fechar
X Fechar
X Fechar

X Fechar
foto
Salvar nos Favoritos

X Fechar
foto
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais
Clique e saiba mais

América Sports

Capacete Companhia

RM - Motocross Racing

Edgers Racing

RX Graphics

JPS Racing

Ohlins

DLua Racing

Toro Sports

> Competição > Mundial de Motocross

14ª etapa - Lommel - Bélgica
Publicado em: 31/07/2016

Kevin Strijbos reecontra a vitória após quase uma década. Sequência de pódios de Tim Gajser chega ao fim
Redação MotoX.com.br: Lucídio Arruda - Fotos: Ray Archer / J. P. Acevedo / Bavo / Divulgação


Largadas, os únicos momentos de pista lisa em Lommel

Uma das belezas do Mundial de Motocross está, justamente, na diversidade dos circuitos que compõem o calendário. Para se sair bem é preciso ser o mais eclético possível em todo o tipo de terreno e condições. Cada circuito tem suas características únicas, mas nada se compara à pista de Lommel. A areia pesada e profunda exige um enfoque completamente diferente na pilotagem. Temos exemplos de areia "leve" como Mantova (Itália) e Kegums (Letônia) e também mais pesadas como Valkenswaard e Lierop, ambas na Holanda e pertinho de Lommel, mas geralmente o circuito belga é o teste definitivo. Para se ter uma ideia de como a pista deteriora no fim de semana, basta dizer que o melhor tempo na primeira bateria de treinos foi 1min44seg3. Na última bateria o mesmo Tim Gajser marcou 1min57seg0 na primeira volta. As últimas foram acima dos dois minutos.

Vamos enumerar algumas das características que diferem as provas na areia pesada:


Opções não faltam....

Posição de pilotagem: manter a frente leve é primordial. A postura de "ataque" com o tronco sobre o guidão muda para uma mais recuada. Ao mesmo tempo que o piloto procura evitar que a frente afunde, precisa fazer a traseira "copiar" as intermináveis ondulações e conseguir o máximo de tração.


Nesse momento Bobryshev só se preocupa em acertar o ponto de aterrisagem. Repare como voa areia levada pela moto

Scrubs, nem pensar: todos os saltos ficam marcados por trilhos fundos nas rampas, que obrigam o piloto a entrar reto, sem margem para as jogadas de lado antes da decolagem. Além disso, os saltos se tornam muito mais uma questão de sobrevivência do que de estilo. É preciso se preocupar que as pedaleiras, quadro e os próprios pés não "agarrem" no solo antes da decolagem e a mesma coisa na aterrisagem. De qualquer forma, nos obstáculos de Lommel ainda é possível ganhar tempo saltando o mais longe possível e evitando algumas das múltiplas lombadas que se formam. É só acertar exatamente onde tocar o chão... 


A escolha das trajetórias tem que ser bem antecipada

Escolha do traçado: depois de gradearem e das primeiras baterias de treinos, muitos dos circuitos de solo duro ficam com apenas uma linha boa. Em Lommel isso não acontece, praticamente toda a largura do circuito é utilizável. Ruim, difícil, mas utilizável e sem muita diferença de tempo em relação às outras múltiplas linhas ao lado. O que muda na pilotagem é a falta de oportunidade para o piloto fazer sua própria linha. Por exemplo, começar uma curva por fora e "cortar" para o traçado interno é inviável. O piloto é praticamente obrigado a manter-se nos trilhos previamente estabelecidos. Isso praticamente elimina aquelas ultrapassagens onde ocorre o famoso "X" entre as linhas de cada adversário. Geralmente acontecem com um por fora e outro por dentro. Simples assim. Para criar o seu próprio traçado é preciso muita criatividade e encontrar os "bumps" certos para cruzar sobre os trilhos, como fez Clemente Desalle na ultrapassagem sobre Romain Febvre na última volta da primeira bateria.

Como os principais pilotos se saíram no GP da Bélgica


Kevin Strijbos


Kevin Strijbos
Kevin Strijbos: nove anos talvez seja um recorde de intervalo entre vitórias no Mundial de Motocross. Desde Lierop em 2007 Kevin Strijbos não subia ao topo do pódio. Correndo em casa, o piloto da Suzuki mostrou boa velocidade desde sábado na classificatória e fez duas boas corridas no domingo. Entretanto a vitória na etapa foi dramática. Se Max Nagl ou Antonio Cairoli conseguissem uma ultrapassagem na segunda bateria - e em alguns momentos eles chegaram perto disso - o resultado seria diferente.

Foi também a primeira vitória de Stefan Everts como chefe da Suzuki. O multicampeão  comemorou como se ele mesmo estivesse pilotando. Foi quase um fim de semana perfeito para o time que ganhou os holofotes antes mesmo dos treinos com suas motos retrô e na MX2 colocou Jeremy Seewer na segunda posição, mesmo o suíço, declaradamente, não se considerando um fã das pistas de areia. Para completar, o novato substituto de Ben Townley, Arminas Jasikonis, fez uma excelente segunda bateria com a oitava posição, provando que Everts tem um olho clínico para novos talentos. Há, o time ainda conseguiu a vitória no Europeu EMX250 com o holandês Bas Vaesen.


Arminas Jasikonis

"Não tenho palavras para esse momento. Na primeira bateria andei com o Max (Nagl), mas tive que reduzir um pouco a velocidade, o que não me deixou nada feliz", comentou Strijbos após o pódio. "Na segunda bateria tive que alcançar a terceira posição e pensei que podia subir ao pódio... e tentei não pensar mais sobre isso. Então na última volta me avisaram no pitbox que eu venci o GP! É um momento muito especial e se passou muito tempo desde a última vez que estive no topo. Há nove anos muitos dos novos piloto nem estavam nos GPs. Estou muito feliz também pela equipe, porque trabalhamos tão duro e não obtivemos resultados até agora. Foi difícil para eles também".


Max Nagl


Só mais uma posição...
Max Nagl: tecnicamente, considero o alemão como um dos mais perfeitos na pilotagem. Talvez lhe falte um pouco de agressividade e arrojo, mas na questão de técnica, Nagl está quase sempre com a postura perfeita sobre a motocicleta. Uma espécie de Ryan Dungey da Europa (faltam apenas os títulos). Na primeira bateria tudo correu bem e ele venceu com tranquilidade.

Na segunda, chegou a ultrapassar Jeremy van Horebeek pela terceira posição na metade da prova, quando foi pego por uma das muitas armadilhas de Lommel. Nagl terminou em sétimo e ficou com o segundo lugar no pódio, mas com o gostinho na boca de ter desperdiçado uma vitória.


Antonio Cairoli

Antonio Cairoli: ninguém pense que o italiano está satisfeito e acomodado com o (muito) que conquistou na carreira até agora. Prova disso foi o recente retorno para a moto 350. Em uma das entrevistas, Cairoli disse que voltou para o motor menor porque finalmente a KTM finalizou algumas peças que teria solicitado há muito tempo (sem especificar quais seriam). Na primeira corrida largou em 13º e avançou até a sexta posição, onde permaneceu próximo dos piloto a frente, mas sem conseguir mais ultrapassagens. Na segunda, fez uma boa largada e perseguiu Gajser por boa parte da corrida. Chegou a se aproximar do esloveno antes de acertar o ritmo para garantir a segunda posição.


Jeremy van Horebeek

Jeremy van Horebeek: o competente - porém não brilhante - piloto vive na equipe à sombra de Romain Febvre desde o ano passado. Com dois vice-campeonatos, um na MX2 e um na MX1, Horebeek, como bom belga, fez um bom GP na areia com a quarta posição geral que contribuiu para manter sua média no campeonato ao redor dos 30 pontos por etapa. 29,78571428571429 para ser exato. Competente, mas não brilhante.


Tim Gajser

Tim Gajser: foi só elogiar Tim Gajser no sábado que o piloto teve a sua pior bateria do campeonato no domingo. Caiu quando brigava pela terceira posição da primeira corrida com Romain Febvre. Depois caiu de novo e levou uma eternidade para botar os 450 centímetros cúbicos para funcionar novamente. Completou a prova apenas em 15º e deu adeus ao histórico de 100% de pódio na MXGP. Talvez tenha percebido ou sido aconselhado que o estilo "on the edge" não funcione tão bem nas complicadas condições de Lommel. Se redimiu na segunda corrida, perfeita após o holeshot. Abriu vantagem, se acomodou e voltou a acelerar quando o ronco de Cairoli surgiu por perto. Mesmo com a quinta posição na etapa seu prejuízo no campeonato foi quase nulo, já que o italiano só recuperou 5 pontos, que poderiam ser 18. Com quatro etapas para o fim e vantagem de 103 pontos, Gajser já está alcançando a taça com uma das mãos.

Shaun Simpson: O britânico é um daqueles pilotos que aguardam para brilhar nas pistas de areia. Superou Strijbos pela segunda posição na primeira corrida. Na segunda, uma largada apenas mediana complicou suas chances no GP, que não melhoraram nada com duas quedas que o deixaram apenas com o 12º lugar na bateria e o sexto geral da etapa.


Romain Febvre

Romain Febvre: o atual campeão andou muito bem na primeira bateria e chegou a alcançar a terceira posição. Manteve o posto até duas voltas do fim quando os locais lhe tomaram posições. Primeiro Strijbos, depois Desalle, praticamente a uma curva do fim. Na segunda bateria, Febvre teve dois encontros mais íntimos com a areia. O primeiro logo após a largada. Depois de se recuperar até nono, caiu novamente, tomou volta dos líderes e abandonou.

MX2 - Dupla vitória de Max Anstie


Largada MX2

Sem Jeffrey Herlings na parada, que lida com a recente fratura na clavícula adquirida durante uma etapa do Campeonato Holandês, as portas da vitória se abriram para vários dos pilotos da categoria.

Quem soube aproveitar foi o britânico Max Anstie, sempre muito rápido nas pistas de solo macio, mas também muito propenso a comprar terreno, onde quer que seja. O próprio piloto comentou isso após vencer as duas baterias.


Max Anstie

"A pista estava brutal como sempre, mas o trabalho conjunto com a equipe realmente funcionou. Sabia que se me mantivesse longe dos erros poderia vencer o GP, e foi isso que procuramos fazer. O ritmo foi forte na primeira bateria e quando começou a chover as coisas ficaram ainda mais complicadas. Lommel é macia de qualquer jeito, mas a chuva a deixou ainda mais macia. A segunda bateria foi diferente, a pista ainda mais difícil, mas consegui forçar e encontrar um ritmo para vencer. Indo para os GPs finais quero me concentrar no objetivo de conquistar mais pódios"


Jeremy Seewer

Jeremy Seewer é quem mais tinha a ganhar com a ausência de Herlings. Na falta do líder, o vice tinha que aproveitar para adquirir o máximo de pontos e, quem sabe, ameaçar o holandês nas últimas etapas. Mesmo não sendo um especialista na areia conseguiu a boa segunda posição geral e 40 dos possíveis 50 pontos.


Suzuki comemora Lommel

"Tentei não forçar muito no início da primeira bateria poque sabia que seria um dia difícil. Meu plano era atacar no final, mas quando começou a chover tive que tirar o óculos e não pude executá-lo. Liderei a segunda bateria e sabia que o Max estava perto. Tentei o máximo enquanto na liderança, mas quando fui ultrapassado o melhor foi segurar o ritmo e não correr nenhum risco."  Semana que vem Seewer corre em casa na Suíca e o retorno, ou não, de Herlings ainda é uma incógnita.

Morar e treinar ali pertinho fez a diferença para o búlgaro Petar Petrov que conquistou seu primeiro pódio na temporada via segundo e sexto nas baterias. Seu companheiro de equipe Dylan Ferrandis, sempre entre os favoritos, chegou a liderar a primeira bateria antes da embreagem da Kawasaki pedir água e abandonar. Na segunda corrida Ferrandis não largou bem, mas recuperou-se até o terceiro posto.


Petar Petrov

Petrov comentou o pódio: "Me senti bem durante todo o fim de semana. Na primeira corrida fiz uma boa largada e liderei por duas voltas. Foi bom, mas é uma experiência nova para mim. Na segunda corrida minha largada não foi tão boa e num ponto cheguei a machucar o ombro, a pista estava terrível. Nas últimas voltas voltei a forçar pois (Benoit) Paturel estava atrás e sabia que se ele me passasse o pódio já era." 


Pódio MX2

Depois da Suíça o campeonato tem sua segunda passagem do ano pela Holanda, na pista artificial montada no autódromo de Assen, antes de partir para as duas etapas finais nos Estados Unidos.

Vídeo



Resultados

P. # MXGP Nat. Bike Race 1 Race 2 Total
1 22 Strijbos, Kevin BEL SUZ 20 20 40
2 12 Nagl, Maximilian GER HUS 25 14 39
3 222 Cairoli, Antonio ITA KTM 15 22 37
4 89 Van Horebeek, Jeremy BEL YAM 14 18 32
5 243 Gajser, Tim SLO HON 6 25 31
6 24 Simpson, Shaun GBR KTM 22 9 31
7 259 Coldenhoff, Glenn NED KTM 13 16 29
8 25 Desalle, Clement BEL KAW 18 11 29
9 777 Bobryshev, Evgeny RUS HON 11 15 26
10 7 Leok, Tanel EST KTM 12 10 22
11 177 Jasikonis, Arminas LTU SUZ 5 13 18
12 251 Getteman, Jens BEL KTM 10 7 17
13 461 Febvre, Romain FRA YAM 16 0 16
14 45 Nicholls, Jake GBR HUS 7 8 15
15 100 Searle, Tommy GBR KAW 0 12 12
16 911 Tixier, Jordi FRA KAW 9 1 10
17 21 Paulin, Gautier FRA HON 8 0 8
18 999 Goncalves, Rui POR HUS 1 6 7
19 92 Guillod, Valentin SUI YAM 3 3 6
20 37 Krestinov, Gert EST HON 0 5 5
21 941 Satink, Rick NED HUS 0 4 4
22 151 Kullas, Harri EST KTM 4 0 4
23 17 Butron, Jose ESP KTM 0 2 2
24 212 Dewulf, Jeffrey BEL KTM 2 0 2

P. # MX2 Nat. Bike Race 1 Race 2 Total
1 99 Anstie, Max GBR HUS 25 25 50
2 91 Seewer, Jeremy SUI SUZ 18 22 40
3 152 Petrov, Petar BUL KAW 22 15 37
4 189 Bogers, Brian NED KTM 16 18 34
5 6 Paturel, Benoit FRA YAM 20 14 34
6 10 Vlaanderen, Calvin NED KTM 14 16 30
7 747 Cervellin, Michele ITA HON 12 11 23
8 107 van Berkel, Lars NED HUS 8 13 21
9 4 Ferrandis, Dylan FRA KAW 0 20 20
10 161 Östlund, Alvin SWE YAM 11 8 19
11 128 Monticelli, Ivo ITA KTM 6 12 18
12 426 Mewse, Conrad GBR HUS 9 7 16
13 66 Larranaga Olano, Iker ESP KTM 5 10 15
14 321 Bernardini, Samuele ITA TM 13 2 15
15 46 Pootjes, Davy NED KTM 15 0 15
16 132 Kutsar, Karel EST KTM 10 4 14
17 64 Covington, Thomas USA HUS 4 9 13
18 811 Sterry, Adam GBR KTM 7 0 7
19 88 van der Vlist, Freek NED KAW 0 6 6
20 29 Jacobi, Henry GER HON 1 5 6
21 75 Roosiorg, Hardi EST KTM 0 3 3
22 172 Van doninck, Brent BEL YAM 3 0 3
23 81 Hsu, Brian GER SUZ 2 0 2
24 83 Renkens, Nathan BEL KTM 0 1 1

Classifi
P. # MXGP Nat. Bike Total
1 243 Gajser, Tim SLO HON 607
2 222 Cairoli, A. ITA KTM 504
3 12 Nagl, M. GER HUS 490
4 461 Febvre, Romain FRA YAM 464
5 777 Bobryshev, E. RUS HON 445
6 89 Van Horebeek, J. BEL YAM 417
7 92 Guillod, V. SUI YAM 292
8 259 Coldenhoff, G. NED KTM 277
9 25 Desalle, C. BEL KAW 273
10 22 Strijbos, K. BEL SUZ 264
11 24 Simpson, Shaun GBR KTM 256
12 100 Searle, Tommy GBR KAW 225
13 23 Charlier, C. FRA HUS 198
14 21 Paulin, G. FRA HON 193
15 17 Butron, Jose ESP KTM 178
16 7 Leok, Tanel EST KTM 152
17 911 Tixier, Jordi FRA KAW 139
18 8 Townley, Ben NZL SUZ 128
19 32 Potisek, Milko FRA YAM 119
20 45 Nicholls, Jake GBR HUS 94
21 77 Lupino, A. ITA HON 90
22 151 Kullas, Harri EST KTM 42
23 685 Lenoir, Steven FRA HON 38
24 149 Ullrich, D. GER KTM 35
25 400 Yamamoto, Kei JPN HON 34
26 251 Getteman, Jens BEL KTM 31
27 177 Jasikonis, A. LTU SUZ 30
28 999 Goncalves, Rui POR HUS 30
29 19 Philippaerts, D. ITA YAM 15
30 37 Krestinov, G. EST HON 13
31 22G Reed, Chad AUS YAM 11
32 221 Ratsep, Priit EST HON 11
33 156 Heidecke, A. GER KTM 10
34 20 Aranda, G. FRA YAM 9
35 920 Valentin, A. ESP KAW 9
36 212 Dewulf, J. BEL KTM 8
37 71 Graulus, Damon BEL HON 7
38 225 Andrade, E. MEX YAM 7
39 903 Aubin, Nicolas FRA SUZ 6
40 121 Boog, Xavier FRA KAW 6
41 737 Teillet, V. FRA HON 5
42 941 Satink, Rick NED HUS 4
43 444 Fanello, E. ARG YAM 4
44 112 Trossero, M. ARG YAM 3
45 31 Snow, Alex GBR YAM 3
46 11 Bengtsson, F. SWE SUZ 2
47 201 Soubeyras, C. FRA YAM 2
48 50 Macuks, Toms LAT KAW 1
49 58 Carranza, N. ARG HON 1
50 702 Schmit, Marco ARG YAM 1
51 430 Malin, V. FIN KTM 1
52 48 Irt, Peter SLO YAM 1
53 171 Penjan, T. THA HON 1
P. # MXGP Nat. Bike Total
1 84 Herlings, J. NED KTM 597
2 91 Seewer, Jeremy SUI SUZ 510
3 41 Jonass, Pauls LAT KTM 403
4 6 Paturel, B. FRA YAM 393
5 4 Ferrandis, D. FRA KAW 378
6 99 Anstie, Max GBR HUS 366
7 59 Tonkov, A. RUS YAM 320
8 152 Petrov, Petar BUL KAW 319
9 321 Bernardini, S. ITA TM 294
10 189 Bogers, Brian NED KTM 280
11 18 Brylyakov, V. RUS KAW 219
12 161 Östlund, Alvin SWE YAM 185
13 64 Covington, T. USA HUS 171
14 172 Van doninck, B. BEL YAM 145
15 747 Cervellin, M. ITA HON 140
16 10 Vlaanderen, C. NED KTM 134
17 95 Justs, Roberts LAT KTM 130
18 101 Zaragoza, J. ESP HON 126
19 426 Mewse, Conrad GBR HUS 102
20 66 Larranaga Olano, I. ESP KTM 95
21 46 Pootjes, Davy NED KTM 94
22 811 Sterry, Adam GBR KTM 82
23 29 Jacobi, Henry GER HON 81
24 128 Monticelli, I. ITA KTM 69
25 338 Herbreteau, D. FRA HON 54
26 132 Kutsar, Karel EST KTM 43
27 71 Graulus, Damon BEL HON 43
28 88 van der Vlist, F. NED KAW 42
29 919 Watson, Ben GBR HUS 39
30 16 Sabulis, K. LAT YAM 34
31 251 Getteman, Jens BEL KTM 32
32 107 van Berkel, L. NED HUS 31
33 81 Hsu, Brian GER SUZ 31
34 223 Tropepe, G. ITA HON 24
35 40 Zecchina, S. ITA YAM 24
36 14 Valente, C. SUI KTM 20
37 991 Lapucci, N. ITA HUS 16
38 951 Furlotti, S. ITA YAM 16
39 200 Dunn, James GBR HUS 15
40 15 Bonini, Davide ITA HUS 14
41 97 Ivanov, M. BUL KTM 11
42 98 Vaessen, Bas NED SUZ 8
43 175 Garrido, V. ARG YAM 8
44 129 Gomez , C. MEX YAM 8
45 164 Alix, Dakota USA YAM 7
46 194 Vasquez, J. CHL HON 5
47 510 Sanchez, O. MEX KAW 5
48 500 Yasuhara, N. JPN YAM 5
49 75 Roosiorg, H. EST KTM 4
50 831 Wysocki, T. POL KTM 4
51 102 Sikyna, R. SVK KTM 2
52 197 Toya, Igniacio ARG HON 2
53 611 Kriger, Nahuel ARG SUZ 2
54 86 Danke, Felipe CHL KAW 1
55 52 Ueda, Shota JPN KAW 1
56 28 Hallgren, Ben THA YAM 1
57 83 Renkens, N. BEL KTM 1
58 490 Mataro Vilar, F. ESP YAM 1











Vídeos MotoX Connect



Acompanhe o MotoX no Facebook

Curso MotoX Ric Raspa
Brasil Racing
JPS Racing

© 2000 - 2017 MotoX MX1 Internet