fechar
X Fechar
X Fechar

X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

RM - Motocross Racing

Edgers Racing

RX Graphics

JPS Racing

Ohlins

DLua Racing

Toro Sports

Clique e saiba mais

> Competição > AMA Motocross

2017 Ironman - IN - 12ª etapa
Publicado em: 28/08/2017

No título de Tomac, holandês Jeffrey Herlings rouba a cena da final do campeonato
Redação MotoX.com.br: Lucidio Arruda - Fotos: Simon Cudby / Jeff Kardas / Garth Milan / Andrew Fredrickson
 

Blake Baggett fez o Holeshot na segunda bateria

O que era para ser uma decisão de título morna, ganhou ares de uma grande desafio quando Jeffrey Herlings confirmou sua participação no evento, a sua primeira corrida no AMA Motocross. Jeffrey encontrou o momento perfeito para esta estreia. Apesar da segunda posição no Mundial de Motocross, a 101 pontos de Antonio Cairoli suas chances de título são mínimas. Herlings poderia acelerar tudo o que sabe sem outras preocupações. Do outro lado teria um Eli Tomac com pouca disposição para arriscar seu primeiro título na 450 em troca de uma vitória.


Jeffrey Herlings apimentou essa final de campeonato

A participação na prova também serviu para aclimatação nos Estados Unidos antes do antepenúltima etapa do Mundial de Motocross, que acontece em Jacksonville, Flórida. Para os fãs e promotores do campeonato o fato também gerou um espetáculo e audiência extras, além, é claro, de vastas discussões nas interwebs e qualquer lugar que se respire motocross. Da mesma forma que a ida de Ryan Villopoto gerou enorme atenção no Mundial de Motocross, essa visita única de Herlings fez o mesmo na Lucas Oil AMA Motocross.

Corridas


Eli Tomac, campeão 450 2017

Na primeira bateria Eli Tomac fez seu primeiro holeshot da temporada com Herlings em terceiro. Não demorou para o holandês assumir a ponta. Logo em seguida, Tomac tentou se aproveitar de uma pequena vacilada do líder para recuperar a ponta e mandou um triplo em curva. Ao aterrissar na terra fofa quase tudo foi por água abaixo.

"Acho que meu ego falou mais alto", disse Tomac na entrevista do título. "Herlings errou e até olhou para mim. Eu disse vamos nessa! Fui por fora no triplo e meio que voei para fora da pista. Estava em boa posição para fechar o título (Tomac precisava da segunda posição para fechar a fatura na primeira bateria) e dei aos meus adversários uma segunda chance. Não voltei aos boxes muito contente".


Jeffrey Herlings e Marvin Musquin

Herlings logo abriu mais de três segundos de vantagem, que foram reduzidos a quase nada quando Marvin Musquin o atacou ao redor da metade da bateria. Herlings respondeu e fechou a corrida com oito segundos de diferença. Blake Baggett ficou com a terceira posição seguido de Cole Seely. Tomac completou a prova em quinto.

Segunda bateria


Marvin Musquin jogou a quinta vitória no campeonato fora a menos de duas voltas da bandeirada

Na segunda bateria Jeffrey Herlings fez justiça ao apelido "The Bullet" depois de cair logo após a largada e protagonizar uma recuperação que deixou os fãs de queixo caídos. Da última posição completou a primeira volta em 22º. Na sexta volta já era o quarto colocado e na sétima já havia superado Cole Seely pelo terceiro lugar. Ainda tinha metade da corrida pela frente e cerca de 18 segundos de desvantagem em relação ao líder Marvin Musquin, na ponta desde a primeira volta.

Blake Baggett não foi um grande problema já que reduziu consideravelmente o ritmo na fase final. Herlings o ultrapassou sem resistência a três voltas do fim. Foi quando a sorte dos campeões sorriu para ele. Musqun, que tinha cerca de oito segundos de vantagem, perdeu o controle em uma sequência de costelões e foi ao chão.


Cole Seely, 5º colocado na temporada


Dean Wilson foi apenas 10ª na etapa final, mas manteve o 4º lugar no campeonato
"Claro que tive um pouco de sorte por Marvin cometer um pequeno erro, na verdade ele entregou essa vitória para mim. Assim são as corridas. Eu caí e ele também", comentou um satisfeitíssimo Herlings com cara de missão cumprida no pódio. "Não sabia o que esperar, tudo era novidade para mim. Após os treinos, pensei que poderia vencer se conseguisse boas largadas. Tenho muito respeito por todos (os pilotos), foi incrível voltar para casa com 1-1." Após as declarações até certo ponto modestas, não deixou de lembrar quem foi o mais rápido durante todo o dia.

Tomac largou na última bateria precisando apenas marcar dois pontos, ou seja, a 19ª posição era suficiente para ser campeão. Começou em 12º e sem se arriscar completou a bateria em sexto. "Foi incrível (ganhar o título). Ainda não caiu a ficha, mas foi uma longa caminhada! Tivemos que superar muita coisa juntos e cheguei pronto para fazer o que fosse necessário para entregar esse título à equipe Kawasaki."


Um pódio todo da KTM na final do campeonato

A eterna discussão AMA x Mundial

Houve uma época em que os melhores pilotos norte-americanos ganhavam dos europeus com uma mão nas costas. Não mais, depois da unificação dos GPs MX1 e MX2 no Mundial de Motocross a evolução no campeonato foi constante enquanto do lado de cá do Atlântico o Supercross foi ganhando importância tanto no orçamento das fábricas, como na preparação dos pilotos. A preparação e testes pré-temporada focam basicamente no Supercross, foco que muda para o outdoors a apenas poucas semanas do início do campeonato.


Blake Bagget e Jeffrey Herlings

Outro ponto a se considerar é que as safras de superpilotos norte-americanos como Ricky Carmichael, James Stewart e Ryan Villopoto, pelo menos por enquanto, se encerraram. Outro fato a se considerar é que o AMA chegou ao final da temporada com ausências importantes, tanto por lesões (Ken Roczen e Jason Anderson) como por aposentadoria (Ryan Dungey e Trey Canard). Com esses nomes na pista o resultado seria diferente?

Por outro lado Jeffrey Herlings evoluiu muito como piloto durante esse ano. Mesmo já tendo vencido um punhado de provas regionais e até mesmo o Nações individualmente, em 2016 com uma moto 450, só mesmo um campeonato completo para mostrar realmente como sua preparação está. A fratura na mão antes do início do campeonato foi apenas um detalhe. Durante a temporada ele desenvolveu o respeito necessário pelo motor maior, resolveu seus problemas com as largadas e chegou mais próximo ao acerto ideal do equipamento, detalhes que ele mesmo confessou em entrevistas. Hás duas semanas na Suécia tinha todas as chances de conquistar seu terceiro GP quando uma coroa quebrada o tirou da segunda bateria.

De último para primeiro seria possível no Mundial?


Largada da segunda bateria. Herlings, atrás de Tomac (3), saiu mal e ainda caiu no início da primeira volta.

Temos que considerar dois detalhes importantes. Pilotos e pistas. Se pegarmos os quatro ou cinco primeiros do AMA teremos pilotos capazes de vencer provas na categoria principal do Mundial. Mas depois disso (de 6º para trás) o prognóstico fica bem favorável à Europa. Comparemos os treinos classificatórios do GP da Suécia com o Ironman.

P. # 450 Ironman Moto V M.Volta na V. Última Volta Dif. Líder Gap
1 784 J. Herlings KTM 450 SX-F FE 6 2:08.230 5 2:47.951 --.--- --.---
2 3 E. Tomac Kawasaki KX 450F 7 2:09.680 7 2:09.680 1.450 1.450
3 4 B. Baggett KTM 450 SX-F FE 7 2:10.168 7 2:10.168 1.938 0.488
4 25 M. Musquin KTM 450 SX-F FE 7 2:10.954 7 2:10.954 2.724 0.786
5 2 C. Webb Yamaha YZ 450F 6 2:11.550 6 2:11.550 3.320 0.596
6 51 J. Barcia Suzuki RMZ 450 7 2:12.791 5 2:36.494 4.561 1.241
7 48 C. Craig Honda CRF450R 7 2:12.868 4 3:20.224 4.638 0.077
8 15 D. Wilson Husqvarna FC450 6 2:12.926 5 2:29.552 4.696 0.058
9 14 C. Seely Honda CRF450R 4 2:12.968 3 2:37.797 4.738 0.042
10 32 W. Peick Suzuki RMZ 450 7 2:14.150 5 2:35.219 5.920 1.182
11 40 F. Noren Honda CRF450R 7 2:14.260 4 2:15.370 6.030 0.110
12 19 J. Bogle Suzuki RMZ 450 6 2:14.328 4 2:31.889 6.098 0.068
13 34 B. Bloss KTM 450 SX-F FE 7 2:14.354 3 2:15.496 6.124 0.026
14 43 M. Bisceglia Suzuki RMZ 450 6 2:15.465 5 2:45.823 7.235 1.111
15 81 H. Miller Yamaha YZ 450F 4 2:16.336 3 2:45.067 8.106 0.871

P. Nac MXGP Suécia M Melhor V. Dif. Gap Last Lap
1 NL J. Herlings (84) KTM 01:50.081 +10:39.999 +10:39.999 6: 02:27.110
2 FR R. Febvre (461) YAM 01:50.113 +00:00.032 +00:00.032 7: 01:50.681
3 RU E. Bobryshev (777) HON 01:51.289 +00:01.208 +00:01.176 4: 07:57.662
4 BE J. V. Horebeek (89) YAM 01:51.497 +00:01.416 +00:00.208 5: 02:22.950
5 SI T. Gajser (243) HON 01:51.822 +00:01.741 +00:00.325 7: 01:51.822
6 BE C. Desalle (25) KAW 01:52.034 +00:01.953 +00:00.212 3: 11:34.561
7 NL G. Coldenhoff (259) KTM 01:52.099 +00:02.018 +00:00.065 6: 02:18.988
8 IT A. Lupino (77) HON 01:52.100 +00:02.019 +00:00.001 7: 01:52.127
9 EE T. Leok (7) HUS 01:52.124 +00:02.043 +00:00.024 6: 01:59.913
10 IT A. Cairoli (222) KTM 01:52.140 +00:02.059 +00:00.016 7: 01:52.793
11 FR G. Paulin (21) HUS 01:52.185 +00:02.104 +00:00.045 6: 03:54.072
12 DE M. Nagl (12) HUS 01:52.391 +00:02.310 +00:00.206 7: 02:27.922
13 GB M. Anstie (99) HUS 01:52.581 +00:02.500 +00:00.190 5: 02:01.991
14 LT A. Jasikonis (27) SUZ 01:52.694 +00:02.613 +00:00.113 7: 01:52.694
15 BE K. Strijbos (22) SUZ 01:53.141 +00:03.060 +00:00.447 6: 02:25.360

É um bom confronto porque Herlings foi o mais rápido nos dois treinos. Comparemos a diferença de tempos em relação ao líder nos dois campeonatos. Em Indiana, o 15º Henry Miller ficou a 8 segundos de Herlings. Na Suécia, o 15º Kevin Strijbos ficou a 3 segundos cravados. Sabe quem tomou 8 segundos de Herlings na Suécia? Provavelmente você não conhece o esloveno Peter Irt, 29º colocado. Mesmo considerando o tempo de volta na Europa cerca de 18 segundos mais curto, é uma diferença exemplar da "profundidade do talento" entre um campeonato e outro. No AMA o sexto colocado Justin Barcia já ficou a 4,5 segundos de Herlings.

Durante a segunda bateria na Suécia Strijbos fez a quarta volta mais rápida da bateria - atrás apenas de Romain Febvre, Tim Gajser e Herlings - e mesmo assim completou a corrida apenas em 13º!


Jeffrey Herlings

As pistas também são outro fator complicador no Mundial. Depois que começam os treinos, o terreno não recebe mais nenhuma manutenção, exceto a reta de largada. Com provas de dois dias que geralmente recebem também baterias de várias categorias do Europeu, as pistas se degradam muito mais e limitam bastante as opções de traçados nas baterias finais, dificultando principalmente as ultrapassagens.

Herlings encontrou o circuito de Ironman praticamente liso (em relação ao mundial), bastante largo e com múltiplas opções de ultrapassagens. Não encontrou nenhuma dificuldade para superar 90% do pelotão. Em entrevistas chegou a afirmar que nunca correu numa pista tão boa assim!

Claro que em outras etapas do AMA as pistas ficaram bem mais difíceis e marcadas que essa da final, mas ainda assim, de modo geral, as dificuldades são maiores no Mundial.

Expectativas para o MXGP dos Estados Unidos

Sem o peso da decisão de título e ainda correndo em casa numa pista que será novidade para todos os pilotos, Eli Tomac terá a chance da revanche no próximo final de semana no WW Motocross Park. Ano passado ele venceu com certa facilidade os dois GPs disputados nos Estados Unidos, em Glenn Helen e Charlotte. O recém-coroado campeão 450 irá motivado para a disputa? Antonio Cairoli tem um nono título para conquistar, mas Herlings, Tim Gajser, Romain Febvre e o restante do pelotão de europeus tem uma boa oportunidade para mostrar serviço.

250 - Zach Osborne fecha temporada com mais uma vitória


Largada 250 - Jeremy Martin (6) não ficou na frente por muito tempo

Com o titulo já decidido e todo o oba oba na 450, a final da 250 foi uma preliminar bem coadjuvante, se é que me entendem. Mas vamos aos destaques da categoria que sempre mostra disputas interessantes.


Zach Osborne

- Zach Osborne confirmou que foi o melhor na temporada. Mesmo com o título no bolso foi com vontade para a final e voltou para casa com mais 1-1. E para jogar mais um pouco de gasolina na discussão acima, ele é também um piloto com experiência no Mundial, além de campeão britânico em 2010.

- Jeremy Martin definitivamente não encontrou com a Honda a mesma sintonia dos tempos de títulos com a Yamaha. O vice-campeão até liderou o início de uma bateria, mas não demorou muito para comprar terreno. Com 8-3 fechou a etapa em quarto, num sábado pouco inspirado.


Adam Cianciarulo

- Adam Cianciarulo encerrou a temporada com o quarto pódio consecutivo. O garoto prodígio, uma das grandes estrelas na fase amadora, teve o início da carreira profissional prejudicada por lesões e nunca entrou para valer nas disputas pelos títulos. Amadureceu bastante durante o ano e, quem sabe, pode usufruir de todo seu potencial ano que vem.


Colt Nichols

- Colt Nichols com 3-4 conquistou seu primero pódio no campeonato.

- O brasileiro Gustavo Pessoa foi 16º na segunda bateria igualando seu melhor resultado (em baterias) no campeonato. Entrar na jaula dos leões é fundamental para o desenvolvimento na carreira. Com o campeonato brasileiro em marcha lenta, um grande esforço da família o colocou no caminho certo para continuar evoluindo sua técnica. Não há nada que se iguale a essa experiência internacional.

Vídeo Highlights



Resultados

450 Largada Chegada Pts
P. # Piloto Moto M1 M2 M1 M2 Total
1 784 Jeffrey Herlings KTM 450 SX-F FE 1 22 1 1 50
2 25 Marvin Musquin KTM 450 SX-F FE 3 1 2 2 44
3 4 Blake Baggett KTM 450 SX-F FE 4 2 (HS) 3 3 40
4 14 Cole Seely Hon CRF450R 5 3 4 4 36
5 2 Cooper Webb Yam YZ 450F 7 6 6 5 31
6 3 Eli Tomac Kaw KX 450F 2 (HS) 12 5 6 31
7 32 Weston Peick Suz RMZ 450 6 7 7 8 27
8 48 Christian Craig Hon CRF450R 9 9 9 7 26
9 19 Justin Bogle Suz RMZ 450 13 5 11 9 22
10 15 Dean Wilson Hus FC450 16 10 12 10 20
11 51 Justin Barcia Suz RMZ 450 8 8 10 13 19
12 43 Matthew Bisceglia Suz RMZ 450 10 4 15 11 16
13 81 Henry Miller Yam YZ 450F 17 11 16 12 14
14 40 Fredrik Noren Hon CRF450R 12 39 13 15 14
15 34 Benny Bloss KTM 450 SX-F FE 11 14 8 28 13
16 11 Kyle Chisholm Hon CRF450R 18 17 18 16 8
17 88 John Short Yam YZ 450F 23 16 21 14 7
18 70 Dakota Alix KTM 450 SX-F FE 19 15 17 18 7
19 37 Phillip Nicoletti Suz RMZ 450 15 13 14 38 7
20 77 Ben LaMay KTM 450 SX-F FE 20 18 20 17 5
21 125 Josh Mosiman Hus FC450 14 19 25 19 2
22 68 Heath Harrison KTM 450 SX-F 24 31 19 23 2
23 921 Isaac Teasdale KTM 450 SX-F 22 23 22 20 1

250 Largada Chegada Pts
P. # Piloto Moto M1 M2 M1 M2 Total
1 16 Zachary Osborne Hus FC250 3 2 1 1 50
2 36 Adam Cianciarulo Kaw KX 250F 2 1 (HS) 2 2 44
3 39 Colt Nichols Yam YZ 250F 7 5 3 4 38
4 6 Jeremy Martin Hon CRF250R 1 (HS) 4 8 3 33
5 45 Mitchell Harrison Yam YZ 250F 10 7 5 8 29
6 486 Chase Sexton Hon CRF250R 4 6 10 6 26
7 31 RJ Hampshire Hon CRF250R 14 9 12 5 25
8 129 Sean Cantrell KTM 250 SX-F FE 5 20 6 12 24
9 46 Justin Hill Kaw KX 250F 12 15 11 9 22
10 74 Bradley Taft Yam YZ 250F 8 14 7 13 22
11 191 Justin Cooper Yam YZ 250F 37 10 16 7 19
12 78 Nick Gaines Yam YZ 250F 20 11 13 10 19
13 42 Kyle Cunningham Suz RMZ 250 15 8 9 14 19
14 23 Aaron Plessinger Yam YZ 250F 6 3 4 40 18
15 183 Lorenzo Locurcio Yam YZ 250F 13 12 14 11 17
16 50 Luke Renzland Yam YZ 250F 9 16 15 15 12
17 791 Gustavo Souza Hon CRF250R 18 19 25 16 5
18 179 Jon Ames Yam YZ 250F 16 18 36 17 4
19 223 Dylan Wright Hon CRF250R 29 40 20 18 4
20 105 Steven Clarke KTM 250 SX-F 11 17 17 39 4
21 231 Jayce Pennington Yam YZ 250F 19 34 18 22 3
22 355 Joey Crown Kaw KX 250F 40 13 21 19 2
23 677 Cody Williams Yam YZ 250F 17 22 19 38 2
24 570 Cody VanBuskirk KTM 250 SX-F 23 27 24 20 1

Classificação Final
P. # 450 Pts
1 3 Eli Tomac 470
2 25 Marvin Musquin 453
3 4 Blake Baggett 451
4 15 Dean Wilson 340
5 14 Cole Seely 330
6 19 Justin Bogle 308
7 2 Cooper Webb 268
8 32 Weston Peick 268
9 30 Martin Davalos 263
10 21 Jason Anderson 216
11 48 Christian Craig 216
12 40 Fredrik Noren 202
13 51 Justin Barcia 191
14 70 Dakota Alix 152
15 20 Broc Tickle 146
16 33 Joshua Grant 143
17 81 Henry Miller 108
18 43 Matthew Bisceglia 78
19 34 Benny Bloss 73
20 88 John Short 70
21 68 Heath Harrison 55
22 784 Jeffrey Herlings 50
23 125 Josh Mosiman 50
24 41 Trey Canard 39
25 154 Brandon Scharer 37
26 37 Phillip Nicoletti 35
27 244 Justin Hoeft 34
28 718 Toshiki Tomita 32
29 111 Dean Ferris 29
30 606 Ronnie Stewart 29
31 11 Kyle Chisholm 16
32 97 Thomas Sipes 13
33 559 Dylan Merriam 13
34 90 Dillan Epstein 12
35 757 Tommy Weeck 12
36 121 Cody Cooper 11
37 151 Dakota Tedder 11
38 170 Zack Williams 10
39 77 Ben LaMay 9
40 776 Ryan Dowd 8
41 921 Isaac Teasdale 8
42 52 Tyler Bowers 7
43 333 Rhys Carter 7
44 926 Kaven Benoit 5
45 637 Robert Piazza 4
46 596 Carson Tickle 3
47 376 Chris Canning 3
48 544 Morgan Burger 3
49 96 Vann Martin 2
50 401 Samuel Redman 2
51 941 Angelo Pellegrini 2
52 58 Christopher Alldredge 2
53 309 Jeremy Smith 1
54 167 Zachary Bell 1
55 27 Nicholas Wey 1
56 330 Cade Autenrieth 1
57 157 Jacob Baumert 1
P. # 250 Pts
1 16 Zachary Osborne 501
2 6 Jeremy Martin 420
3 36 Adam Cianciarulo 374
4 23 Aaron Plessinger 337
5 17 Joseph Savatgy 324
6 108 Dylan Ferrandis 305
7 39 Colt Nichols 303
8 26 Alex Martin 296
9 45 Mitchell Harrison 279
10 38 Shane McElrath 248
11 31 RJ Hampshire 222
12 486 Chase Sexton 188
13 24 Austin Forkner 184
14 129 Sean Cantrell 176
15 42 Kyle Cunningham 144
16 50 Luke Renzland 141
17 78 Nick Gaines 124
18 183 Lorenzo Locurcio 119
19 46 Justin Hill 110
20 74 Bradley Taft 90
21 191 Justin Cooper 70
22 342 Michael Mosiman 64
23 105 Steven Clarke 50
24 28 Mitchell Oldenburg 24
25 57 James Decotis 23
26 791 Gustavo Souza 23
27 677 Cody Williams 23
28 223 Dylan Wright 20
29 172 Mark Worth 17
30 355 Joey Crown 16
31 558 Jerry Robin 12
32 128 Cameron Mcadoo 11
33 179 Jon Ames 11
34 130 Austin Root 11
35 487 Josh Osby 10
36 231 Jayce Pennington 9
37 209 William Lofstrom 5
38 367 Hunter Sayles 4
39 570 Cody VanBuskirk 4
40 430 Dylan Summerlin 4
41 702 Josiah Hempen 3
42 388 Brandan Leith 2
43 321 Bradley Lionnet 1
44 87 Chris Howell 1
45 81 Henry Miller 1












Vídeos MotoX Connect



Acompanhe o MotoX no Facebook

Curso MotoX Ric Raspa
Brasil Racing
JPS Racing

© 2000 - 2017 MotoX MX1 Internet