizmente, nos últimos tempos, tem passado mais tempo desativado. Desde 2015 uma competição não era realizada no local.

+ Confira mais fotos na Galeria de Imagens da prova

Assim a etapa de abertura do campeonato foi a oportunidade para muitos pilotos acelerarem pela primeira vez no local e outros tantos relembrarem emoções vividas ali. Desta vez, ao invés de usar o espaço da Honda abaixo da pista, os boxes foram montados na rua acima do traçado que foi interditada para abrigar as equipes. E o prestígio das provas na cidade continua em alta como foi fácil perceber ao longo do domingo quando diversas categorias, especialmente entre os veteranos, precisaram de corridas classificatórias para definir o gate de largada.


Humberto Martin, o Machito

Destaque das principais categorias, o venezuelano Humberto Martin, o Machito, lembrou que a pista Indaiatuba foi uma das que marcou sua carreira no Brasil. "Foi uma das primeiras pistas que corri no país, tive experiências incríveis aqui", disse o vencedor das categorias MX1 e Elite. "Corri o Mundial aqui e lógico, tem aquela energia extra, a vontade de vir é enorme, por isso o box está lotado. A pista estava excelente, o Amauri (Correa) e todos da organização trataram muito bem. Estava bem molhada, com bastante buraco e canaleta. Estão de parabéns", destacou o piloto da nova equipe FK Racing.


Dudu Lima

Este ano a categoria Elite também soma pontos pelas classes MX1 e MX2, contando como segunda bateria de ambas. Muitos pilotos que não sabiam da novidade no regulamento acabaram não disputando a última corrida e isso movimentou bastante o pódio que considerava a soma das baterias.   


Fredy Spagnol

Machito liderou a primeira corrida da MX1 desde a largada com um pelotão cheio de bons pilotos na perseguição. Dudu Lima, em segundo, escapou do grupo que também tinha seu irmão, Marcello Ratinho, Wilgner Guigão, Fredy Spagnol e Gabriel Montagner, entre outros, e se tornou a principal ameaça ao ponteiro. Caio Lopes errou no começo e teve que partir para uma prova de recuperação.


Leonardo Cassarotti

No final Machito controlou bem as investidas dos rivais e venceu com certa tranquilidade. Dudu Lima terminou em segundo e Fredy Spagnol em terceiro. "O Dudu (Lima) veio acompanhando muito bem, estavamos em um ritmo muito rápido e até pensei: 'Aguentar este ritmo os 20 minutos vai ser difícil'. Estavamos girando dois segundos abaixo dos treinos. Mas ele não está na ativa, acho que deu uma cansada e isso facilitou", comentou o vencedor.


Machito lidera as categorias MX1 e Elite, as principais do campeonato

Na primeira bateria da MX2, Spagnol fez uma apresentação ainda mais consistente. Ele disputou o primeiro lugar por grande parte da prova com Dudu Lima até conseguir assumir a liderança e vencer. "Foi muito legal, consegui fazer um terceiro lugar na MX1 e logo em seguida já alinhei na MX2 com o Dudu, Cassarotti, Bubinha e outros pilotos. A corrida foi muito boa, consegui uma largada mediana, mas logo na primeira volta ganhei várias colocações e depois continuei na disputa com o Dudu por mais da metade da prova até conseguir a ultrapassagem. Foi muito bom voltar às pistas com o Dudu e o Ratinho", avaliou Spagnol.


Roosevelt Assunção

A prova da Elite foi marcada por um rápido duelo entre Caio Lopes e Machito que novamente determinou o ritmo e saiu com a vitória. "Caio largou na frente, mas consegui passar logo no começo e abrir um pouco. Depois acho que ele cometeu um erro. O nível estava bem parelho e os erros fizeram a diferença, o que prevaleceu foi a constância", explicou Machito.


Rodrigo Guedes

O vencedor também falou sobre a sua nova equipe na temporada 2019. "Estou me adaptando cada vez mais com a nova equipe, o Frank (Galvão), a FK Racing, Circuit, Honda e demais patrocinadores estão fazendo um trabalho excelente. Não somos uma equipe grande, cada um aporta um grão de areia e estamos criando um castelo legal. Estou gostando muito! A moto é diferente, ainda estou no processo de adaptação, mas cada vez mais pegando gosto, a Honda é fácil de andar e agora é só tempo para chegar no Brasileiro e fazer bonito também".


Caio Lopes

Leonardo Cassarotti conquistou a segunda colocação na Elite - seguido pelo veterano Roosevelt Assunção em terceiro - e com o resultado garantiu a vitória na soma da MX2. "Foi um dia produtivo. Na primeira bateria da MX2 tive alguns problemas, larguei na frente, mas acabei caindo. Na Elite larguei em quarto e consegui um ritmo bom ganhando a MX2 na soma das baterias. Estou feliz em fazer a Copa São Paulo este ano, acho que o campeonato vai passar por pistas legais, bem técnicas, como eu gosto", destacou o piloto da equipe Rota Kawasaki.
   

Vinícius Rangel

Roosevelt, que é do mesmo time e retorna ao motocross após um longo período, também foi destaque na MX30 onde venceu seguido, respectivamente, por Vinícius Rangel, Rodrigo Guimarães, Murilo Tomazelli e Rodrigo Guedes, o Guedinho. "Foi melhor do que eu esperava. Depois de cinco anos parado essa foi a primeira corrida. Antes até corri o Arena (Cross), mas até estava brincando que lá o mais velho tem 10 anos a menos que eu então lá eu fui mesmo para tirar aquela tensão de primeira corrida. Mesmo quando ainda corria profissionalmente, no fim da minha era e início da do meu irmão (Hector) e outros pilotos muito rápidos, fiquei um tempinho sem vencer. Voltando depois de cinco anos consegui vencer na MX30 e fiz uma boa corrida na Elite. Estou contente. Trabalho durante a semana e só treino durante o fim de semana, então foi muito melhor que o esperado. Eu estava andando de bike e acho que isso ajudou a manter o preparo", avaliou o veterano de 37 anos.


João Pedro Fonseca

A MX40 também teve uma interessante disputa que só foi definida na última volta. Durante a prova Guedinho mapeou as linhas de Walter Tardin que liderou praticamente a corrida inteira. Foi somente na última volta que as posições mudaram: Guedinho deu um bote certeiro ultrapassando o rival que tentou o troco até a última curva sem sucesso. Renê Rodrigues, Juraci Petroni e Heriko Gonçalves completaram os cinco mais rápidos da categoria. 


Larissa Laira

Se Caio Lopes enfrentou imprevistos nas principais categorias para motos importadas, não se pode dizer o mesmo sobre a prova da Nacional Pró, onde ele foi dominante do início ao fim e venceu com ampla margem. Gabriel Montagner e Victor Alexandre completaram os três primeiros do pódio.


Gustavo Rodrigues

Nas demais categorias os vencedores foram: Vinícius Rangel (MX1 Intermediária), João Pedro da Fonseca (MX2 Intermediária), Larissa Laira (MXF), Gustavo Rodrigues (MX Júnior), Bernardo Tibúrcio (65cc), Matheus Reis (50cc) e Marcelo Lapa (MX50).


Matheus Reis

A Copa São Paulo de Motocross 2019 conta com o patrocínio da Rota K e IMS Racewear, e o apoio da América Sports, MRP Racing, MotoX Pneus, Moto Xtreme, LapTime e 2Di Studio. A organização é da Extreme Racing com supervisão da LIVRE Brasil. A segunda etapa da temporada será realizada em junho. O local e data serão divulgados em breve pela organização do evento, fique ligado no calendário do MotoX.

+ Confira mais fotos na Galeria de Imagens da prova


Pódio MX50


Pódio 50cc


Largada MX40

Vídeo:



Resultados

MX1 (Soma das baterias - MX1 + Elite)
1. 101 Humberto Machito Martin (1/1), 50 pontos
2. 134 Caio Lopes (5/5), 32 pontos
3. 303 Gabriel Montagner (8/4), 29 pontos
4. 210 João Henrique (6/9), 27 pontos
5. 2 Eduardo Lima (2/N), 22 pontos

MX2 (Soma das baterias - MX2 + Elite)
1. 25 Leonardo Cassarotti (4/2), 40 pontos
2. 416 Junior Slan (3/6), 35 pontos
3. 305 Felipe Ferreira (5/7), 30 pontos
4. 210 João Henrique (6/8), 29 pontos
5. 99 Rafael Bubinha (9/7), 26 pontos

Elite
1. 101 Humberto Machito Martin
2. 25 Leonardo Casarotti
3. 100 Roosevelt Assunção
4. 303 Gabriel Montagner
5. 416 Junior Salim
Holeshot: Caio Lopes

MX30
1. 100 Roosevelt Assunção
2. 225 Vinicius Rangel
3. 515 Rodrigo Guimarães
4. 917 Murilo Tomazelli
5. 152 Rodrigo Guedes
Holeshot: Júlio Fortes

MX40
1. 152 Rodrigo Guedes
2. 25 Walter Tardim
3. 911 Renê Rodrigues
4. 251 Juraci Petroni
5. 2 Heriko Gonçalves
Holeshot: Walter Tardim

MX50
1. 702 Marcelo Lapa
2. 52 Marco Gerbi
3. 51 Fabio Aleixo
4. 81 Pedro Cirino
5. 747 Maninho Oliveira

MX1 Intermediária
1. 225 Vinicius Rangel
2. 614 João Marcos de Camargo
3. 162 Victor Alexandre
4. 51 Felipe Zambrine
5. 96 Felipe Arante
Holeshot: Vinícius Rangel

MX2 Intermediária
1. 55 João Pedro Fonseca
2. 51 Eduardo Petrone
3. 559 Gabriel Elias
4. 5 Eduardo Machado
5. 410 Raul Faustino
Holeshot: Maninho Oliveira

MXF
1. 22 Larissa Laira
2. 92 Tatiane Poltroniere
3. 291 Janaina Vieira
4. 201 Vitoria Brizi
5. 659 Juliana Alcici
Holeshot: Larissa Laira

MX Júnior
1. 55 Gustavo Rodrigues
2. 237 Murilo Martinez
3. 177 Guilherme Silva
4. 8 Juan Souza
5. 734 João Vitor
Holeshot: Murilo Martinez

65cc
1. 3 Bernardo Tiburcio
2. 317 Bruno Leal
3. 515 Matheus Lima
4. 222 Breno Baltazar
5. 931 Felipe Maia
Holeshot: Matheus Lima

Nacional Pró
1. 134 Caio Lopes
2. 303 Gabriel Montagner
3. 162 Victor Alexandre
4. 3 Pedro Junior
5. 151 Lucas Gomes

50cc
1. 11 Matheus Reis
2. 91 Bruno Celico
3. 94 Bruno Lacerda
4. 111 Pedro Dias
5. 71 Pablo Galdino







© 2000 - 2018 MotoX MX1 Internet