X Fechar
foto

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais


>Competição > Motocross Internacional

3ª etapa - Latino Americano MX - Rio Branco - AC
Publicado em: 17/07/2007
Clique e saiba mais

Venezuelano garante o título na última etapa
Texto e fotos: Idário Café


Largada da 1ª bateria

Era quase impossível acreditar que após de vencer três baterias no Brasil, o piloto rondoniense Rodrigo Selhorst pudesse ficar sem o título Latino-americano de 2007. Mas quis o destino - e a persistência do venezuelano Humberto Martin - que o novo campeão fosse da terra do petróleo. 

- Clique para ver todas notícias do Latino Americano de Motocross

Veja também: Galeria de Imagens da Prova com 165 Fotos!

Após as etapas disputadas em Rondônia as delegações do Brasil e dos outros três paises – Equador, Venezuela e Peru – seguiram direto para Rio Branco, onde permaneceram a semana que antecedeu a decisão do campeonato. Foram dias de integração entre os nossos pilotos e os de fora. Partidas de futebol (onde os brasileiros venceram...) passeios pela cidade e sessões de preparo físico para estarem 100% para competir.

A pista era a mesma que recebeu a etapa do Latino em 2006, sem qualquer alteração no traçado a única e principal mudança foi mesmo a temperatura que começou quente nos treinos da manhã, aumentou na hora dos cronometrados e acreditem, a chuva que chegou na primeira bateria. Prenúncio de um fim de semana realmente interessante.

O inicio do desafio 

A ausência de muitos dos principais brasileiros de fato comprometeu o espetáculo da etapa final, já que o gate acabou sendo reduzido a apenas 21 pilotos. Pouco para a magnitude de um campeonato que já revelou pilotos de renome como o equatoriano Martin Davalos, que hoje destaca-se no AMA Motocross como piloto oficial da equipe KTM. Mas se alguns dos ponteiros não vem o negócio é correr com quem esta presente e fazendo bonito, e na manhã do sábado começaram os treinos. 


Humberto Martin


Rodrigo Selhorst
Todas as atenções estavam voltadas para Rodrigo Selhorst e Humberto Martin, lutando diretamente pelo título. A melhor impressão nos treinos da manhã foi de Rodrigo que conseguiu uma volta rápida com certa facilidade e acabou se poupando para o período da tarde. Humberto apareceu logo abaixo na segunda posição e a revelação do primeiro treino foi o catarinense Gabriel Gentil que cravou o terceiro tempo.

Devido a problemas organizacionais, os pilotos tiveram de deixar o recinto para almoçar fora do local e um dos treinos do período da tarde foi cancelado. Na volta para a pista, os pilotos foram direto para a tomada de tempo. Era a hora de saber quem faria a disparada inicial para o título em jogo. O grupo teve uma hora de treino e de cara Rodrigo Selhorst mostrou a que tinha vindo, cravando a melhor volta no início dos treinos. 

Não demorou para que o venezuelano desse a resposta e baixasse o tempo de Rodrigo, que parecia imbatível. A comemoração dos venezuelanos era visível, até que restando dois minutos para o final do treino Selhorst saísse para a última volta e num traçado perfeito conseguisse bater o adversário e mexer com o público presente. "Deixei para o final a tentativa de uma volta rápida pois sabia que o traçado havia melhorado e criado uma via rápida", explicou Rodrigo. 


Jetro Salazar
Já Humberto não se conformava com o melhor tempo do adversário e transferiu a
responsabilidade para o dia da corrida. "O Rodrigo é um piloto rápido e inteligente, ele observou bastante antes de ir para pista, contou meu pai. Quando resolveu acelerar conseguiu me desbancar. Amanhã tentaremos mudar o quadro", finalizou o piloto venezuelano.

No domingo de decisão tudo parecia perfeito. Pista sem nenhum ponto de poeira, traçado arenoso cheio de cavas que exigiriam muito dos pilotos e claro a expectativa para saber quem seria o melhor piloto Latino-americano.

Tão logo encerou a cerimônia oficial de abertura, com hasteamento das bandeiras dos países presentes, os pilotos tomaram o gate para a primeira parte da decisão. Placa de 15 segundos, placa de 5 e lá se foram eles. Na largada, Marco Túlio errou e foi ao chão, logo ele que havia feito excelentes corridas na etapa rondoniense. Rodrigo Selhorst disparou na frente e foi seguido de perto por Humberto Martin, que trazia consigo Antônio Miranda. Aos poucos Humberto se aproximava de Rodrigo que fazia de tudo para manter o primeiro lugar. 



Riderson Carlos
Quando Humberto estava prestes a tentar a ultrapassagem, um retardatário acabou prejudicando o ataque do venezuelano deixando Selhorst respirar mais tranqüilo até cruzar a linha de chegada. "Ele estava se aproximando a cada volta e sentia que a situação poderia se complicar a qualquer minuto. Mantive o ritmo e quando recebi a placa de duas voltas é que fiquei mais tranqüilo", contou o rondoniense que venceu a prova, reduzindo a diferença para dois pontos no campeonato já Humberto chegou em segundo.

Para Rodrigo, bastava chegar a frente de Humberto e a comemoração seria inevitável. Já Humberto falava em vitória e título. "Agora vou buscar o que não consegui na primeira bateria", profetizou o piloto.

Gate ao chão e lá se foram eles para mais trinta minutos bem quentes em busca do tão almejado título. Rodrigo sai na ponta e consegue manter uma pequena vantagem, todavia a aproximação de Humberto era visível e o venezuelano mostrava estar mais rápido que Rodrigo, que acabou perdendo a liderança na terceira volta e o ritmo de prova. 


Felipe Espinosa
Humberto passou e literalmente 'abriu um caminhão'. Rodrigo ficou na segunda posição, a luta pelo titulo ainda era possível, mas 10 voltas mais tarde foi a vez do equatoriano Jetro Salazar tirar definitivamente sua possibilidade de tornar-se campeão assumindo a segunda posição. Rodrigo foi ainda ultrapassado por Marco Túlio e acabou cruzando a linha de chegada na quarta posição. Enquanto isso, Humberto comemorava junto com o pai e o irmão a conquista, de forma impressionante, do seu primeiro título na MX2. "Dedico o título ao meu pai que no sábado fez aniversario e me pediu como presente este resultado. Prometi tentar e felizmente tudo correu conforme o planejado", comemorava o piloto. O destaque local foi o piloto Riderson Carlos, que terminou na quinta posição.


    Já como campeão Humberto 'Machito' Martin comemora a conquista

Veja também: Galeria de Imagens da Prova com 165 Fotos!
"Senti o cansaço chegar no final da prova. O ritmo estava alucinante e o calor acabou me desgastando. Agora é esquecer isso e pensar no Brasileiro de semana que vem", disse Rodrigo, após ser atendido pelo serviço médico. O piloto informou ainda que não havia se recuperado totalmente da queda que sofrera antes, na segunda etapa.
"Larguei na segunda bateria sentindo dores, mas disposto a brigar pelo título".

Entre nossos pilotos temos de tirar o chapéu para Antônio Eustáquio Miranda, o Tuniquinho. Na segunda bateria ele não foi bem. Mas nas provas que competiu mostrou regularidade e somou três terceiros lugares.

"Estamos felizes por ter conseguido resultados tão expressivos em nível de publico e pilotos. Apenas no quesito organização que alguns conceitos precisam ser revistos", afirmou Oreil Peregrina, da ULM (União Latina de Motociclismo), que acompanha o Latino-americano a cinco anos. 

Resultado (Soma das Duas Baterias)

P. Piloto País B1 B2 Pts
1 3 Humberto Alejandro Martin Garaicoechea Ven 22 25 47
2 4 Rodrigo Clemente Selhorst Bra 25 19 44
3 60 Jetro David Salazar Montalvo Ecu 18 22 40
4 80 Riderson Carlos Ribeiro Bra 15 18 33
5 27 Felipe Espinosa Pozo Ecu 13 17 30
6 51 Haroldo Cabrera Ven 14 15 29
7 15 Edgar Andres Benenaula Gavilanes Ecu 16 12 28
8 69 Antonio Eustaquio De Miranda Bra 20 7 27
9 77 Uyran Carlos Faria Da Silva Bra 9 16 25
10 99 Heinz Wynther Dollinger Chrispim Bra 12 13 25
11 25 Ariel Miller Bra 10 14 24
12 90 Marco Tulio Bra 2 20 22
13 33 David Andres Cevallhos Retamailes Ecu 11 10 21
14 52 Alerandro Bulos Guerrero Per 8 11 19
15 81 Jean Carlos Bra 6 8 14
16 95 Elias Marinho Bra 4 9 13
17 11 Gabriel Bitenourt Gentil Bra 3 6 9
18 44 Filipe Dos Santos Godoi Bra 7 0 7
19 23 Aparicio Da Silva Paixao Bra 1 5 6
20 53 José Cavalcante Damasceno Júnior Bra 5 0 5

Classificação Final do Campeonato  

P. Piloto País Pts
1 3 Humberto Alejandro Martin Garaicoechea Ven 126
2 4 Rodrigo Clemente Selhorst Bra 118
3 60 Jetro David Salazar Montalvo Ecu 110
4 15 Edgar Andres Benenaula Gavilanes Ecu 93
5 51 Haroldo Cabrera Ven 83
6 27 Felipe Espinosa Pozo Ecu 67
7 69 Antonio Eustaquio De Miranda Bra 67
8 80 Riderson Carlos Ribeiro Bra 61
9 90 Marco Tulio Bra 60
10 33 David Andres Cevallhos Retamailes Ecu 57
11 52 Alerandro Bulos Guerrero Per 54
12 25 Ariel Muller Bra 48
13 99 Heinz Wynther Dollinger Chrispim Bra 42
14 18 Mauro Ribeiro Bra 42
15 31 Pablo Vivanco Ecu 42
16 77 Uyran Carlos Faria Da Silva Bra 37
17 11 Gabriel Bitenourt Gentil Bra 30
18 95 Elias Marinho Bra 19
19 24 Juan Hector Collins Mex 18
20 1 Marcello Ferreira Bra 18
21 35 Leandro Orvalle Dom 17
22 81 Jean Carlos Bra 14
23 30 Diego Henrique Bezerra Suares Bra 14
24 54 Everson Junior Bra 13
25 14 Gabriel Ojeda Ven 13
26 34 Francisco Ruben Areas Dom 12
27 87 Francisco Monsalve Ecu 11
28 36 Carmelo Santos Hidalgo Dom 11
29 23 Aparicio Da Silva Paixao Bra 9
30 55 Cristian Montaleza Ecu 9
31 44 Filipe Dos Santos Godoi Bra 7
32 28 Israel Romo Ecu 7
33 53 José Cavalcante Damasceno Júnior Bra 5
34 10 Alex Testoni Bra 5
35 22 Claudio Barbizam Bra 3
36 84 Mauro Ribeiro Bra 2
37 61 Anderson Chupel Bra 2






© 2000 - 2020 MotoX MX1 Internet